Wolff Klabin, a trajetória de um pioneiro

A Klabin S.A. é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil.
Parte da bela história de mais de 100 anos da empresa é contada no livro “Wolff Klabin, a trajetória de um pioneiro”.

 

LivroWolffKlabin


 

Os primórdios
Maurício Klabin chegou ao Brasil em 1889, fugindo da perseguição a judeus na Lituânia, na época sob o domínio da Rússia. Trazia 20 quilos de tabaco e 20 libras esterlinas.
Começou a trabalhar numa papelaria na av. S. João, depois passou a ser proprietário da mesma.
Nos anos seguintes, vieram irmãos e tios da Lituânia. A família era de Klabins e Lafers. A família Lafer já tinha relações de parentesco desde a Lituânia.
Em 1899, funda a Klabin Irmãos e Cia, cujos produtos eram livros em branco, papel para escrever e seda, importando material da Europa. Este ano é considerado o ano de fundação da empresa, embora a fábrica de papel viesse muito tempo depois.

A principal matéria prima utilizada pela empresa era o papel, importado da Europa. O Brasil tinha poucas fábricas, e as que existiam trabalhavam com papel de menor qualidade.
Em 1903, a Klabin irmãos arrenda a Fábrica de Papel Paulista, produzindo 700 t anuais: papel de embrulho, livros-caixa.
Em 1909, inaugurou nova fábrica em SP, com maquinário importado – a nova fábrica foi chamada de Companhia Fabricadora de Papel.


Wolff Klabin
Wolff Chegou ao Brasil com 10 anos, em 1902. Vendedor nato, trabalhou como caixeiro viajante da companhia, vendendo material de papelaria.

Wolff não fazia parte diretamente do núcleo da familia Klabin que era dona da empresa. Era uma espécie de primo “pobre” que teve que percorrer um caminho diferente: mostrar primeiro seu valor como empreendedor, e depois ser aceito.

Ele teve um bom desempenho como vendedor, e foi transferido definitivamente para a filial de Porto Alegre. Isto foi na época da Primeira Guerra Mundial.
Devido à guerra, surgiram dificuldades na importação e, consequentemente, escassez de papel. Com isso, surgiram oportunidades. Houve um grande estímulo à produção nacional de papel.

Os anos de Wolff em Porto Alegre mostraram-se muito importantes, não só pelo seu desempenho na empresa, mas também por fazer contatos que abririam muitas portas no futuro.


A Segunda Geração da Klabin
Pelos anos 1920, Wolff foi chamado a SP, pelo bom desempenho no Sul. Ele e Horácio Lafer formaram o núcleo da segunda geração da Klabin, após a morte de Mauricio.
Horácio era o intectual, acadêmico e descendente da família. Wolff era o pragmático, o self made man empreendedor. A Klabin era uma empresa média na época.

Ambos tornaram a Klabin uma gigante nacional.

No final dos anos 1920, Wolff mudou-se para o Rio, onde a Klabin tinha a necessidade de ser mais atuante. Foi um golpe do destino, que permitiu uma série de eventos fortuitos que serão descritos mais para frente.

As conexões de Wolff com políticos gaúchos e cariocas abriram uma série de portas para a companhia. E também por isso, Horácio Lafer foi Ministro da Fazenda de Getúlio Vargas.

A Companhia Fabricadora de Papel tinha produção de 6700 ton em 1927. Mas grande parte da matéria-prima continuava sendo importada. Wolff via a necessidade de ter matéria-prima própria para a fabricação de papel.


A Fábrica de porcelana

Em 1931, Wolff arranjou a aquisição da Manufatura Nacional de Porcelana. O Visconde de Moraes, já velho e afastado da operação, queria que Wolff assumisse. O Visconde faleceu anos depois.
Wolff liderou a reorganização da fábrica de porcelana, com gestão moderna, importação de tecnologia e know how. Passou a ser a maior fábrica de porcelana do mundo, na época.
O sucesso da fabrica de porcelana garantiu um fluxo de caixa que permitiu o grande salto futuro da empresa, a aquisição de terras no Paraná.
Um outro empreendimento ocorreu em 1935. Associada a Votorantim, os Klabin fundaram a Companhia Nitroquímica Brasileira. Era uma fábrica de tecido sintético, o rayon.
O rayon foi superado por uma inovação tecnológica superior, o nylon, e a Klabin decidiu não investir para acompanhar esta evolução: encerrou sua participacao na nitroquímica.


A fazenda Monte Alegre
O grande salto da empresa foi a aquisição da base florestal do Paraná, na fazenda Monte Alegre, que fica na cidade que atualmente é conhecida como Telêmaco Borba.

Mosaico
Foto do plantio em Mosaico das florestas da Klabin

 

Manuel Ribas era governador do Paraná, e já conhecia Wolff da época de Porto Alegre. Havia uma grande porção de terras administradas pela Companhia Agrícola e Florestal de Monte Alegre, mas esta companhia fora à falência. Ribas ofereceu as terras aos Klabin, que há muito tempo já sentiam a necessidade de ter matéria-prima nacional de qualidade.
Em 1933, a Klabin arrematou as terras, num leilão organizado pelo governo do Paraná. Não dava para deixar passar a oportunidade de adquirir um extensão tão grande e importante de terras propícias para a plantação de pinus. A fábrica de papel em si ficaria para depois. Havia inúmeros problemas como a falta de infraestrutura logística. Mesmo se tivesse a fábrica, deveria haver um investimento gigantesco em estradas e infraestrutura.

 


A fábrica de Telêmaco Borba
Em 1939, começa a Segunda Guerra Mundial. E, com isso, as importações ficaram mais difíceis, incluindo a celulose para fazer papel-jornal.
Getúlio Vargas consultou Assis Chateaubriand sobre a possibilidade de construção de uma grande fábrica de papel no país. Getúlio se preocupava com a possível falta de papel, e Chateaubriand era dono de um império de jornais e comunicação na época. Chatô recusou, por não ter terras para plantação, não ter know how e seu negócio ser comunicação. Mas ele indicou os Klabin para tocar o negócio e intermediou o encontro.

Getúlio ofereceu financiamento, mercado garantido e um ramal ferroviário.
Àquela época, os Klabin já estavam estudando a importação de equipamentos e toda a estrutura necessária para a implantação de uma fábrica de papel em Monte Alegre. Além dos custos de importação e da infra estrutura, era necessária uma quantidade grande de energia. Tudo isto tornava o investimento muito pesado.

Depois de muita negociação, o governo federal e a Klabin entraram num acordo de financiamento para viabilizar a construção da fábrica.
Em 1942 foi lançada a pedra fundamental da Indústria Klabin de Papel e Celulose, IKPC, e da represa Mauá, para fornecimento de energia.


A fábrica de Monte Alegre em funcionamento
Em 1942, a Companhia Fabricadora de Papel produzia 15 mil toneladas por ano.

Em 1945 iniciou-se a produção na fábrica de Monte Alegre. Em 1946, a capacidade era de 80 mil toneladas ano.

Inúmeros problemas técnicos tiveram que ser superados. Problemas como quebra do papel, e cor da fibra. A fibra era escura demais, porque as árvores eram muito velhas. Mas depois de muitos anos de aprendizado e trabalho, tais problemas foram sendo contornados.

 

FabricaMA

Foto da Fábrica de Monte Alegre atualmente

 


Planejamento Florestal

Era comum na época a indústria ser predatória. A Klabin foi uma das empresas pioneiras no Brasil, em termos de reflorestamento. Desde o início das operações, já se tinha a preocupação com a sustentabilidade ambiental da empresa a Longo Prazo.


A terceira geração

Em 1957 Wolff Klabin faleceu, e em 1965, Horácio Lafer. A segunda geração estava saindo de cena, passando o bastão para a terceira geração. Mas, desta vez, foi diferente. A Empresa Klabin da época começou um processo de profissionalização de sua gestão, com executivos profissionais do mercado e estrutura de governança para o conselho. Foi uma das primeiras empresas brasileiras a tomar tal iniciativa.

 


A Klabin hoje
Hoje a Klabin continua sendo uma das maiores empresas do setor, com mais de 10 mil funcionários e produção de 1,5 milhão de toneladas de papel por ano. Nada mal para uma empresa que começou com um imigrante trazendo 20 quilos de tabaco na bagagem.
Arnaldo Gunzi
Set 2015


 

Leia também:

Da árvore ao papel, do papel às nossas vidas

Telêmaco Borba, Ilíada e Odisseia

Mapa do site

O que podemos aprender com as ondas gravitacionais de Einstein

Bento Koike, o samurai da Inovação

 

Agradecimento especial a Cláudio Galuchi por emprestar o livro.

 

 

2 comentários sobre “Wolff Klabin, a trajetória de um pioneiro

  1. Pingback: É o fim das esperanças. Saia do Brasil enquanto pode. – Forgotten Lore

  2. Eu comecei minha vida profissional nessa grande empresa, Klabin do Paraná em 1967. Meu primeiro registro na carteira profissional, esta escrito no campo da profissão “servente”, pois tinha somente o ensino primário, logo sem nenhuma profissão. Fui fazer SENAI que, na época era totalmente gratuito. Fiz mecânica geral, depois desenho mecanico, metrologia e serralheria e trabalhei em três períodos que se somaram 17 anos. Sai para buscar mais oportunidades, mas a Klabin eu considero que minha primeira escola. Hoje ja aposentado e com profundo conhecimentos em línguas e formado em Filosofia, vieri professor e para não parar de vez ministro cursos de Filosofia, Historia e Cultura Africana pelo Paraná e Brasil. Depoiis da Kllabin consegui viajar pelo mundo trabalhando.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s