O Timoneiro, de Franz Kafka

O Timoneiro é um conto curto de Franz Kafka, metafórico e poderoso como outros contos do autor.

Reproduzo o mesmo aqui, uma tradução do mesmo em https://en.wikisource.org/wiki/Translation:The_Helmsman.


O Timoneiro

“Eu não sou o timoneiro?” Eu gritei.

“Você?” perguntou um homem alto e moreno e passou a mão sobre os olhos, como se para banir um sonho.

Eu estava de pé no leme na noite escura, a lanterna fraca acesa sobre minha cabeça e agora esse homem tinha vindo e queria me empurrar para o lado.

E como eu não quis desistir, ele colocou o pé no meu peito e me pisoteou lentamente, enquanto eu continuava a me agarrar aos raios do timão do navio e caindo, puxei-o completamente. Mas o homem o agarrou e o trouxe de volta; mim, no entanto, ele se afastou.

Logo me recuperei, caminhei até a escotilha que dava para a cabana e gritei: “Homens! Camaradas! Venham depressa! Um estranho me tirou do leme!”

Eles vieram lentamente, subindo a escada do navio, figuras cambaleantes poderosas e cansadas.

“Eu sou o timoneiro?” Eu perguntei.

Eles acenaram com a cabeça, mas só tinham olhos para o estranho, ficaram em um semicírculo em torno dele e quando ele disse ordenadamente” Não me perturbe “, eles se recompuseram, acenaram para mim e desceram novamente a escada do navio.

Que tipo de pessoas são essas? Elas pensam afinal, ou simplesmente se arrastam sem pensar pela Terra?


Recomendação de leitura. Uma interpretação em quadrinhos dos conto de Kafka, por Peter Kuper:

https://amzn.to/3eTTkAR

Veja também:

5 contos do Budismo

Alguns pequenos contos, para reflexão.

Carregar a mulher

Dois monges andavam pela floresta, quando avistaram uma mulher elegantemente vestida. Ela queria atravessar um riacho, porém, não queria sujar a roupa.

O monge mais velho colocou-a em suas costas e atravessou o rio, deixando-a do outro lado.

Passadas várias horas, o monge mais novo não aguentou o incômodo, e perguntou:

Mestre, temos um voto de castidade. É perigoso carregar nos braços uma mulher, ainda mais uma tão bonita. Isso pode incitar nossos desejos. Por que fez isso?

A que ele respondeu, calmamente: eu deixei a mulher do outro lado do rio. Você vem carregando-a em sua mente, desde então. O que é mais perigoso?

O que o peixe sabe

Um monge disse para o outro: aquele peixe está feliz.

Segundo monge: E como você sabe que ele está feliz?

Primeiro monge: E como você sabe que eu não sei que ele está feliz?

Segundo monge: E como você sabe que eu não sei que você não sabe que ele está feliz?

O monge na árvore

Um monge tinha o costume de meditar sobre uma árvore.

A fim de zombar do monge, um viajante dirigiu-lhe a palavra:

Viajante: É perigoso para um senhor de idade ficar em cima de uma árvore, não?
Monge: Quem corre perigo de verdade é você, que não está buscando o caminho da iluminação.

Percebendo que o monge não era qualquer um, o viajante resolveu perguntar num tom mais sério.

Viajante: Qual a essência do Budismo, em poucas palavras?
Monge: Faça o bem e deixe de fazer o mal.


Viajante: Ora, só isso? Uma criança de três anos consegue entender…
Monge: Sim, uma criança de três anos entende. Porém, um ancião de 80 anos não consegue fazer.

Após o diálogo, o viajante tornou-se um discípulo do monge.

Você só sabe reclamar

Um das correntes do Zen tem práticas severas a respeito do silêncio. O praticante pode falar apenas duas palavras em 10 anos.

Um praticante ficou em silêncio, por 10 anos. Quando chegou sua vez, ele disse:

  • Cama dura.

Por mais 10 anos, ele praticou o silêncio. Quando pôde falar, as palavras foram:

  • Comida ruim.

Mais 10 anos se passaram, 30 anos no total, e dessa vez suas palavras foram:

  • Eu desisto.

O Mestre retrucou com o sinal de Ok, e exclamou:

  • Só reclama!

Um monge sonhou que era uma borboleta

Quando ele acordou, pensou: será que eu sou um monge que sonhou que era uma borboleta, ou eu sou uma borboleta sonhando que sou um monge?

Ou eu sou uma borboleta sonhando que é um monge que está sonhando que é uma borboleta?

Trilha sonora: Susan Boyle- I dreamed a dream

O fardo que carregamos

Este conto é do folclore do Oriente Médio. As histórias do mulá Nasrudin combinam sabedoria e muito humor. “Mulá” significa “mestre”. Este é sobre os fardos que carregamos na nossa mente.

Um dia, Nasrudin, em sua peregrinação, encontrou um rio enorme que o impedia de continuar o caminho. Dado o tamanho do rio e agitação da água, seria impossível atravessá-lo a nado.

Então, ele juntou tudo o que podia e passou um dia e uma noite construindo uma bela e segura canoa. Na manhã seguinte, a colocou na água e conseguiu chegar ao outro lado sem maiores dificuldades.

Assim que ele estava em terra firme, amarrou a canoa em suas costas e com muito esforço e sofrimento continuou em seu caminho, em direção à floresta, se arrastando para suportar todo aquele peso.

Num momento, um passante o avistou e, curioso, perguntou:
“Senhor, por que está carregando essa canoa em meio a uma floresta?”

Nasrudin respondeu:
“Não posso deixá-la para trás. Ela me ajudou a atravessar o rio. Espero que também me ajude a atravessar a floresta.”

Assim como ilustra a história de Nasrudin, também carregamos as nossas canoas, que foram úteis em algum momento, mas certamente nos seguram no meio de uma floresta.

O Cavalo de Troia das histórias

Já contei neste espaço sobre a “Verdade e o Conto”, ou seja, a verdade pode ser dura demais, mas com a ajuda do conto, ela consegue entrar no coração das pessoas.

Ouvi outra analogia do tipo. As histórias são como um cavalo de Troia, remetendo à famosa lenda do cavalo de madeira, que entrou pelos portões da cidade murada intransponível, com guerreiros escondidos em seu ventre, que abriram os portões de Troia ao exército grego.

https://voicesinthedark.world/wp-content/uploads/2016/08/trojan-horse-in-troy-city.jpg

Contar diretamente o que queremos transmitir pode ser muito rápido, não dá tempo de imaginar uma situação, assimilar os dados e entender a ideia.

Exemplo:

– Você conhece o bar Gelo? É um lugar muito bom…

– (Comentário interno: E daí????)

Versus:

– Você conhece o bar Gelo, que fornece três tipos de gelo?
– Como assim, três tipos de gelo? Para mim, gelo é tudo igual…
– Há bebidas em que o gelo tem que ser maior, para derreter devagar. E há outras em que o gelo tem que derreter rápido, para a água se misturar à bebida na medida certa. E o terceiro tipo é para as bebidas que estão entre o derreter rápido e devagar.

Desta forma, ao contar toda uma história elaborada, mostra-se que o bar Gelo tem grande preocupação com a qualidade das bebidas servidas. Além de que é uma história curiosa, certamente vai ficar na memória das pessoas.

Na comunicação entre computadores, a informação redundante é inútil, apenas desperdício de bytes – segundo a Teoria da Informação de Claude Shannon. Entretanto, na comunicação entre pessoas, esta informação redundante aumenta a eficácia da mensagem (contanto que a redundância seja criativa).

Portanto, para aumentar o seu poder de comunicação, comece a contar histórias interessantes.

Para falar a Verdade, eu gosto muito de histórias de mitologia, sendo a Ilíada uma das minhas histórias favoritas. E só estou colocando este assunto para justificar o meu tempo gasto lendo mitologia…

Image result for the iliad

Fonte da história: The Teaching Company, How Ideas Spread