A estrada não trilhada

“A estrada não Trilhada” é um belo poema de Robert Frost, publicado em 1916. É sobre tudo o que poderia ser feito, todos os caminhos não trilhados. Só conseguimos pegar um caminho por vez, e não há volta – ou teremos perdido tempo ou o caminho levará a outros.

A estrada não Trilhada – Robert Frost
Tradução livre – Arnaldo Gunzi

Duas estradas divergem num bosque amarelo,
E infelizmente não posso trilhar ambas
Sendo apenas um viajante, por um tempo parei
E olhei tão longe quanto pude
Para onde uma delas dobrava no terreno

Então tomei a outra, tão boa quanto,
E sendo talvez mais atrativa,
Porque tinha mais grama e menos desgaste;
Embora os que passaram lá
Tenham desgastado ambas quase iguais.

E, naquela manhã, ambas equivalentes
Em folhas que passo algum escureceu.
Oh, deixei a primeira para outro dia!
Porém, sabendo como um caminho leva a outros caminhos,
Duvidei se um dia eu voltaria.

Eu contarei isso com um suspiro
De algum lugar daqui a eras e eras:
Duas estradas divergiam num bosque, e eu –
Eu tomei a menos trilhada,
E isso fez toda a diferença.

The Road Not Taken
BY ROBERT FROST

Two roads diverged in a yellow wood,
And sorry I could not travel both
And be one traveler, long I stood
And looked down one as far as I could
To where it bent in the undergrowth;

Then took the other, as just as fair,
And having perhaps the better claim,
Because it was grassy and wanted wear;
Though as for that the passing there
Had worn them really about the same,

And both that morning equally lay
In leaves no step had trodden black.
Oh, I kept the first for another day!
Yet knowing how way leads on to way,
I doubted if I should ever come back.

I shall be telling this with a sigh
Somewhere ages and ages hence:
Two roads diverged in a wood, and I—
I took the one less traveled by,
And that has made all the difference.

https://www.poetryfoundation.org/poems/44272/the-road-not-taken

Veja também:
https://ideiasesquecidas.com/2015/08/11/eu-sou-o-mestre-do-meu-destino-eu-sou-o-comandante-da-minha-alma-2/

Sapiens – os pilares da civilização

A dica desta Black Friday é o recém lançado “Sapiens – os pilares da civilização”, versão em quadrinhos da obra prima de Yuval Harari.

É o segundo volume de quatro. Este volume mostra a revolução agrícola, cerca de 12 mil anos atrás, como o homem dominou o trigo (ou será que foi o trigo que dominou o homem?), a domesticação dos animais – hoje temos mais de 5 bilhões de cabeças de gado, ovelhas e porcos, e 20 bilhões de frangos (seria isso um sucesso para os animais domésticos ou um fracasso?).

A agricultura permitiu que o ser humano se fixasse num lugar, ao invés da vida nômade, porém a armadilha da agricultura é que agora ele tinha que trabalhar exaustivamente mais do que o caçador coletor de antigamente, e o ganho de produtividade foi compensado pelo maior número de filhos a alimentar.

Os melhores locais para agricultura e o enorme trabalho de cultivo tornaram os terrenos naturalmente mais valiosos, de modo que a propriedade privada surgiu logo a seguir. Brigas entre vizinhos, também.

Os excedentes da agricultura também puderam suportar uma elite privilegiada. O Homo Sapiens demorou 300 mil anos para chegar à agricultura, e em meros poucos milênios, já surgiam grandes civilizações como a Babilônia antiga.

Para efeito de comparação:

  • Oásis de Jericó: 10 mil anos atrás, 1 mil habitantes
  • Mesopotânia: 5 mil anos atrás, 100 mil habitantes
  • Vale do Nilo: 4,5 mil anos atrás, 1 milhão de habitantes
  • Dinastia Qin (China): 2,2 mil anos atrás, 40 milhões de súditos

O trabalho tem desenhos magníficos como o seguinte.

Como fazer com que milhões e milhões de pessoas cooperem o mais pacificamente possível?

A resposta: através da ficção. O que seriam as leis, a ética social, e até as religiões, senão regras artificiais criadas pelos próprios seres humanos?

O código de Hamurabi, o do “olho por olho, dente por dente” foi um dos primeiros conjuntos de regras. A declaração de indepência americana, milênios depois, é outro exemplo.

Um último tópico neste resumo: os números. O cérebro das pessoas evoluiu para caçar e coletar, não para fazer contas exatas (até hoje, uma porcentagem enorme de pessoas têm dificuldade com matemática). Porém, a fim de organizar uma civilização gigantesca, é preciso registrar propriedades, produção, riqueza.

A invenção dos números é como se fosse um cérebro exterior, assim como a invenção da escrita.

“Sapiens” é uma obra monumental, abordando temas diversos desde o surgimento do homem até os dias atuais. É claro, para todos os tópicos há opiniões divergentes, e não precisamos concordar com tudo o que Harari descreve, precisamos mesmo é refletir sobre os temas e chegar à nossas próprias conclusões.

Link da Amazon, versão quadrinhos volume II:
https://amzn.to/3FNUjgT

Livro Sapiens:
https://amzn.to/2ZsOshE

Veja também:

Gandhi ensina assertividade

Uma história provavelmente apócrifa sobre Gandhi, mas mesmo assim, divertida.

” Quando Gandhi estudava Direito na Universidade de Londres tinha um professor chamado Peters, que não gostava dele, mas Gandhi não baixava a cabeça.

Um dia o prof. estava comendo no refeitório e sentaram-se juntos.

O prof. disse:
– Sr. Gandhi, sabe que um porco e um pássaro não comem juntos?

Ok, Prof….. Já estou voando…… e foi para outra mesa.

O prof. aborrecido resolve vingar-se no exame seguinte, mas ele responde, brilhantemente, todas as perguntas.

Então resolve fazer a seguinte pergunta:

– Sr. Gandhi,
indo o Sr. por uma rua e encontrando uma bolsa, abre-a e encontra a Sabedoria e um pacote com muito dinheiro.

Com qual deles ficava?

Gandhi respondeu….
– Claro que com o dinheiro, Prof.!

– Ah! Pois eu no seu lugar Gandhi, ficaria com a Sabedoria.

– Tem razão prof, cada um ficaria com o que não tem!

O prof. furioso escreveu na prova “IDIOTA” e lhe entregou.

Gandhi recebeu a prova, leu e voltou:
E disse…

– Prof. o Sr. assinou a prova, mas não deu a nota!

Moral da historia.
Semeie a Paz, Amor, compreensão.
Mas trate com firmeza quem te trata com desprezo.
Ser gentil não é ser capacho, nem saco de pancadas…

Veja também:

O que é Eudaimonia?

A busca pela Eudaimonia já me guiou em diversos momentos da vida, e também já me fez ler a “Ética a Nicômaco” do filósofo grego Aristóteles, que até hoje é uma das referências no tema.

Eudaimonia é um termo da filosofia grega, e significa algo como “felicidade”. Mas não é qualquer felicidade, é felicidade pela virtude. Isso porque uma pessoa pode tentar buscar felicidade por meios fugazes, como utilizar drogas ou vícios nocivos a longo prazo. Eudaimonia é uma palavra melhor do que felicidade.

Virtude de fazer aquilo para o qual você veio ao mundo para fazer. Sabedoria para que a pessoa alcance todo o seu potencial de excelência.

O ponto de vista grego era o de um universo com ordem. Uma semente de trigo gera trigo, um embrião de sapo vira um sapo. Um potencial sapateiro que alcance a excelência de ser um grande sapateiro, um potencial guerreiro que alcance a excelência de ser guerreiro, um potencial filósofo que alcance a excelência de ser filósofo.

Eudaimonia é alcançar a plenitude de seu potencial.

Para quem quiser saber mais sobre o tema e ver interpretações outras, há diversas fontes na internet. Especialmente interessantes são: o livro original de Aristóteles (descrito abaixo) e as aulas do prof. Clóvis de Barros Filho, pela sua didática.

Link da Amazon: https://amzn.to/3c3tVCK

Kaizen e a arte do pensamento criativo de Shigeo Shingo

Uma das minhas maiores inspirações, em 15 anos de trabalho em engenharia industrial, é Shigeo Shingo, do Sistema Toyota de Produção.

Questionar o porquê inúmeras vezes, verificar assimetrias, trocar a ordem de produção, paralelizar. O mestre Shingo ensina estes e outros princípios, no livro Kaizen e a arte do pensamento criativo.

O livro original é dos anos 1960, mas os princípios continuam válidos até hoje.

Seguem alguns cases.

Sobre comunicação precisa

Numa fábrica de discos de vinil (os mais novos nem sabem o que é isso), ele indagou ao operador sobre o que ele estava inspecionando.

“Várias coisas”, disse ele.

Shingo continuou indagando. Após mais uma rodada de respostas evasivas, o operador finalmente respondeu:

“Verifico se há poeira nos discos”. Após a resposta, o consultor prosseguiu: “E o que mais?”

“Também vejo se há algum arranhão”.

Ou seja, “várias coisas” na verdade se traduzia em apenas duas, poeira e arranhões. É importante ter clareza e transparência para efetiva comunicação.

Separar por diferença de propriedades

Em outro caso, a peça vinha carregada de limalhas de ferro, que se acumulavam. O projeto foi reformulado com uma calha feita com tela, para que a limalha fosse separada durante o processo de transporte da peça. Para tal, a pergunta foi “qual a diferença entre propriedades da peça e da limalha?” A resposta: peso, dimensões. Com isso, ficou fácil imaginar uma forma simples de fazer a separação.

Otimizar o fluxo de trabalho

Shingo, durante uma visita a seu médico, verificou que a maca, armário e instrumentos de desinfecção estavam em lados opostos da sala. Sua sugestão foi reconfigurar o layout, de modo a otimizar o fluxo de trabalho.

Serial x Paralelo

Uma peça era produzida de forma sequencial: furo na parte de cima, depois furos laterais, etc.

Cada furo era independente dos demais, de modo que seria possível paralelizar o trabalho e ganhar tempo com isso.

A forma encontrada de operacionalizar de forma eficiente foi utilizar uma mesa giratória, como a da foto.

O livro mostra uma série de princípios, com casos ilustrativos como os citados.

Outro conceito genial desenvolvido por Shingo foi o Poka-Yoke: sistema à prova de falhas. É para evitar erros humanos, como enfermeira injetar o vaselina ao invés de soro. O método consiste em fazer com que peças só encaixem se forem as corretas, digamos, o bico do pacote de vaselinatriangular, e o do soro comum, em formato de estrela.

Shigeo Shingo, Kaizen e a arte do pensamento criativo

Link da Amazon: https://amzn.to/3woTkjR

Veja também:

https://ideiasesquecidas.com/2014/06/21/eng-industrial-em-uma-fabrica-de-salsichas/

Mais histórias do Mulá Nasrudin

Recontando algumas histórias do Mulá Nasrudin, personagem folclórico do Oriente Médio.


O alfaiate e o desejo de Alá

O Mulá Nasrudin encomendou um terno novo ao alfaiate, que prometera o prazo de 10 dias para terminar.

Ao final do período, Nasrudin foi buscar a roupa, mas ainda não estava pronta. O alfaiate prometeu:

  • Se Alá quiser, em uma semana entrego a peça.

Uma semana depois, Nasrudin foi novamente ao alfaiate, que ainda não tinha terminado. Uma nova promessa:

  • Se Alá quiser, em mais alguns dias termino.

Dias depois, Nasrudin retornou, mas, adivinhe, a peça ainda não estava pronta.

  • Se Alá quiser, semana que vem finalizo.

Ao qual, o Mulá retrucou:

  • E qual o prazo, se tirarmos Alá?

A caçada de urso nenhum

O Mulá Nasrudin foi convencido por amigos, a contragosto, a caçar ursos na floresta.

Ao final de alguns dias, os caçadores retornaram de mãos vazias. Nasrudin comentou: “Que bom nenhum urso”.

Os colegas estranharam o comentário, ao qual Nasrudin complementou:

  • Melhor nenhum urso do que algum!

O pagamento pelo banho

Nasrudin foi ao banho público. Como ele estava sujo e maltrapilho, os atendentes praticamente o ignoraram. Ao final do banho, contudo, o Mulá deu uma moeda de ouro para cada atendente, como gorjeta.

Na semana seguinte, Nasrudin foi ao mesmo banho, impecável, trajado como um príncipe. Foi extremamente bem atendido, ganhou loções exóticas e atenção personalizada.

Ao final da experiência, ele deu a mais enferrujada das moedas de centavos como gorjeta para os atendentes, complementando:

  • A gorjeta da semana passada foi para o tratamento de hoje, a gorjeta de hoje, pelo tratamento da semana passada.

O Empréstimo pago corretamente

O Mulá Nasrudin emprestou dinheiro para um aventureiro, mesmo tendo certeza que este não honraria o pagamento.

Para a sua surpresa, o mesmo devolveu corretamente o valor emprestado, na data correta.

Tempos depois, o aventureiro pediu novamente empréstimo, um valor maior do que da primeira vez.

Desta vez, Nasrudin negou:

  • Você já me enganou da primeira vez, quando honrou um empréstimo que eu saberia que não honraria. Não vai me enganar uma segunda vez!

Hábito de comer açúcar

Quando o Mulá Nasrudin tinha a função de juiz no vilarejo, uma mãe pediu a ele que proibisse o filho de consumir açúcar.

O Mulá pensou um pouco, e pediu para a mãe retornar em duas semanas.

Na audiência seguinte, o Mulá pediu para esperar mais duas semanas, depois, mais duas.

Finalmente, depois de tanto tempo, a sentença: Nasrudin ordenou que o filho consumisse apenas metade do açúcar.

A mãe, mais intrigada pela demora do que pela sentença, perguntou pelo motivo dos adiamentos da decisão, ao qual, Nasrudin respondeu:

  • Eu não podia dar uma sentença sem saber se seria possível ou não executar. Usei esse tempo para experimentar se era possível ou não ficar sem açúcar.

(Ah, se todos os juízes fossem assim)

Veja também:
https://ideiasesquecidas.com/2020/08/15/5-contos-do-budismo/

Indicação de série para os amantes de tecnologia

Indicação de série computacional para o fim de semana. Na Netflix, “The Billion Dollar Code” conta a história de um hacker e um artista, na Alemanha pós queda do muro de Berlim, que se uniram para criar um antecessor do Google Earth, 10 anos antes deste.

Eles imaginaram o super-homem, voando pelo planeta a grandes altitudes, e dando zoom nas regiões a serem visitadas. O software foi batizado “Terra Vision”, e mostrado em feiras no mundo todo.

Eles acusam uma pessoa da Silicon Graphics de ter copiado a ideia e pontos principais do código, para desenvolver o Google Earth. Anos depois do sucesso do Earth, os criadores do Terra Vision resolvem processar a gigante de tecnologia, e uma batalha jurídica se segue.

É uma batalha de Davi x Golias, contada pelo lado fraco da história.

Temos o costume de celebrar a visão, criatividade e persistência dos vencedores, dos Gates, Jobs e Zuckenbergs da vida. Entretanto, há centenas de empreendedores igualmente visionários, criativos e persistentes que ficam pelo caminho, por diversas circuntâncias.

Como é difícil inovar! Não basta ter uma ideia brilhante e capacidade técnica de desenvolvimento.

É preciso estar no timing correto. O Terra Vision surgiu anos antes da Internet se popularizar, muito cedo.

É preciso escalar. Na Alemanha da época, eles tinham acesso a pouquíssimo capital de risco e estrutura, de forma que não conseguiram fazer um produto de alcance mundial.

Concorrentes: existe uma teoria de que as ideias estão no ar, e quando chega o momento delas, mais de uma pessoa tem a mesma visão. Inúmeros casos: Santos Dumont x Irmãos Wright, Edinson x Westinghouse, Darwin x Wallace. Mesmo Einstein, não fosse ele a criar a Teoria da Relatividade, teriam outros (como o matemático David Hilbert). Se não fosse o Google Earth, seria o Terra Vision ou alguma concorrente.

E quem ganhou o processo, no final das contas? Veja na série.

Faça menos, viva mais

Diagnosticado com uma doença crônica, agora ele só conseguia ser produtivo 1 hora por dia. Como ser o máximo efetivo possível, em tão pouco tempo?

Less doing, more living, do autor Ari Meisel

As dicas se tornaram livro, palestras, e assim ele vem ajudando as pessoas a salvarem tempo.

Direto para algumas boas dicas:

  1. Otimizar
  2. Automatizar
  3. Terceirizar

Registrar: Registre o que você faz. Lei de Pareto. Foque nos 20% relevantes. Registrar a sua vida vai ajudar a otimizar depois.


Algumas dicas para rastrear. Há aplicativos como o Rescue Time, que ajudam a rastrear o uso da vida online.

Para saúde, o velho e bom bloco de notas. (Dica minha, Arnaldo: uma planilha Excel 365 em cloud). Anote o peso, o número de passos por dia (smartwatches ajudam), pressão arterial.

Depois, otimizar. Exemplo é a Ikea, onde cada manual é totalmente otimizado.

Cérebro externo, como One Note, Evernote (Dica Arnaldo: como sou muito desorganizado, tenho este blog como um grande bloco de notas).

Qual o melhor horário de trabalho? No que você é melhor? Quais os gargalos? Uma excelente ideia é ter rotinas, como responder e-mails somente na segunda metade da hora, ao invés de ficar respondendo toda hora.

Quanto a finanças, também tenha rastreado e em ordem. Há ferramentas como o True Bill e Bill Shark, que ajuda a fazer esse tracking.

Terceirizar trabalhos, desde pequenos até maiores. Exemplo do autor. Ele teve a ideia de criar um suporte personalizado para o Macintosh. Pagou um designer para projetar a peça, e pagou uma empresa para imprimir. Além de ter o produto final, ele usou a internet para vender a peça, tendo um modesto lucro no final.

Mensagem final do livro: Não se esqueça, o aplicativo final é a sua saúde.


Um “segredo”: nunca comprei este livro. Este é um resumo de um resumo. “Less doing, more living” é o livro grátis do dia de hoje, do Blinklist, serviço de audiolivros.

https://www.blinkist.com/

Link do livro na Amazon: https://amzn.to/3AzrEta

Veja também:

A Arte da Guerra – Planilha Bizurada

Segue, para download, um resumo da Arte da Guerra de Sun Tzu, no formato de “planilha bizurada” (cheat sheet).

Link para download: https://1drv.ms/x/s!Aumr1P3FaK7jn0WZ-thpnw0IbAFC

Consiste em frases curtas, e um formulário para exibição aleatória dessas.

Também estou usando essas frases para postar citações aleatórias no Twitter:

Veja também

Link da Amazon: https://amzn.to/3adM2Fv

Os fracassos de Papanicolau até o exame que leva o seu nome

Poucos cientistas estudaram a fase inicial do câncer tão intensivamente quanto George Papanicolau.
Ele era um médico grego, quando chegou aos EUA em 1913, sem um centavo no bolso.

Papanicolau foi levando a vida como vendedor de carpetes, antes de conseguir uma posição na Universidade de Cornell, NY.

Mas mesmo em Cornell, era para uma tarefa menor. Estudar ciclo menstrual de porquinhos da Índia, uma espécie que não sangra nem apresenta outros sinais evidentes na menstruação.

Ele aprendeu a extrair células uterinas e analisar as suas formas. Sabendo a morfologia das células, ele conseguia dizer a posição do ciclo menstrual.

A seguir, ele expandiu o estudo para pacientes humanos. O método também funcionava em seres humanos, porém era uma invenção inútil. Faz séculos que mulheres sabem os seus ciclos, sem ajuda do método de Papanicolau.

Sem se abalar com as críticas, o médico continuou pesquisando, coletando tudo quanto era amostra de doenças ginecológicas – fibróides, cistos, tubérculos, inflamações.

O câncer, ele descobriu, tinha tendência de criar formas anormais, aberrantes.

Entusiasmado, ele publicou o artigo com a descoberta em 1928, apenas para sofrer mais críticas. O método não era muito acurado nem sensitivo. E havia outras formas de detectar câncer cervical.

Após duas invenções inúteis em 20 anos, ele desapareceu por um tempo.

Entre 1928 e 1950, Papanicolau voltou ao tema com ferocidade.

Será que o câncer também não muda a morfologia com o tempo?

Ele e colaboradores adaptaram o método não para detectar o câncer, mas sim, o pré-câncer.

Em 1952, ele conseguiu convencer o Instituto Nacional do Câncer a realizar o maior teste da história, utilizando o seu método. 150 mil mulheres fizeram o teste de Papanicolau. Encontraram câncer invasivo em 555 casos. Se não tivessem sido testadas, não teriam sabido, pois não havia sintomas. E as mulheres testadas estavam numa idade 20 anos a menos que a idade média de casos.

Papanicolau transformou um caso de câncer virtualmente incurável em curável, e o seu teste é o padrão mundial utilizado até hoje.

Lição da história. Não desistir após resultados negativos.

Fonte: “O imperador de todos os males”, Siddhartha Mukherjee.

Link da Amazon: https://amzn.to/3i1WWSM

O time de 1 bilhão de euros e o funil estreito

Pep Guardiola é o técnico do Manchester City, time avaliado em 1 bilhão de euros. (Obs. 1 libra = 1,17 euros).

https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2021/08/17/city-lidera-lista-de-clubes-com-os-elencos-mais-valiosos-psg-e-o-3.htm

Já ouvi comentários do tipo: “com 1 bilhão de euros, até eu sou técnico”. Isso pode até ser verdade, um time desses joga praticamente sozinho. Porém, a pergunta de verdade a se fazer é exatamente a contrária.

Imagine o grupo de acionistas de um patrimônio tão enorme. A quem eles confiaram o comando do time? A um aventureiro qualquer? Ao Joel Santana? Ou ao Guardiola? Obviamente, o escolhido será quem já provou entregar resultados em alto nível.

É o mesmo para CEO de grandes empresas, posições importantes, etc…

Porém, isso cria um funil estreito: só tem a posição quem já entregou resultados, porém, para entregar resultados é preciso ter a posição.

Como o funil é estreito, salários e atenção da mídia tendem a focar nesses superstars, embora sempre haja uma equipe grande e talentosa “jogando sozinha”. Quanto mais estreito o funil, maior o destaque, é um efeito do tipo power law, o vencedor-leva-tudo.

É por isso que Guardiola é o técnico do time mais valioso do mundo, e não um aventureiro qualquer.

Veja também:

WD40 e persistência

O extremamente eficaz WD40, utilizado para lubrificar e desingripar peças, tem uma história interessante. A sigla de seu nome significa “water displacement 40”, onde o número indica a quadragésima tentativa de criar algo útil.

Ou seja, foram 39 tentativas fracassadas… porém, a que deu certo, continua com a mesma fórmula (secreta) até hoje.

Não desista na primeira tentativa, nem na segunda. Às vezes, são necessárias mais de 40.

Gancho: Todas as vezes que você utilizar o WD-40, lembre-se da história acima.

Veja também: