Os 5 desafios das equipes – Resumo

“A maior vantagem competitiva é o trabalho em equipe” – Patrick Lencioni.

Os 5 desafios das equipes é um livro curto, escrito em linguagem simples, que fornece um modelo para a montagem de um time de alto desempenho.

Escrito na forma de uma fábula corporativa. Um time altamente qualificado tecnicamente e bem intencionado de forma individual, mas que não consegue funcionar como um time. A nova CEO assume a empresa, e passa a trabalhar os pontos de melhoria para a equipe.

Quais são os 5 desafios?

1 – Confiança. Na base da pirâmide, confiança mútua entre membros da equipe. Ninguém quer abrir seus erros e fraquezas aos outros, de forma que não existe base de confiança.

2 – Medo de conflitos positivos. Sem o item anterior, confiança mútua, não há conflitos positivos. Evitar conflitos abertos vai fazer com que problemas sejam ignorados ou empurrados com a barriga, e que surjam comentários pelas costas.

3 – Falta de comprometimento. Pelos membros não discutirem, não se sentirão ouvidos, e daí também não haverá real comprometimento, já que eles não concordam/ não se sentem envolvidos.

4 – Evitar responsabilizar os outros. Por não haver os itens acima, mesmo os membros mais comprometidos evitam chamar a atenção de colegas em relação à atitudes contraproducentes.

5 – Falta de atenção aos resultados. Não cumprir os itens acima torna propício um ambiente em que o funcionário coloca desejos pessoais (ego, posição, destaque dentro e fora da empresa) acima das necessidades da equipe e do time.

É interessante colocar na abordagem positiva, como uma boa equipe deve ser:
1 – Eles confiam um nos outros
2 – Eles se envolvem em conflitos saudáveis
3 – Eles se comprometem com decisões e planos de ação
4 – Eles chamam a atenção dos colegas quando esses agem contra os planos estabelecidos
5 – Eles têm como foco objetivos coletivos

Na prática, como um líder pode agir?

Sugestões de exercícios para acabar com as disfunções expostas.

1 – Confiança:

  • Exercício de histórias pessoais: número de irmãos, cidade natal, desafios da infância, hobby, primeiro emprego e pior emprego
  • Limites. Tive um gestor que sempre perguntava quais os limites de cada um. Sem saber quais são os limites, fica difícil respeitar
  • Perfis de personalidade, como o teste Myers-Briggs
  • Programa de feedback 360

2 – Conflitos:

  • Mineradores de conflito. Alguém que tenha coragem e capacidade para tocar em temas sensíveis e trabalhar com o time
  • Permissão em tempo real. Lembrar aos participantes que é importante não se retirar de um debate saudável

3 – Comprometimento:

  • Mensagem em massa. Rever as decisões do grupo e decidir em conjunto o que deve ser comunicado ao resto do time
  • Estabelecer prazos e responsáveis para as ações

4 – Chamar a atenção dos outros:

  • Publicar objetivos e padrões
  • Revisão de progresso
  • Princípios: gosto da ideia de ter Princípios claros, algo como Ray Dalio faz

5 – Resultados:

  • Declaração pública de resultados desejados
  • Recompensas com base em resultados

Na fábula do livro, alguns dos funcionários que não se encaixavam saíram ou foram demitidos, outros encontraram o equílibrio em posição que melhor desempenhavam, até que, finalmente, a empresa conseguiu gerar os resultados esperados.

“Se você conseguir colocar todos os funcionários de uma empresa remando na mesma direção, poderá dominar qualquer indústria, em qualquer mercado, em qualquer época”.

Agradeço ao amigo Guilherme Lessio pelo livro.

Link da Amazon: https://amzn.to/3cWc4lt

Veja também:

Produtividade em áudio

Como ler uma centena de livros e artigos por ano? Um método que faço, e sempre recomendo, é utilizando audiolivros. Ou podcasts, ou resumos, ou Ted Talks, há inúmeras opções disponíveis nos dias de hoje.

Algumas dicas / recomendações:

Algo que gosto de fazer é andar pelas ruas da cidade, ouvindo audiolivros. Isso porque alia duas coisas que gosto de fazer: andar em ritmo moderado e ler livros. Andar muito rápido ou correr é ruim nesse sentido, porque o foco passa a ser a parte física, e atrapalha a concentração no conteúdo.

Um bom serviço de audiolivros é o Audible, da Amazon, em inglês, mas há outras boas fontes também.
Link do app: https://amzn.to/3cMOHe6

Qual a velocidade ideal de reprodução? A resposta é que depende da velocidade que nossa mente está girando também. Se estou a mil por hora, dá para aumentar para 2x ou mais. Se é um assunto mais complicado, ou se já estou cansando, melhor diminuir a velocidade de reprodução. Não adianta se enganar, passando o conteúdo rápido demais sem aproveitar nada.

Temas muito complexos, com argumentos longos (digamos, a República de Platão), não ficam bons em áudio. Ou temas que envolvem fórmulas, como matemática e física. Nesses casos, é melhor pegar o livro mesmo, ou o livro + o áudio para dar cadência.

Outros serviços interessantes:

  • Resumo de livros: Blinklist, 12 Minutes, Instalivros e outras. Tem um link abaixo explicando este tema.
  • Plataformas de ensino, como Alura, EDX, Coursera, há várias opções que também contam com aplicativos de celular. Há conteúdos grátis, mas a grande maioria é paga.

A grande maioria dos serviços é em inglês. Ao invés de procurar conteúdo em português, eu acho muito mais válido aprender inglês. Isso é como um passe que desbloqueia o resto do mundo para nós.

É interessante às vezes utilizar recursos como text-to-speech e speech-to-text. É possível ouvir trechos em texto, e também ditar para o computador escrever, como se fosse uma secretária dos tempos antigos.

Por fim, uma última recomendação. Para realmente entender o conteúdo, nada melhor do que ir anotando os pontos principais, fazer um resumo e publicar o mesmo em um blog ou ensinar a alguém, além de testar essas ideias na prática. É o que faço, e muito do que há neste espaço é fruto desta técnica.

Veja também:

Um pouquinho melhor todos os dias

Visualização da semana.

Um pouquinho melhor todos os dias x um pouquinho pior todos os dias.

Para quem quiser baixar o arquivo ppt com a visualização:

Um pouquinho melhor.pptx

Veja também:

Competência x Persuasão

Numa grande empresa, é difícil avaliar diretamente a competência dos colaboradores, porque normalmente há muitos degraus de comando.

A capacidade de persuadir torna-se importante para transmitir ideias e fazer trabalhos acontecerem.

Quando a pessoa tem alta capacidade de persuasão e alta competência, é o melhor cenário possível – manter essas estrelas em ascenção.

Quando a pessoa tem baixa capacidade de persuasão e alta competência, tipo um técnico muito bom que baixa a cabeça e entrega muito, deve-se cuidar dessas pessoas. Elas não vão reclamar, até o dia em que simplesmente sairão e deixarão um vácuo difícil de ser preenchido.

Quando a pessoa tem alta persuasão e baixa competência, é o caso mais difícil de identificar. Exemplo são pessoas políticas, que sabem falar exatamente o que a chefia quer ouvir. Se essas forem competentes ou se cercarem de outras que são, ótimo, senão, cuidado, elas podem causar estragos.

Quando a pessoa tem baixa persuasão e baixa competência, é relativamente fácil de identificar.

Segue a figura dos quadrantes Competência x Persuasão.

Veja também:

Faça menos, viva mais

Diagnosticado com uma doença crônica, agora ele só conseguia ser produtivo 1 hora por dia. Como ser o máximo efetivo possível, em tão pouco tempo?

Less doing, more living, do autor Ari Meisel

As dicas se tornaram livro, palestras, e assim ele vem ajudando as pessoas a salvarem tempo.

Direto para algumas boas dicas:

  1. Otimizar
  2. Automatizar
  3. Terceirizar

Registrar: Registre o que você faz. Lei de Pareto. Foque nos 20% relevantes. Registrar a sua vida vai ajudar a otimizar depois.


Algumas dicas para rastrear. Há aplicativos como o Rescue Time, que ajudam a rastrear o uso da vida online.

Para saúde, o velho e bom bloco de notas. (Dica minha, Arnaldo: uma planilha Excel 365 em cloud). Anote o peso, o número de passos por dia (smartwatches ajudam), pressão arterial.

Depois, otimizar. Exemplo é a Ikea, onde cada manual é totalmente otimizado.

Cérebro externo, como One Note, Evernote (Dica Arnaldo: como sou muito desorganizado, tenho este blog como um grande bloco de notas).

Qual o melhor horário de trabalho? No que você é melhor? Quais os gargalos? Uma excelente ideia é ter rotinas, como responder e-mails somente na segunda metade da hora, ao invés de ficar respondendo toda hora.

Quanto a finanças, também tenha rastreado e em ordem. Há ferramentas como o True Bill e Bill Shark, que ajuda a fazer esse tracking.

Terceirizar trabalhos, desde pequenos até maiores. Exemplo do autor. Ele teve a ideia de criar um suporte personalizado para o Macintosh. Pagou um designer para projetar a peça, e pagou uma empresa para imprimir. Além de ter o produto final, ele usou a internet para vender a peça, tendo um modesto lucro no final.

Mensagem final do livro: Não se esqueça, o aplicativo final é a sua saúde.


Um “segredo”: nunca comprei este livro. Este é um resumo de um resumo. “Less doing, more living” é o livro grátis do dia de hoje, do Blinklist, serviço de audiolivros.

https://www.blinkist.com/

Link do livro na Amazon: https://amzn.to/3AzrEta

Veja também:

4 dicas de produtividade

Seguem algumas técnicas que utilizo. Longe de serem as únicas, mas funcionam, pelo menos para mim.

1. Energia

Uma estratégia de produtividade que uso: fazer a tarefa mais difícil, que exige maior criatividade, no momento em que tenho mais energia (das 5 às 7 da manhã). Cada um tem o sua período mais produtivo. Para alguns é mais à noite, outros, de manhã.

O resto do dia, sob reuniões, distrações diversas, utilizo para as tarefas mais burocráticas ou trabalhosas, menos criativas.

É impressionante como essas duas horas produzem mais do que o resto do dia inteiro.

2. Andar

Uma das maiores fontes de criatividade é andar.

Diversos pensadores gostavam de andar e ter ideias no processo. Albert Einstein era famoso por caminhar com Kurt Godel e discutir física. Steve Jobs fazia inúmeras “reuniões andantes”. Friedrich Nietzsche teve algumas de suas maiores inspirações (como o “Eterno Retorno”) enquanto caminhava.

Somente o ser humano anda habitualmente em duas pernas. Parece tão simples, mas o ato de andar envolve uma capacidade mental enorme: balanço, orientação, centro de gravidade… Estima-se que seja necessário fazer um bilhão de cálculos para andar. Vide https://antoniamalchik.medium.com/walking-is-central-to-human-evolution-but-nobody-knows-why-aa2577b937be.

Aliado a isso, tem um caderno de notas para escrever. Thomas Edison tinha centenas de cadernos de notas. De centenas de notas, algum coisa útil vai sair. Este post é resultado de notas antigas compiladas, por exemplo.

3. Audiobooks

Eu gosto bastante de áudio-livros. Ou andando, ou no transporte, pode ser uma alternativa muito boa, e hoje em dia, é muito fácil encontrar títulos (ex. Audible) e também tocar (qualquer celular + fone).

Outra alternativa é a de resumo de livros. Notavelmente três: Blinklist, 12 min e Instalivros. Todos eles liberam um resumo grátis por dia. Resumos têm o seu limite. Um livro profundo e complexo dificilmente será bem resumido. Mesmo assim, é uma ferramenta boa, para entender um pouco mais de algum tema e para relembrar pontos principais.

Podcasts hoje em dia substituem livros. O TED talks daily tem temas diversos. Há também conteúdo de nicho específico – gosto do Lex Fridman, que fala de tecnologias. Não ouço tanto podcasts, porque prefiro as alternativas acima.

É possível mudar a velocidade de reprodução. Qual a ideal? 2x? 1,5x?

Para mim, tem que ser compatível com a velocidade que a cabeça está girando. Se estou a mil por hora, cheio de energia, dá para colocar em 2x, concentrar e aproveitar o conteúdo. Se a cabeça está devagar, também a reprodução tem que ser mais lenta. Caso contrário, não adianta se enganar, achando que está aproveitando o conteúdo.

4. Google Alerts

Uso o Google Alerts (https://www.google.com/alerts) para cadastrar palavras-chave de temas específicos e receber e-mails diários.

Exemplo: Gosto de acompanhar o que a empresa DeepMind faz, então tem um alerta específico para ela.

Dá para especificar a língua desejada, região, frequência de e-mails (semanal, diário).

Ficam as dicas.

Estudar, Ensinar, Alavancagem e Cavalos para montar

Estudar


O meu método, para aprender sobre um assunto qualquer.

  • Estudar muito
  • Ensinar muito
  • Praticar

O “Estudar muito” é autoexplicativo.

O “Ensinar muito” pode ser ensinando do jeito tradicional mesmo, e também pode ser criando um blog para postar sobre o tema estudado. Este blog (e outros como o do Excel e de Q comp) são a aplicação disso.

O segredo é que não tem segredo. É necessário muito tempo, enorme dedicação, esforço.

Alavancagem

Você pode ser o melhor vendedor do mundo, mas tem só 24h por dia.

Uma equipe de 5 vendedores, onde cada um faz metade do que você faz individualmente, vai performar mais no total.

Isso é alavancagem.

Parceria

Você não tem que saber tudo. Vale muito mais saber profundamente um tema e fazer parcerias com quem sabe outros. É aquele velho ditado:

“Sozinho, vou mais rápido, acompanhado, chego mais longe”.

Um cavalo para montar

Um dos livros mais interessantes da década de 90 é o “Horse sense”, dos grandes autores Al Ries e Jack Trout – também muito famosos há 30 anos.

Basicamente, a mensagem é “Encontre o cavalo certo para montar”. É possível interpretar o cavalo como uma oportunidade, uma grande empresa, um grande projeto.

Por outro lado, os cavalos precisam de um bom jóquei para os guiar, assim como as oportunidades, as empresas e os grandes projetos necessitam de excelentes colaboradores para chegar aos seus objetivos.

Outro livro fantástico dessa dupla de autores é o “Marketing de guerra”, imperdível. Tem também o “Posicionamento”, tema recorrente deste espaço.

Infelizmente, são livros antigos e pode ser difícil encontrá-los. Mas seguem alguns links da Amazon.

Marketing de Guerra
https://amzn.to/3yxwrLE

Parabéns, Excel!

O MS Excel completou 35 anos no dia 30/09.

É o software de produtividade onipresente do mundo. Desde o estagiário no primeiro dia, até os diretores, todos usam o Excel de alguma forma.

Nas imagens: o Excel 1.5, o Visicalc (a primeira planilha eletrônica do mundo) e o titã Atlas segurando o mundo nas costas.

Semanalmente, eu posto dicas, problemas e alguns desafios relativos a Excel e VBA, no site a seguir.

https://ferramentasexcelvba.wordpress.com/

Fica a dica!

Eliminar o desnecessário, mesmo que seja a própria posição

Um colega meu foi contratado para uma posição de planejamento operacional. Após seis meses, a sua conclusão era de que a própria cadeira era dispensável! Uma parte do trabalho poderia ser feita pelo horizonte de planejamento superior, outra parte poderia ser automatizada.

A sua função poderia ser eliminada. E ele, faria o que?

Ora, alguém com visão e iniciativa de se autogerir a esse ponto tem uma valor inestimável em qualquer organização! Ele rapidamente começou a tocar outros projetos.

O trabalho agrega valor? Pode ser automatizado? Pode ser terceirizado para alguém que faz melhor e mais barato? É mesmo necessário?

Como diz uma frase antiga, uma máquina pode fazer o trabalho de 50 pessoas comuns. Máquina alguma pode fazer o trabalho de uma pessoa incomum.

Veja também: https://ideiasesquecidas.com/2015/05/30/muri-mura-muda/

Dica de inovação: eliminar a parte chata

Aqueles um pouquinho mais velhos lembram-se da Blockbuster.

Era uma experiência boa pegar o carro e ir à loja, sempre bonita, com a namorada, escolher um filme para o fim de semana. Tinha até pipoca para microondas e doces, como uma sala de cinema.

A parte ruim era devolver o DVD no dia seguinte. Desviar o rumo do trabalho ou da escola, perder meia hora de um dia cheio só para entregar o filme de volta…

Assistir o DVD é legal, devolver o DVD é chato.

Tem uma empresa americana que atacou a parte chata do problema. Que tal só devolver quando fosse pegar outro? E se a cobrança fosse por mensalidade?

A empresa é a Netflix, a mesma que hoje é onipresente. Ela demorou muitos anos para dar certo, porém, a mentalidade inovadora existia desde o começo.

Fazer compras é legal. Ficar numa fila enorme, para pagar, é chato. Que tal acabar com as filas? A Apple Store não tem fila. Qualquer atendente pode finalizar a compra.

Ficar entrando em diversos sites de companhias aéreas e hotéis para combinar opções de voos, horários e tarifas é chato. Os sites do tipo Decolar.com, que aglomeram informações, atacam este problema.

No cotidiano: Tarefas repetitivas são chatas. Hoje em dia, há softwares de automação de processos (RPA) que podem fazer a mesma tarefa em segundos.

Tarefas burocráticas são chatas. Que tal perguntar se são mesmo necessárias, ou sugerir mudança de procedimento?

Reuniões são chatas. Todas elas realmente precisam da sua presença?

Receber um e-mail com textão mal escrito é chato. Que tal caprichar na comunicação?

Todas as vezes que você se deparar com algo chato, lembre-se: eis uma grande oportunidade!

Um poeminha para fechar: Opportunity, de Berton Braley
https://www.poemhunter.com/poem/opportunity-43/

Sobre a história da Netflix:

https://www.bbc.com/portuguese/geral-38348864

O método Pomodoro

Uma dica para a quarentena: o método Pomodoro.

Nesta quarentena forçada, um dos maiores desafios é manter o foco em meio a inúmeras distrações (filhos, snacks, Twitter, e-mail, etc).

O método Pomodoro é muito simples. É inspirado num timer de cozinha, daqueles que podem vir na forma de um tomate.

Coloque o timer num tempo razoável (digamos, 25 minutos), e defina a tarefa a ser realizada neste tempo – um trabalho grande deve ser dividido em pedaços exequíveis no intervalo.

Acione o timer e foque em realizar a tarefa proposta. É proibido fazer outra coisa nos 25 minutos.

Quanto o timer zerar, faça um intervalo.

Para quem não tem um timer, há apps e cronômetro do celular.

Fiz um timer simples em Excel, se alguém preferir esta opção. Link para download: Timer.xlsb

Links: