Peter Drucker em 40 frases

Peter F. Drucker nasceu na Áustria, em 1909. É considerado o fundador da Administração moderno. Em 95 anos de vida, escreveu mais de 30 livros e dezenas de artigos de profunda sabedoria.

peter-drucker_32606.jpg

Apresento aqui algumas de suas ideias, em mais ou menos 40 frases.

 


Planejamento

Planejamento de longo prazo não tem relação com decisões futuras, mas com o futuro das decisões presentes.

O melhor jeito de prever o futuro é criando-o.

A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será muito diferente do que imaginamos.

6d6fbf274e4c8b96ce0e66d924efb55b.jpg


Sobre reuniões

Ou você trabalha ou você se reúne. Não é possível fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

Reuniões demais são sintomas de uma má administração.


 

Eficácia

Não há nada mais inútil do que fazer com grande eficiência algo que não deveria ser feito.

Ser eficaz é mais importante do que ser eficiente. Fazer a coisa certa é mais importante do que fazer certo alguma coisa.

PeterDrucker002_jpg.jpg


Inovação
Se você quer algo novo, tem que parar de fazer o velho.

Inovação é o instrumento específico do empreendedor. É o ato de dotar recursos com nova capacidade para criar riqueza.

O que é possível de ser medido é possível de ser melhorado.

Pratique o abandonamento sistemático. As coisas ficam obsoletas. Se for para serem superadas, que sejam por você mesmo.

Peter-Drucker.jpg


 

Conhecimento

O conhecimento deve ser aperfeiçoado, desafiado e aumentado continuamente, ou desaparece.

O computador é um imbecil.

O mais importante na comunicação é ouvir o que não foi dito.

Quando um assunto se torna completamente obsoleto, ele vira matéria obrigatória na faculdade.

O conhecimento e a informação são os recursos estratégicos para o desenvolvimento de qualquer país. Os portadores destes recursos são as pessoas.

Prepare-se para passar a vida toda estudando.

Opiniões contrárias dão alternativas, estimulam a imaginação e ajudam a desafiar ideias pré concebidas. Encoraje opiniões contrárias.

Peter-Drucker2.jpg


Pontos fortes e fracos

Resultados são obtidos explorando oportunidades, e não resolvendo problemas.

É muito mais fácil ir de uma performance de primeira classe para uma de excelência do que sair da incompetência para o mediocridade.

Conheça os seus pontos fortes. Aplique-o em áreas onde você possa contribuir. Assegure que os valores da empresa sejam compatíveis com os seus.

O sucesso vem para aqueles que conhecem a si mesmo. Trabalhadores do conhecimento devem ser os seus próprios CEOs.

7174qDTeqQL.jpg


 

Administração

Muito do que chamamos de gerenciamento consiste em dificultar o trabalho das pessoas.

Executivos devem à organização e aos colegas não tolerar indivíduos que não performam em trabalhos importantes.

Nenhuma instituição sobrevive se precisa de gênios ou de super-homens para administrá-la. Ela deve ser organizada de forma que possa ser gerenciada por seres humanos médios.

Gerenciamento é substituir músculos por cérebro, folclore por conhecimento, e força por cooperação.
O propósito de uma empresa é de criar um cliente.


 

Coragem

Para todo empreendimento de sucesso, alguém, algum dia, teve que ter um ato de coragem.

Pessoas que não assumem riscos em geral cometem dois grandes erros por ano. Pessoas que assumem riscos geralmente cometem dois grandes erros por ano.

Existe o risco que você não pode correr, e o risco que você não pode deixar de correr.

 

peterdrucker004_jpg.jpg

 


 

Ação
Planos são apenas boas intenções a menos que sejam imediatamente postos em prática.

Ideias não movem montanhas. São as escavadeiras que o fazem. Ideias devem ser executadas para surtirem efeito.


 

Tempo
O tempo é o recurso mais escasso do ser humano e a menos que seja gerenciado, nada mais pode ser gerenciado.

Conheça o seu tempo.


 

what-are-the-functions-of-management.jpg

 


 

Liderança

Administração é fazer certo as coisas. Liderança é fazer as coisas certas.

Liderança efetiva não é fazer discursos ou ser querido, liderança é definida por resultados e não por atributos.

Muitas discussões sobre a tomada de decisão assumem que apenas executivos sêniores tomam decisões. Este é um erro perigoso.

Posição não confere privilégios ou poderes. Posição impõe responsabilidade.

A produtividade do trabalho não é responsabilidade do trabalhador, mas do administrador.

articles-2009-11-Drucker-class-pan_1013.jpg


Perguntas

O que deve ser feito?
Qual é o correto?
Como posso contribuir?


 

É óbvio

Dizem que muito do que falo é óbvio. Mas se é tão óbvio, por que ninguém disse isso antes? E por que ninguém pratica?

 


Segunda-feira

O que você vai fazer de diferente na segunda-feira, após ler este texto?

Como tornar uma aula mais produtiva

gtg_icon

 

Uma aula, livro ou curso pode ter um bom conteúdo e boas ideias. Mas a coisa mais comum do mundo é esta boa ideia se perder logo após o final da aula ou do livro.
 

Uma dica para evitar isto: separe uma folha de papel e escreva nela uma lista de tarefas.
Vá colocando nesta todas as ações que você quer aplicar. E, no dia seguinte, cumpra a lista de tarefas.
 

Sempre é preciso um esforço consciente para aprender algo novo ou mudar um hábito velho. Depois de aplicar a ideia muitas e muitas vezes, esta se torna o novo hábito, e não precisa mais ficar relembrando. Se não transformar a ideia em ação, hoje, agora, esta vai ficar para sempre como apenas uma boa ideia.


 
Exercício: Anote numa folha de papel dois hábitos simples que você queira melhorar, como dizer um “Bom dia” verdadeiro ou ignorar o celular quando conversando cara a cara com alguém. Comece a praticar imediatamente.

 

E-readers e a importância de um Steve Jobs

 

kobo-aura-hd-glo-mini

 


Ganho de produtividade

Comprei um e-reader novo, o Kobo Aura HD.
 

Sou completamente fissurado em livros, artigos e ideias, das quais me baseio na minha vida profissional.

 

Antes dos e-readers, eu tinha que adquirir livros em papel, ou imprimir (dá ler na tela de computador um livro de 10 páginas, mas não um de 500 páginas). Livros são caros, pesados, e limitados à oferta das livrarias locais – ou a importar um livro e ficar 3 meses esperando. Dava para ler no máximo uns 20 livros por ano.

 

Tenho um Kindle DX desde 2009. O Kindle permitiu que eu tivesse acesso on-line à uma quantidade quase ilimitada de livros. Um título como “Computational Complexity” poderia ser comprado e baixado pela internet. Com o Kindle, consegui dar um salto de produtividade para uns 50 livros por ano.

 
Mas o Kindle DX tem limites tecnológicos. Para arquivos pdf, cada página demora muito para carregar (uns 20 s). Parece pouco, mas isto inviabiliza uma leitura dinâmica. Além disso, o recurso de zoom era tosco – dava tanto trabalho e tanto tempo dar zoom que simplesmente não conseguia ler muitos arquivos. A formatação de páginas salvas pela internet também ficava pouco legível, e o zoom não ajudava.

 
Hoje, em 2015, o Kobo HD é supostamente o melhor e-reader do mundo. É mais rápido que o e-reader antigo, mas mesmo assim demora uns 7 segundos para carregar (ou mais se o arquivo for pesado). Ele tem um recurso de zoom excelente – o que permite que eu leia artigos científicos. E tem recursos espertos, como o Pocket, que permite que eu marque uma página da internet (no computador, ipad, qualquer browser) e esta é automaticamente baixada no e-reader. Com tudo isto, é possível ler por volta de 80 livros e uns 200 artigos por ano, algo completamente impossível na era do papel impresso.

 


 

Sinto falta de Steve Jobs
 
O Kobo Aura HD tem uma peculiaridade que lembra Steve Jobs: tem só um botão, o de ligar. Toda a navegação é por touch screen. E este é o principal defeito dele.
 
Certamente o design bonito e os inúmeros truques de navegação do iPhone inspiraram o Kobo HD. Mas pegar um conceito de uma área e colocar em outra pode não ser a melhor solução.
 
No caso de e-readers, o touch screen não funciona bem, porque há um delay (de 5 a 10 segundos). Imagine um tablet onde a cada toque, ele trave por 5 segundos.
 
Na leitura de arquivos baseados em texto (epub, txt, mobi), a solução cheia de botões do antigo Kindle DX é muito mais eficiente do que o touch screen do Kobo – porque neste caso, a leitura é sequencial, não tem fórmulas matemáticas, a formatação não importa muito.
 
Resolver um problema não é copiar e colar uma solução, é encontrar a solução que melhor se adeque às condições de contorno.
 
Fico imaginando como seria se a Apple de Steve Jobs lançasse um e-reader. A velocidade ainda é boa, então poderiam melhorar este aspecto. Se não fosse possível, então colocar botões a mais e funcionalidades que permitissem navegação rápida de conteúdo. Atalhos configuráveis para opções da tela. Também poderiam lançar uma mega loja de livros no itunes, com o dobro do tamanho da Amazon e metade do preço. Outra ideia seria a de universidades terem a sua própria página no itunes, onde poderiam disponibilizar apostilas dos cursos. Há infinitas possibilidades não exploradas.

 


Ganho de Produtividade e custo dos produtos
 
Paguei caro pelos e-readers que tenho – mais de R$ 1000 pelo DX que não existia no Brasil, e R$ 700 pelo Kobo. Além disso, tinha um Sony PRC (que era horrível) e um Kindle 3 (modelo barato e pior).
 
Eu pagaria o triplo por um e-reader muito melhor, um e-reader nível Apple que ajudasse a dar um salto de produtividade maior ainda.
 
Acredito fortemente que o recurso escasso do ser humano é o Tempo, e não o dinheiro. Se eu puder usar o dinheiro para aumentar exponencialmente a minha produtividade, não vou poupar esforços para isto.
 
Sinto falta de um Steve Jobs, para iluminar o caminho dos e-readers. O resto da história se repetiria: alguns anos depois do sucesso do iReader, os concorrentes começariam a copiar as funcionalidades, lançando aparelhos genéricos, mais baratos e de arquitetura livre. Depois de mais alguns anos (e nadando a favor da lei de Moore), esses concorrentes conseguem chegar no nível da Apple, que passa a ficar cara, o que a obriga a se reinventar. Mas a contribuição de um Steve Jobs adiantaria em 10 anos a evolução dos readers eletrônicos, e triplicaria a minha produtividade na área.

 

Arnaldo Gunzi.

Março/2015

 

Pouco tempo? A solução é ter menos tempo ainda

Hourglass depicting what time really means.

Uma das maiores reclamações de todo mundo é a falta de tempo. Faltou tempo para terminar o trabalho, falta tempo para estudar, etc.

Mas o tempo nunca vai ser suficiente. Se o ser humano tiver 10 horas, vai usar as 10 horas. Se tiver 1000 horas, vai usar as 1000 horas. Se tiver a vida toda para fazer, nunca vai fazer. Esta regra é chamada de “Lei de Parkinson”

Ao invés de reclamar e pedir mais tempo, dinheiro ou recursos, que tal fazer exatamente o oposto? Que tal restringir ainda mais os recursos e, com isso, procurar soluções criativas?

Alguns exemplos: uma força tarefa de uma hora para resolver o problema. Um mini projeto de uma semana com orçamento zero. Um protótipo funcional no final do dia. É a lei de Parkinson ao contrário. Por mais contraditório que possa parecer, problemas que não podem ser resolvidos em um ano podem ter a solução em uma hora.

Na matemática, é muito comum restringir problemas. Digamos que eles queiram provar alguma propriedade sobre os números primos, mas não conseguem. Mas se restringirem o problema somente aos primos da forma 4k+1, às vezes eles conseguem tirar conclusões. Sair do lugar. E depois, resolver o problema principal.

Na TV e jornais, é comum assistir a algum burocrata do governo dizer que vai “aumentar as verbas da educação”, ou “aumentar o número de viaturas da polícia”. Ou reclamar de cortes no orçamento. Mas, se eles quiserem mesmo resolver alguma coisa, a solução é dar algo, mas restringir por outro lado. Dar mais dinheiro no orçamento, mas com menos prazo e escopo mais definido. Criar projetos com muitos recursos, mas em pouco tempo. Tirar recursos que estão a mais e obrigar a focar somente no que é estritamente necessário, e assim por diante.

Ter recursos e tempo infinitos não é o ideal. O ideal é ter a quantidade necessária de recursos e tempo, não mais do que isto.

Arnaldo Gunzi

02/2015.

Produtividade em áudio

O tempo é o recurso mais escasso de qualquer ser humano, e deve ser bem aproveitado.
Muita gente diz que não consegue ler livros, não tem tempo, etc. Por outro lado, a quantidade de tempo que se perde no trânsito é cada vez maior. Ouvir rádio pode ser bom para notícias, mas pelo menos 50% do tempo de rádio é de propaganda e conteúdo inútil.
E se fosse possível ler um livro no trânsito? Ou ler um livro caminhando? Na academia?
Na verdade, é possível sim ler caminhando ou no trânsito. Audio books são livros lidos em voz alta. Estes podem ser em mp3 ou em outros formatos compatíveis com um ipod, celular, qualquer outro player.
Serviços como o Audible.com são pagos e de excelente qualidade. Alguns livros custam 10 dólares. Cursos do grupo The teaching company saem por 30 dólares e são de uma qualidade extraordinária.
Existe uma alternativa gratuita, o Librivox. São voluntários que lêem o livro e disponilizam o áudio para download. Infelizmente, nem sempre a qualidade do áudio é boa. Outra alternativa (ilegal) é procurar em torrents.
Além de livros, podcasts são uma fonte útil de informações. ITunes U, também podem ser baixados.
É lógico que para isto tudo funcionar, é necessário ter Internet com um mínimo de qualidade e um smartphone ou algo como um iPod. E também saber inglês. Isto tudo é pré requisito.
Imagine quantos assuntos são possíveis de aprender, 40 min por dia, durante um ano?
Quem tiver outras dicas de produtividade, favor comentar.
graphi-audiobooks
Arnaldo Gunzi
Dez/2014