Lavar as mãos e quebra de paradigma

É impressionante o poder de lavar as mãos. Tão simples, tão eficaz.

Nem sempre foi assim. O médico que propôs isso morreu desacreditado num hospício…

Na década de 1840, Ignaz Semmelweis notou que a taxa de mortalidade de mães que eram tratadas por médicos era maior do que as por parteiras.

Os hospitais eram sujos. Segundo relatos, havia uma mesa de madeira manchada com traços dos corpos que haviam passado por ali, enquanto o chão estava coberto de serragem para absorver o sangue que escorria.

Semmelweis estudou cuidadosamente a diferença entre os médicos e parteiras, e propôs que os médicos lavassem as mãos antes de qualquer procedimento cirúrgico.

Todos os hospitais que adotaram a prática de lavar as mãos conseguiram diminuir significativamente o número de mortes por infecção, mas, mesmo assim, a teoria não foi unânime.

Semmelweis foi bastante desacreditado pelos colegas. Sua teoria não “pegou” no mainstream médico.

Hoje, sabemos que existem microorganismos que causam infecções. Na época, não havia uma teoria clara.

Somente após a teoria corpuscular de Loius Pasteur, a comunidade médica foi convencida da importância de lavar as mãos.

https://www.bbc.com/portuguese/geral-49817726

Xiaomi – a Apple chinesa

Uma fila imensa, dobrando o quarteirão, aguardando o lançamento de um produto de alta qualidade. Um público fiel, amante de tecnologia. Um produto com bela interface e ótimo desempenho.

Estamos falando da Apple?

Poderia ser, mas, no caso, é a Xiaomi, fabricante chinesa de celulares e outros produtos de tecnologia.

Talvez ela seja mais parecida com a Sony. Nos anos 60, o Japão era considerado um mero copiador barato dos originais americanos. A empresa de Akio Morita foi uma das primeiras a querer mudar isto, e o seu produto mais notável foi o walkman – na qual eles usaram o recém-criado transístor numa aplicação que nem os seus inventores tinham sonhado em fazer.

A Xiaomi também se espelha na Amazon. Pontos: enorme eficiência em custos e foco no cliente, para fornecer produtos a preços competitivos e com qualidade.

A Xiaomi foi fundada em 2010, por um grupo de pessoas que já tinha grande experiência na indústria de eletrônicos. Ela começou como uma empresa de software, apenas criando versões personalizadas e melhoradas do Android. Uma característica forte da empresa sempre foi interagir e ouvir muito o cliente, em especial os early adopters viciados no produto.

Logo, eles passaram a concorrer também no difícil mercado de hardware, contra dezenas de outros fabricantes.

Uma característica é que a Xiaomi não tem um produto altamente inovador, que muda o mercado em pouco tempo. Ela tem uma evolução contínua forte, que leva a um produto final de alta performance, user-friendly e com custo competitivo, passo-a-passo, gradualmente.

A loja da Xiaomi, no Shopping Ibirapuera em SP, tem de tudo: luzes inteligente, abajures, sensores de abertura de portas e janelas, speakers bluetooth, mochilas, squeeze de água, escova de dentes elétrica, guarda-chuva, patinete elétrico e até pote dobrável de água para cachorro!

Balança de bioimpedância da Xiaomi: mede peso e estima gordura visceral e idade óssea.

Quem compraria um guarda-chuva só porque é da Xiaomi? Os fãs da marca!

Ouvi um deles dizendo, espontaneamente: “a Xiaomi só faz coisa boa”.

A contar por essa paixão dos fãs, a Xiaomi tem tudo para ser a Apple da China.

Nota: Eu comprei um cubo mágico Xiaomi. Esta tem um clique viciante ao girar. É quase terapêutico. Nunca pensei que alguém fosse inovar num cubo mágico!

Links:

Sobre a Sony: https://ideiasesquecidas.com/2017/03/18/muro-de-tijolos-x-muro-de-pedras/

https://olhardigital.com.br/noticia/confira-os-produtos-mais-curiosos-a-venda-na-loja-da-xiaomi-no-brasil-atualizado/86419

Recomendação: AI Superpowers

Uma recomendação de leitura é o livro “AI Superpowers”, de Kai Fu Lee. É um livro que fala de tecnologia e negócios, como muitos outros, porém, este é diferente. Primeiro, pela perspectiva. Kai é taiwanês e trabalhou muitos anos com inteligência artificial, principalmente na China. E, segundo, porque ele enfatiza bastante o lado humano, além do tradicional AI-resolve-tudo.

A carreira de Kai-Fu começa como pesquisador, passa por responsável pela operação chinesa da Microsoft, até os dias atuais, em que é gestor de um fundo de tecnologia chinês.

Espírito empreendedor

Uma dificuldade das startups era fomentar o espírito empreendedor. Na China, desde tempos antigos o melhor trabalho era ser servidor público. Passar em algum concurso e viver para sempre sem grandes preocupações, num país onde a grande maioria veio de um passado muito sofrido.

Como convencer jovens chineses brilhantes a preferirem uma startup a um concurso público? Kai conta que visitou vários pais e mães, levou para jantares e demonstrações da empresa, a fim de explicar a lógica dos novos tempos. Era um trabalho ladeira acima.

A ascensão de Jack Ma e o AliBaba foram dois fatores que ajudaram, no quesito mudar a cabeça milenar das pessoas. Jack Ma é uma pessoa de origem humilde, sem formação, e com muito carisma. Mirando-se em Jack, muitos jovens viram que existia um caminho alternativo ao concurso público.

Ambiente regulatório

A China pode ser um ambiente ideal para o desenvolvimento de algumas novas tecnologias, como o carro autônomo. Este é um caso específico em que o ambiente regulatório conta muito. Nos EUA, por exemplo, podem surgir regulações impedindo carros autônomos. Ou, imagine a repercussão, no caso de acidente! Já na China, pela força maciça do Estado, os carros autônomos provavelmente teriam menos interferência.

Abordagem das empresas

Duas formas de uma startup abordar a AI. Uma, é tentar abordar o problema genericamente, sem se especializar em alguma área. Algo como um power grid, e tal qual a analogia, a empresa tem que ser grande e pesada para suportar uma abordagem dessas. A segunda é algo como carregar baterias. Seriam empresas para resolver um problema específico (digamos, reconhecimento de imagens no agronegócio), e seriam mais leves, por serem focadas.

IA geral e empregos

A inteligência artificial geral, aquela dos filmes de ficção onde os robôs tomam conta do mundo, está longe de se tornar realidade. Por enquanto, temos algumas aplicações específicas.

E, mesmo quando a AI geral começar a ficar mais próxima da realidade, o problema real não será o mundo ser destruído e a humanidade, escravizada. O problema real será a diminuição dos empregos.

Kai Fu cita outros autores, como o israelense Yuval Harari, que prediz o surgimento de uma nova classe social, a classe dos inúteis. Seriam aqueles que não têm a qualificação mínima para fazer algum trabalho de valor maior do que um algoritmo fará.

AI e o poder do amor

Kai Fu, neste ponto, cita que conheceu o poder do amor. Ele conta como dedicou o mínimo de tempo possível para a família, ao longo da carreira, a fim de otimizar o tempo para a busca de seu aperfeiçoamento profissional. Um exemplo: ele quase perdeu o nascimento da primeira filha, por conta de uma reunião importante!

Há alguns anos, Kai Fu foi diagnosticado com câncer. Isto mostrou a importância do ser humano, que o dinheiro e o sucesso não conseguem comprar.

Um exemplo, de algo que apenas o ser humano pode prover. Uma das empresas de Kai Fu lançou um aplicativo para idosos. Este tinha ícones grandes, interface simples, e permitia uma série de serviços a um clique: comprar insumos, encomendas de restaurantes, etc… Também tinha um service-desk, para falar com um atendente humano.

Qual foi o serviço mais acessado? O service-desk. Para uma boa parte dos atendimentos, os idosos nem tinham a necessidade de acessar algum serviço. Eles queriam apenas companhia, alguém com quem conversar. Esta é uma necessidade bastante grande entre os idosos, ainda mais nos tempos modernos.

Talvez a resposta para o desemprego estrutural crescente seja o amor. Recompensar interações sociais. Distribuir riqueza ao mesmo tempo em que se distribui atenção às pessoas necessitadas. Cuidar de quem precisa. Ter filhos.

Kai Fu Lee tem diversas publicações em chinês e é uma espécie de celebridade por ali. O livro AI Superpowers é a única obra em inglês, até o momento, e traz um background cultural oriental e reflexões bastante pertinente para os anos e décadas que viveremos.

Veja também:

Link da Amazon

https://ideiasesquecidas.com/2019/10/30/a-classe-dos-inuteis-veio-para-ficar/

https://ideiasesquecidas.com/2018/08/01/10-topicos-para-entender-a-china/

https://ideiasesquecidas.com/2019/07/27/recomendacoes-de-livros-sobre-a-cultura-e-historia-da-china/

Edital de inovação e coragem

No último edital de inovação industrial do Senai – Klabin, um grupo chamou a atenção.

Três pós-graduandos cruzaram o país (de ônibus), com a cara e a coragem, para participar da fase do pitch day.

Eles não tinham cases anteriores, não tinham equipamentos próprios e nem resultados concretos. Contudo, tinham um plano de trabalho que fazia muito sentido, know-how (pelo menos o teórico) e vontade de fazer acontecer.

Não cabe a mim dizer se eles vão para a próxima fase ou não, mas gostei da coragem, e fica o exemplo para todos nós.

Tecnologia é diferente de Inovação

É impressionante o número de pessoas que confundem tecnologia com inovação.

Os conceitos estão muito ligados, e a tecnologia pode ser um dos grandes impulsionadores da inovação.  Porém, não são iguais.

Um novo sistema não vai resolver nada, a menos que os processos estejam minimamente preparados, e as pessoas tenham a capacidade de aproveitar esta.

Já perdi a conta de casos em que um enorme sistema de informação prometia otimizar o processo inteiro e eliminar o tão difamado Excel da operação. Meses depois e após algumas centenas de milhares de reais, vemos os analistas utilizando o novo sistema, porém fazendo as contas por fora (no Excel, lógico), e imputando no sistema a resposta que eles queriam desde o início.

Em muitos casos o ideal é manter o Excel (ou um MVP de ferramenta), consertar o processo (com aporte de conhecimento, consultoria) e desenvolver (ou trocar) pessoas. Somente após um bom grau de maturidade, partir para mega soluções.

Bônus: um resumo das 7 fontes de Inovação de Peter Drucker. Note que tecnologia é o último item.

– Inesperado: resultados positivos ou negativos muito diferentes do esperados.
– Incongruências do produto ou serviço
– Mudanças no processo
– Mudanças na estrutura da indústria
– Demografia
– Novas percepções
– Novas tecnologias



Os 7 fatores de sucesso de uma startup

Peter Thiel é co-fundador do PayPal e um investidor de risco em diversas empresas. Ele foi um dos primeiros investidores do Facebook (tem até uma cena no filme “A rede social” que cita Thiel).

O livro “De zero a um” é baseado num curso que ele deu. Um dos alunos fez uma transcrição tão bem feita, que o pdf do curso acabou vazando para o mundo, e virou o livro.

O nome se deve ao fato que de 1 a N é apenas incrementalmente bom, mas de Zero a Um, é infinitamente melhor.

Na imagem a seguir, Thiel lista os 7 fatores de sucesso de uma startup. É difícil ter todos, se tiver uns 5 já é potencialmente muito boa.

Para fechar, uma citação que ficou famosa: “o próximo Bill Gates não criará um sistema operacional, o próximo Larry Page ou Sergey Brin não desenvolverá um mecanismo de busca e o próximo Mark Zuckerberg não criará uma rede social”.

Alguns links:

https://www.livrariacultura.com.br/p/livros/administracao/empreendedorismo/inovacao-empresarial/de-zero-a-um-42744219

Um pavão na terra de pinguins

Um pavão muito talentoso é convidado a trabalhar na terra dos pinguins. Estes dominavam o Mar das Organizações, são altos executivos, sempre no poder.

A empresa falava de meritocracia, diversidade e inovação, e isso empolgou o pavão.

No começo, foi tudo bem. Porém, ficou claro que o pavão era diferente.

Começaram a surgir críticas:

– Você fala alto demais, tente maneirar!

– Sua cauda aberta ocupa muito espaço, deixe fechada!

– Suas penas são muito coloridas, use este terno de pinguim!

Quanto ele deveria mudar para se adequar às normas sociais?

O pavão acabou demitido… mas ele, e outras tantas aves, encontraram o seu lugar na vasta Terra da Oportunidade, onde pelo menos eles poderiam ser eles mesmos.

Vi num sebo o livrinho “Um pavão na terra de pinguins”. Não tive dúvidas, afinal, este foi uma recomendação do prof. Carlos Viveiro.