Não recomendação: O PerfuraNeve

Não recomendação: a versão Graphic Novel do PerfuraNeve, que inspirou a série da Netflix “O Expresso do Amanhã”, ou Snowpiercer.

Mas por que alguém iria não recomendar? Bastaria ignorar. Ora, a internet já está cheia demais de haters, para falar que o trabalho de alguém não agradou.

É que, na verdade, é uma meia-recomendação…

Trailer do Snowpiercer, Netflix

A série “Expresso do Amanhã”, disponível na Netflix, mostra um futuro apocalíptico. O mundo inteiro congelou, e os últimos sobreviventes da face da Terra habitam um trem, o Snowpiercer, com os seus 1001 vagões. O Snowpiercer foi desenvolvido pelas indústrias Wilford, e tem uma premissa completamente furada do ponto de vista das leis da termodinâmica: ele tem que estar sempre em movimento, pois é desse movimento que ele gera energia (criaram o moto-contínuo???).

O trem percorre periodicamente o planeta Terra inteiro, uma vez que a máquina não pode parar e as indústrias Wilford fizeram trilhos pelo mundo todo, inclusive sobre os oceanos congelados!

Porém, dentro do Snowpiercer, há uma verdadeira luta de classes: a primeira classe, vivendo em alto luxo, a segunda e terceira classes, trabalhadores, e o fundão. Os habitantes dos fundos são clandestinos, que invadiram o trem no momento em que este estava partindo. São centenas de pessoas (400 segundo um dos capítulos), vivendo espremidos em alguns poucos vagões, e nas piores condições de vida possível.

E como esse pessoal conseguiria sobreviver num trem? A justificativa é que há vagões especializados em agricultura, outros com bovinos, aquário, vagões-escola, vagão-bar, mercado. A primeira classe tem vagões exclusivos, quase uma casa de verdade. A segunda classe tem um quarto, a terceira beliches, e o fundão é um amontoado de gente sobrevivendo como pode.

A série foca bastante nessa luta de classes, mostrando o fundão lutando contra a estrita ordem existente. Ordem mantida rigidamente pela poderosa chefe da hospitalidade, Melanie Cavill, interpretada pela Jennifer Connelly, possuidora de uma beleza rara.

Eu achei que a série tem muitos furos lógicos:

  • Um trem fechado, com 3000 pessoas há 7 anos, e eles agem como se fosse uma cidade grande, onde ninguém conhece ninguém
  • Eles usam água em abundância, e tem até um episódio que há um grande vazamento de água – não faz o menor sentido, num trem
  • Cenas com a primeira classe quebrando copos e pratos – ora, até parece que é um recurso abundante
  • Numa das revoltas do fundão, imprimiram folhetos coloridos para mobilizar o pessoal – poxa, imagino que papel e tinta sejam recursos escassos numa situação dessas
  • E assim sucessivamente, é como se realmente fosse uma cidade grande com recursos infinitos, e não um trem

Apesar disso tudo, é um seriado divertido – envolve suspense, segredos, reviravoltas bem típicas de streaming. Serve como entretenimento, só isso.

Agora, a “desrecomendação”.

O Snowpiercer foi baseado numa Graphic Novel com a mesma premissa. Peguei a mesma emprestada, pelo programa “Cultura pass” (vide aqui).

A versão em quadrinhos tem pouquíssimos elementos em comum com a série. É um trem, o snowpiercer, com seus 1001 vagões, tem a primeira classe e o fundão, mas só isso. Nada de Wilford, Melanie, não tem crime a ser resolvido por um detetive do fundão, nada. É completamente uma outra história.

A arte e o roteiro são densos e difíceis de acompanhar, não achei muito divertido.

De qualquer forma, caso haja curiosidade, a graphic novel PerfuraNeve pode ser encontrada nas livrarias, e o Snowpiercer da Netflix é uma ótima série.

O Perfuraneve
https://amzn.to/3L4BZ6C

Ideias técnicas com uma pitada de filosofia

https://ideiasesquecidas.com

Recomendação: A Odisseia de Hakim

A Odisseia de Hakim conta a história real de um jovem sírio e a sua odisseia para fugir de seu país natal e pedir asilo na França, passando por uma dezena de países nessa jornada.

“Nunca pensei que isso pudesse me acontecer. Mas me dei conta de que qualquer um pode virar um refugiado. Basta que seu país desmorone. Ou você desmorona junto, ou você vai embora.”

Hakim e a sua família tinham um viveiro na Síria de Bashar Al-Assad, até que protestos contra o governo geraram uma guerra civil. Houve extrema violência por parte do governo: detenção, tortura e a perda do negócio. A família de Hakim decide buscar refúgio em um país seguro. Parte da família, inclusive a esposa, consegue uma via de chegar à França, porém, Hakim e o seu filho bebê devem percorrer um caminho mais longo: Líbano, Jordânia, Turquia e mais uma série de países.

A recepção dos refugiados pelos habitantes locais varia entre aqueles que criticam e desprezam, aqueles que tentam explorar os refugiados, mas também, há vários que ajudam Hakim e seu filho a chegar ao final de sua jornada.

Um comentário que faz todo o sentido. As pessoas acham que um refugiado é alguém pobre e não qualificado, mas essa noção está errada. Os que são realmente pobres não têm opção a não ser ficam em seu país natal.

Autor Fabien Toulmé, Editora Nemo. Graphic Novel em três edições. Baseado em entrevistas que o autor realizou com Hakim, este já estabelecido na França.

Link da Amazon: https://amzn.to/34rTAop

Veja também:

Loja e recomendações de livros:

Os titãs dos quadrinhos

Recomendação de livros para o final de semana: as biografias em quadrinhos de Stan Lee e Jack Kirby, duas lendas que revolucionaram os quadrinhos nos anos 60 e 70!

Devemos à eles a criação de personagens como o Quarteto Fantástico, os Vingadores, os X-Men, o Homem-Aranha, Homem de Ferro, Dr. Estranho, os Vingadores e muitos outros.

Stan Lee é figura mais conhecida, devido às aparições frequentes em filmes do Universo Cinemático Marvel. É o velhinho simpático da foto, e de certa forma, o rosto da Marvel nos últimos quarenta anos.

Stan Lee, Incrível, Fantástico, Inacreditável. Link da Amazon: https://amzn.to/3Ia17GK

Já Jack Kirby é o gênio criativo por trás dos fantásticos desenhos que enchiam os olhos de milhões de crianças e adolescentes, este escriba incluso.

Jack Kirby. Link da Amazon: https://amzn.to/3A0Feae

Porém, a história real nunca é tão perfeita quanto na nossa imaginação. A “casa das ideias” da Marvel teve uma série de problemas. Listando rapidamente algumas curiosidades.

  • Jack Kirby criou o Capitão América, nos anos 40, com Joe Simon, em outra editora. Posteriormente, o Capitão foi incorporado à Marvel.
  • Os heróis de Stan Lee tinham a característica de serem humanos, falíveis e com pontos fracos. O Homem-Aranha, por exemplo, é um garoto franzino, azarado e que precisa trabalhar de fotógrafo freelancer para fechar as contas. Outra característica de Stan é muito humor.
  • Os heróis da geração anterior, sendo o Superman o mais emblemático, eram superhumanos beirando a perfeição. É reflexo do zeitgeist da época, que vai mudando com o tempo.
  • A Marvel ganhou uma fatia enorme de mercado nas décadas seguintes, mas o mercado é cíclico – concorrentes copiam a fórmula, outras mídias ganham espaço, etc…
  • Jack Kirby e Stan Lee tiveram a primeira grande contribuição juntos no Quarteto Fantástico.
  • Kirby, com o passar dos anos e com o sucesso dos personagens, começou a se incomodar com o método de Stan Lee. Ambos discutiam brevemente o enredo, Kirby idealizava e desenhava tudo, e Stan preenchia os diálogos. Kirby ficava com uma porção enorme do trabalho, mas os créditos eram sempre para Stan como escritor e ele como desenhista. Quanto ao pagamento, ele recebia apenas como desenhista, embora tivesse feito grande parte do roteiro.
  • Steve Ditko, o criador do Homem-Aranha junto com Stan, também ficava incomodado em estar fazendo quase todo o trabalho e levando pouco crédito. Ditko chegou a nem falar mais com Stan, e saiu da Marvel na primeira oportunidade que teve.
  • No começo, Kirby era uma explosão de criatividade, propondo personagens fantásticos e cenários os mais criativos possíveis. Exemplo: ele criou sozinho o Surfista Prateado, mas como sempre, o crédito foi para Lee indiretamente. Chegou uma hora que ele continuou criando, mas guardando os melhores para si mesmo, para usar em outra ocasião.
  • Finalmente, Kirby saiu para a rival DC, onde utilizou parte do material guardado anos antes para criar Os Novos Deuses, Darkseid e outros. Porém, Kirby passou poucos anos na DC e retornou à Marvel, em seu retorno criou Os Eternos (que virou filme recentemente).
  • O material de Jack Kirby sozinho é visualmente muito bonito, porém, nitidamente as histórias eram inferiores ao trabalho junto com Stan Lee – mostrando que realmente a amálgama entre ambos é que criava uma magia incomum.
  • Jack Kirby morreu em 1994, não chegou a ver suas criações nas telonas. Ele não tinha nenhuma porcentagem de royalties sobre os personagens, era amargurado por isso e chegou a passar mal ao ver brinquedos do Capitão América à venda. Kirby é relativamente desconhecido do grande público, ao contrário de Stan Lee, que tem até versões de si em action figure.

Funko Stan Lee

https://amzn.to/3KhmjfS


  • Stan Lee virou editor, contratou uma série de novos roteiristas e desenhista, e em meados dos anos 80 dedicou muito tempo a ser a “cara” da Marvel, em palestras por todo o país. Um sujeito energético, engraçado, capaz de contar histórias que entretém multidões, e com um ego de alguém que gosta de aparecer.
  • Os X-Men originais nunca foram muito bem, e até tiveram a revista cancelada. Nos anos 70, com a internacionalização forte dos quadrinhos, os editores queriam um grupo com personagens de várias nacionalidades. O escritor Len Wein então reformulou os X-Men, com novos integrantes como o Noturno (Alemanha), Colossus (Rússia), Wolverine (Canadá) e Tempestade (África). Pouco após, foi com o escritor Chris Claremont que os X-Men ganharam histórias de altíssima qualidade, aumento expressivo de vendas e as características que conhecemos hoje e foram inspiração para o cinema.
  • Stan Lee continuou trabalhando em projetos diversos até o fim da vida, incluindo um com a DC Comics. Ele conseguiu fama e fortuna, ao contrário de Kirby e da imensa maioria dos roteiristas e desenhistas com quem trabalhou.
  • A Marvel Comics foi sendo comprada por inúmeras editoras, e estava perto de um beco sem saída, quando os filmes de seus superheróis começaram a fazer sucesso no cinema, notadamente o Homem-Aranha e os X-Men de meados do ano 2000. Após o sucesso inicial, filmes diversos começaram a surgir na sequência.

Um enorme OBRIGADO ao gênio criativo de Stan Lee, Jack Kirby e tantos outros, e vejamos as cenas dos próximos capítulos.

Mitologia nórdica

Segue uma excelente recomendação, para quem gosta de mitologia.

É a adaptação em quadrinhos do livro “Mitologia nórdica”, de Neil Gaiman, por P. Craig Russell, um dos maiores desenhistas da atualidade.

Histórias como o casamento de Frigga, o muro de Asgard, o martelo de Thor, os filhos de Loki. Sempre com a participação direta ou indireta dos personagens de sempre, Thor, Odin, Loki.

Link da Amazon. https://amzn.to/3l4aUW9

Shakespeare em Quadrinhos

Seguem algumas recomendações para o fim de semana: As obras imortais de William Shakespeare, em quadrinhos!

Eu tenho várias dessas revistas. São leituras rápidas e divertidas.

Um primeiro grupo de adaptações é no formato mangá. É a coleção Mangá Shakespeare.

A Tempestade:

https://amzn.to/3g3hpFR

Ricardo III – Outro clássico, com um personagem prá lá de maldoso e sinistro.

https://amzn.to/3yLna2q

Outro grupo de adaptações é a Coleção Shakespeare, pela Editora Nemo:

Romeu e Julieta, todo mundo conhece essa história.
https://amzn.to/3yMry0S

MacBeth é uma história sensacional. Tenho até medo de pensar que podem existir pessoas como os MacBeth.

https://amzn.to/3fYQZ8a

Fora esses, tem muitos outros títulos. O Mercador de Veneza, mais um clássico. O Rei Lear é muito bom também, inclusive aproveito para recomendar o filme Ran, de Akira Kurosawa, baseado na obra de Shakespeare.

É claro que Shakespeare original é muito mais profundo, mas o objetivo é só introduzir um pouco deste universo. São histórias clássicas num formato bastante atrativo para uma leitura simples.

Veja também:

Ideias técnicas com uma pitada de filosofia

https://ideiasesquecidas.com

Loja e Recomendações:

O Timoneiro, de Franz Kafka

O Timoneiro é um conto curto de Franz Kafka, metafórico e poderoso como outros contos do autor.

Reproduzo o mesmo aqui, uma tradução do mesmo em https://en.wikisource.org/wiki/Translation:The_Helmsman.


O Timoneiro

“Eu não sou o timoneiro?” Eu gritei.

“Você?” perguntou um homem alto e moreno e passou a mão sobre os olhos, como se para banir um sonho.

Eu estava de pé no leme na noite escura, a lanterna fraca acesa sobre minha cabeça e agora esse homem tinha vindo e queria me empurrar para o lado.

E como eu não quis desistir, ele colocou o pé no meu peito e me pisoteou lentamente, enquanto eu continuava a me agarrar aos raios do timão do navio e caindo, puxei-o completamente. Mas o homem o agarrou e o trouxe de volta; mim, no entanto, ele se afastou.

Logo me recuperei, caminhei até a escotilha que dava para a cabana e gritei: “Homens! Camaradas! Venham depressa! Um estranho me tirou do leme!”

Eles vieram lentamente, subindo a escada do navio, figuras cambaleantes poderosas e cansadas.

“Eu sou o timoneiro?” Eu perguntei.

Eles acenaram com a cabeça, mas só tinham olhos para o estranho, ficaram em um semicírculo em torno dele e quando ele disse ordenadamente” Não me perturbe “, eles se recompuseram, acenaram para mim e desceram novamente a escada do navio.

Que tipo de pessoas são essas? Elas pensam afinal, ou simplesmente se arrastam sem pensar pela Terra?


Recomendação de leitura. Uma interpretação em quadrinhos dos conto de Kafka, por Peter Kuper:

https://amzn.to/3eTTkAR

Veja também:

Batman no Japão medieval

Aproveitando o post anterior, sobre a época dos grandes samurais, segue uma história muito maluca. A série “Batman no Túnel do Tempo” mostra o homem morcego em contextos históricos diversos.

A edição “Batman – o Ninja” ocorre após a morte de Toyotomi Hideyoshi. O rival Tokugawa Ieyasu assume o poder, em detrimento de Toyotomi Hideyori, filho de Hideyoshi, que tinha uns 5 anos à época.

Batman é Bat-ninja, uma espécie de ronin – samurai sem mestre. Ele fica sem mestre após a morte de Hideyoshi. Robin é Tengu, discípulo do Bat-ninja, e que promete proteger o clã Hideyoshi.

A história se ambienta num contexto histórico real, o cerco do Castelo de Osaka. Uns 15 anos depois de Tokugawa Ieyasu assumir o poder de fato, forças opostas ao shogun unem-se a Hideyori, um postulante legítimo à posição de líder de todo o Japão. Tokugawa resolve acabar de vez com a ameaça ao seu posto, reúne aliados e, após uma série de batalhas, encurrala e aniquila Hideyori no Castelo de Osaka.

Na história em quadrinhos, Robin é um filho oculto de Hideyoshi, o cerco de Osaka está ocorrendo, mas antes disso, Hideyori quer se livrar do irmão Robin. Ambos lutam, e é Robin que assassina Hideyori, para depois, cometer hara-kiri.

Não creio que seja possível comprar essa edição hoje em dia.

É muito raro a cultura popular ocidental referenciar um fato tão distante, ocorrido na época do Japão medieval. Parabéns aos autores Chuck Dixon e Enrique Villagran pela história.

Seguem outros links sobre o tema:

https://alemdatorrez.wordpress.com/2016/03/22/batman-no-tunel-do-tempo/

https://dc.fandom.com/wiki/Tengu_(Narrow_Path)

https://en.wikipedia.org/wiki/Siege_of_Osaka

A Guerra de Canudos em Quadrinhos

Recomendação de leitura: A Saga de Canudos.

É uma história em quadrinhos bastante curta, ilustrando o episódio da Guerra de Canudos, e focada em seu ilustre protagonista, Antônio Conselheiro.

Os conflitos ocorreram entre 1896 e 1897, num período logo após a Proclamação da República do Brasil.

Link da Amazon: https://amzn.to/3ivWGNc

Antônio Conselheiro era um pregador, que viajava o Nordeste do Brasil. Ele criticava duramente a República, dizendo ser materialização do AntiCristo, pelo Estado ser laico. Outro ponto eram os altos impostos para financiar o novo governo. O profeta foi ganhando seguidores, e se estabeleceu numa fazenda, batizada como “Belo Monte”, mas que ficou conhecida na história como “Canudos”.

A comunidade de Canudos cresceu ao ponto de ter 25 mil habitantes. Seus seguidores: ex-escravos (foi um período logo após a abolição da escravatura), vagabundos, pessoas sem esperança, sem nada a perder. Era uma comunidade onde toda a produção era compartilhada entre os moradores.

Canudos começou a incomodar, por ser abertamente contra a República, e também por estar crescendo.

Foram 4 ataques militares, crescentes em termos de soldados e armamento, até finalmente Canudos ser completamente destruída.

“O sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão” – Antônio Conselheiro

“Os Sertões”, de Euclides da Cunha, é uma das maiores obras da literatura brasileira, e narra o episódio. Lembro porque caía no vestibular, e o livro era bem difícil de entender.

“E surgia na bahia o anacoreta sombrio, os cabelos crescidos até os ombros,​ barba inculta e longa; face acaveirada; olhar fulgurante” – Euclides da Cunha.

Até hoje não sei o que significa “Anacoreta”…

Ironicamente, o sertão de Canudos realmente virou mar. O açude de Cocorobó colocou as ruínas da cidade debaixo da água.

Vale a pena conhecer um pouco mais deste episódio da cultura brasileira.

https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/com-a-estiagem-cidade-de-canudos-volta-a-aparecer-apos-17-anos/

A Marcha – John Lewis e Martin Luther King

Recomendação de quadrinhos históricos para o fim de semana.

A Marcha, sobre a luta do senador americano John Lewis pela igualdade racial, nos turbulentos anos 60.

Link da Amazon:

A Marcha: Livro 1 – John Lewis e Martin Luther King em uma história de luta pela liberdade

Lewis, desde pequeno, demonstrava extremo interesse em estudar.

Na época da colheita, o pai dele não deixava os filhos irem à escola. Lewis, inconformado, um dia se escondeu do pai e pegou o ônibus assim mesmo. Tomou uma surra na volta; nos dias seguintes fez o mesmo, até que o pai desistiu.

A primeira vez que ele ouvira falar de Martin Luther King foi no rádio. Lewis era um garoto de 14 anos, e Luther, um pastor que lutava pela igualdade de direitos civis.

Um dos episódios que desencadeou inúmeros protestos foi quando uma mulher negra chamada Rosa Parks se recusou a dar seu lugar para um homem branco, no ônibus.

Anos mais tarde, Lewis foi um dos líderes do movimento, em sua cidade de Nashville.

Uma das características mais notáveis do grupo foi a não-violência, inspirado em atos similares promovidos por Gandhi, na Índia.

Eles tinham até oficinas de não violência. Treinavam para ver o comportamento da pessoa. Os candidatos eram sujeitos a xingamentos, ofensas raciais, cusparadas e tudo mais, para testar os limites. Era necessário suportar tudo isso sem revidar, para estar à frente das ações.

O primeiro alvo foram restaurantes que não serviam pessoas de cor.

O movimento pedia para comprar algo, o pedido era negado, e iam embora. Só isso.

A seguir, passaram a pedir para chamar o gerente e tentar dialogar. O restaurante se recusava, e o serviço era encerrado. O grupo ficava o resto do dia ali, sentado às mesas, sem ação.

À medida que ganhavam notoriedade na imprensa, mais e mais pessoas se juntava ao grupo. Chegaram e ter mais de 200 integrantes.

A sociedade branca revidou, com ofensas, insultos, agressões.

Teve um momento em que as prisões ficaram cheias de manifestantes. Era tanta gente, que o juiz estabeleceu uma fiança pequena, a fim de que todos fossem embora, porém, o grupo se recusou a deixar a prisão – ou seriam inocentados, ou continuariam ali.

A vitória veio tempos depois, quando as leis que permitiam a segregação foram abolidas.

Há um volume 2 do livro, que ainda não li completamente. Há também um terceiro volume da série, porém ainda não foi lançado no Brasil.

Link da Amazon:

A Marcha – Livro 2

A série venceu ganhou um prêmio Eisner de melhor história em quadrinhos baseada em fatos reais.

O senador Lewis faleceu em 2020, e Martin Luther King Jr, em 1968, assassinado.

Bônus: o discurso “I have a dream”, de Martin Luther King, é um dos mais famosos e poderosos da história. Vale a pena ouvir.

Recomendações sobre Palestina e Jerusalém

Seguem algumas recomendações para entender um pouco mais sobre o conflito árabe-judaico, no meu formato de mídia favorito: histórias em quadrinhos.

Sendo o tema polêmico, é quase impossível ter algum relato isento de opiniões – então seguem fontes de cada lado da história.

Joe Sacco é um repórter gráfico, especializado em cobrir guerras – Iraque, Sarajevo e outras.

Na obra “Palestina”, ele entrevista e convive com famílias árabes na região do conflito. Diversas histórias extremamente tristes são narradas.

Link da Amazon: https://amzn.to/33L2p91

O autor ganhou o American Book Award em 1996, pela obra.

Do mesmo autor, Notas sobre Gaza

Crônicas de Jerusalém – O autor, Guy Deslile, acompanha a esposa – voluntária do programa Médico sem Fronteiras – em Jerusalém.

Não é diretamente sobre o conflito, mas este permeia tudo o que acontece na narrativa.

Crônicas de Jerusalém ganhou o Prêmio Fauve D’Or 2012 de melhor álbum no Festival International de la Bande Dessinée de Angoulême, na França.

Link da Amazon: https://amzn.to/33Mkfc0

A História dos judeus, de Stan Mack, é uma narrativa gráfica de 4000 anos de história dos judeus.

Conta desde os primórdios, das histórias bíblicas, até a formação do estado de Israel. Não é focado no conflito moderno, mas é uma visão importante para conhecer as raízes do mesmo.

Link da Amazon: https://amzn.to/3w4QOOn

Todas essas obras contam a história de forma séria, e com uma arte belíssima.

Boa leitura!

Genghis Khan – mangá

A fim de fechar o tema do império mongol, uma indicação de mangá, sobre o conquistador Genghis Khan: Chinggis Khan, por Yokoyama Mitsuteru.

Não há muitas formas de comprar um mangá antigo no Brasil (este é de 1991), então praticamente o único jeito de ler é por sites que scaneiam mangás.

http://fanfox.net/manga/chinggis_khan/

O mangá conta a história de Temujin (o nome de nascimento do grande Khan) nas estepes mongóis, as inúmeras intrigas, batalhas, assassinatos e rapto de mulheres e crianças que ocorriam neste época.

Com o passar do tempo, e o crescimento da tribo de Genghis, foram diversas as guerras com outras tribos das estepes, com todos os elementos possíveis: alianças, casamentos, acordos de sangue, brigas, e, é claro, traições.

Há uma série de livros e alguns filmes sobre o grande Khan, mas o formato história em quadrinhos é o meu favorito.

É possível ver imagens fascinantes como a seguinte.

O autor, Yokoyama Mitsuteru, é certamente um dos meus favoritos, por ter adaptado em mangá também a fantástica história dos Três Reinos. Ele teve o auge do seu trabalho na segunda metade do século passado, e faleceu em 2004.

Após consolidar o poder na Mongólia, os exércitos de Genghis passaram a utilizar a sua máquina de guerra contra países vizinhos, devastando quem não se submetia a eles, destruindo a Bagdá dos sonhos, quase chegando à Europa, e conquistando a China (este post é sobre Kublai Khan).

Veja também:

Apache Kafka x Franz Kafka

O pessoal de TI veio esses dias falar de uma plataforma chamada Kafka. Para dar uma zoada neles, eu sempre digo que só conheço o original, e que é muito melhor: o escritor húngaro Franz Kafka.

Ele é um dos maiores escritores do século passado, e o autor de contos que variam do sombrio ao existencialista.

Algumas recomendações abaixo.

A Metamorfose: é a história mais famosa dele. Popularmente, é conhecido como o conto de uma pessoa que vira uma barata, da noite para o dia. Entretanto, no livro, ele não cita nenhuma vez no que o protagonista se transformou.

https://amzn.to/2QhcHKx

Os seus contos, por terem um viés expressionista, são excelente para adaptações em obras gráficas. Seguem várias recomendações kafkanianas em quadrinhos:

O Processo


https://amzn.to/38XfY8w

O Castelo


https://amzn.to/2NCijye

Kafka, de Crumb


https://amzn.to/3cNaheu

Veja também:

https://ideiasesquecidas.com/2014/04/07/before-the-law/

https://ideiasesquecidas.com/resumos/

Trilha sonora: Uma barata chamada Kafka