Data Science, Skills, Super-Homem

Seguem algumas reflexões, baseadas em um bate-papo que fiz, com alunos de data science da VAI Academy.

Zoom out histórico de data science

Sempre gosto de dar um “zoom out” histórico, para entender as coisas em perspectiva.

A contabilidade tem uns 5000 anos, desde o surgimento dos números. Na verdade, houve um motivador fortíssimo para o surgimento dos números, que foram os impostos. Como registrar quem pagou ou não, e quanto pagou? É muito verdadeira a frase: “Nada é certo, exceto impostos e a morte”.

A construção civil também tem uns 5000 anos, desde o início das civilizações estamos aperfeiçoando nossas casas.

A matemática tem uns 2000 anos, desde Euclides, Pitágoras.

Fast forwarding no tempo, o computador pessoal tem uns 40 anos, desde os primeiros computadores da Apple, IBM, os primeiros sistemas operacionais da Microsoft, etc…

Data Science e Analytics, da forma que conhecemos hoje, tem uns 5 anos. Antes disso nem existia o termo “data science”, ou “data engineer”. Há razões para isso, como o volume e qualidade de dados, capacidade de processamento.

Hoje em dia, temos sensores diversos nos maquinários, custos de IOT (internet das coisas) caindo, e capacidade de comunicação wireless disso tudo. E também temos a internet, possibilitando o compartilhamento de inúmeras informações de fontes diversas. Há não muito tempo atrás, digamos uma década, tudo isso era mais caro e difícil. Há duas décadas e meia, mal tínhamos comunicação celular.

Além do volume de dados, temos avanços em hardware (via Lei de Moore) e software. Lembro que, antigamente, tínhamos que escrever todas as linhas de um algoritmo do zero, na raça. Hoje temos uma gama de pacotes prontos, de altíssimo nível.

A finalidade disso tudo é a de otimizar o uso de recursos, diminuir desperdícios, acertar previsões, prevenir problemas no maquinário, etc.

As perspectivas futuras são boas. Mesmo hoje, a Statista estima que 60% dos dados industriais não são nem coletados. E, da parte coletada, menos de 50% é realmente utilizada para algo útil. Há ainda um enorme oceano azul a ser explorado, para quem conseguir embarcar nessa onda.

Sobre Super-Homem, hard e soft skills

Pela área de Data Science envolver muita matemática e programação, naturalmente o analista deve ter uma tendência a exatas, hard skills. Buscar conhecimento técnico, ser bastante curioso. Naturalmente, acaba virando poliglota em várias linguagens, até porque a melhor linguagem depende da aplicação, e as tecnologias avançam de tempos em tempos.

Não menos importante são os soft skills. Saber conviver com as pessoas, saber ouvir, entender os problemas. Também faz parte conseguir transmitir informações, ser didático ao apresentar. Ensinar aos outros, desde o leigo que pouco sabe até aquele que tem maior bagagem. Saber negociar e vender.

O antigo dito, “as pessoas são contratadas pelo hard skill e demitidas pelo soft skill”, é muito verdadeiro.

Ora, então a pessoa tem que ser um super-homem? Saber tudo de tudo, ser bom em tudo?

Conforme comenta o meu amigo Igor Queiroz, antigamente as descrições de vagas para essas áreas de Data Science era assim, altamente técnicas em tudo e também pedindo vários soft skills, quase um super-homem. Felizmente, hoje as coisas estão mais equilibradas, exigindo mais de parte técnica quando precisa, ou mais de itens gerenciais.

Como vejo um equilíbrio possível entre hard x soft?

A gente tem que performar excelentemente bem na área que é nossa competência principal, seja lá qual for. Como quem gosta dessa área normalmente é exatoide, em algum hard skill. Ser nota 10 nesse skill específico, seja banco de dados, otimização, arquitetura de dados, etc…

Quanto aos soft skills, todos nós temos a capacidade de melhorar, acima de um mínimo aceitável. Nunca vamos chegar no nível de quem tem o dom para a coisa, mas podemos performar de forma razoavelmente boa, respeitando a nossa forma de ser. Tirar uma nota 6 em tudo quanto é soft skill. Por exemplo, logo que saí da faculdade, eu era muito horrível em apresentações. Fui trabalhando no tema, treinando, e hoje consigo transmitir as mensagens que quero, sem grandes problemas. Nunca vou chegar no nível de um Steve Jobs, por exemplo, mas foi uma evolução considerável em relação ao que era.

Nossa energia é finita, não adianta tentar tirar 10 em tudo. Então, é assim que acho ser um bom equilíbrio.

Dicas de livros / links

– Thomas Davenport, autor de diversos livros com Analytics

– John Thompson, autor de “Building Analytics teams”

– Storytelling com dados, uma aula de como utilizar dados para gerar informação relevante

– Nassim Taleb, não tem tanta relação com Analytics, mas sempre recomendo. Autor de livros como “A lógica do Cisne Negro” e “Antifrágil”

– Evento: o Informs é a mais relevante associação do mundo em Operations Research, e, anualmente, organiza eventos internacionais

– Seguir gente interessante no LinkedIn, sempre aprendemos alguma coisa

– Há uma série de cursos online, para os mais variados públicos: VAI academy, Coursera, EDX, Youtube, Data science academy

– Newsletters como Exponential view

– Pegar um tema do seu interesse e criar Google Alert, para receber um e-mail diário com notícias que aparecem na mídia

– Participar de desafios do Kaggle

Ficam as dicas. Aproveite.

Veja também:

Stanislaw Ulam, Aventuras de um Matemático

Recomendação de filme: O Matemático, no Amazon Prime Video.

É sobre a vida de Stanislaw Ulam, matemático envolvido no Projeto Manhattan (da bomba atômica) e da bomba de Hidrogênio.

Cena do filme “O Matemático”

Na verdade, é um filme bem chato de assistir. Ritmo lento. Boring.

Primeiro, que mesmo nos ciclo dos matemáticos e físicos, Stan Ulam não é dos mais famosos.

Só quem é muito exatoide e que conhece de Stanislaw Ulam e John Von Neumann vai ter algum interesse em acompanhar.

Eu conheço Ulam pelo Método de Monte Carlo, inventado pela dupla citada acima, a fim de simular as complicadas propriedades físicas dos elementos para a bomba.

Pois bem, Ulam é um gênio. Emigrante polonês judeu que fugiu para os EUA no meio dos anos 1930 – e como vários outros na mesma situação, fugindo do nazismo. Inclusive, há uma cena em que ele chama os parentes a fugir da Europa.

Stanislaw Ulam

Como alguém como ele poderia ajudar no esforço de guerra? Se alistando e pegando em armas? O seu grande poder era o cérebro, e era isso que ele deveria explorar. Nos EUA, deu aulas em Harvard, e foi chamado por John Von Neumann – por sua vez, emigrante húngaro – a integrar o Projeto Manhattan, da bomba atômica.

Ulam gostava de jogar cartas e utilizar as mesmas para suas aulas – conhecimento que certamente ajudou na criação do método de Monte Carlo (em referência aos cassinos da cidade).

A filme tenta provocar algum conflito pessoal, no sentimento de culpa ao criar a bomba atômica versus a lógica fria de que Hitler poderia ter desenvolvido a mesma, e era melhor que a mesma ficasse em mãos mais responsáveis.

Vejo o filme mais como uma homenagem a gigantes como Ulam, Von Neumann e Oppenheimer do que como a obra em si.

Ao contrário de filmes de mafiosos, traficantes, prostitutas e matadores, um filme sobre um matemático não é nada excitante. Porém, em termos de vida real, a contribuição desses físicos e matemáticos foi enorme: Neumann e Ulam ajudaram a criar os primeiros computadores eletrônicos da história, e a arquitetura que utilizamos até hoje é a arquitetura de Von Neumann.

O Método de Monte Carlo e derivados tem aplicações práticas extremamente valiosas para a indústria, nos dias de hoje. Simulação de eventos discretos, em geral, ajudam a dimensionar o número ótimo de atendentes de um help desk, o tamanho de pátios de armazenagem, número de empilhadeiras de um armazém, e assim sucessivamente.

Agradeço à dupla Ulam – Von Neumann pelas brilhantes ideias desenvolvidas, e que utilizamos até os dias de hoje.

Veja também:

https://www.thefirstnews.com/article/powerful-new-biopic-tells-extraordinary-story-of-stanislaw-ulam–the-h-bomb-mathematician-9944

Utilização do OpenSolver com VBA

Segue um conteúdo um pouco mais técnico. Um tutorial que escrevi, para utilização do OpenSolver com VBA, para a resolução de problemas de Otimização Combinatória.

Ferramentas em Excel-Vba

Introdução

O OpenSolver é um suplemento poderoso do Excel, para problemas de otimização combinatória.

Foi desenvolvido por Andrew Mason e equipe, da Universidade de Auckland (Nova Zelândia) e pode ser encontrado em: https://opensolver.org.

A ideia básica é que o Solver comum, do Excel, tem um limite de utilização (apenas 200 variáveis). Para problemas maiores do que isso, é necessário adquirir uma licença junto à Frontline, empresa desenvolvedora do Solver.

Já o OpenSolver pode utilizar solver open-source, como o CBC. Ou utilizar ferramentas (pagas) ainda mais poderosas, como o Gurobi ou o CPLEX. Dessa forma, abrimos uma gama de aplicações muito maior do que apenas o Solver da Frontline.

O OpenSolver tem um menu de utilização bastante similar ao Solver comum.

Este tutorial mostra como utilizar VBA para acessar e manipular o OpenSolver.

Qual a vantagem de utilizar o VBA? É ter uma flexibilidade maior na formulação, e com isso…

Ver o post original 845 mais palavras

O número 1729

Um post do meu blog Excel (sigam também).

Ferramentas em Excel-Vba

O número 1729 é o primeiro inteiro que é a soma de dois números inteiros elevados ao cubo de duas formas diferentes. Quais são esses dois pares de números?

Respostas:

Números 1 e 12

E números 9 e 10

Ou seja,

1729 = 1^3 + 12^3 = 9^3 + 10^3

O jeito mais simples é fazer a conta (1729 – num^3)^(1/3), e ver se o resultado é inteiro, para todos os números de 1 a 1729. Vide Excel anexo.

Esse número tem uma história famosa.

O matemático britânico G. Hardy visitou o matemático indiano Srinivasa Ramanujan no hospital. Ele relatou a conversa deles:

Eu tinha viajado no táxi número 1729 e observei que o número me parecia um tanto enfadonho e que esperava que não fosse um presságio desfavorável. “Não”, respondeu Ramanujan, “é um número muito interessante. É o menor número que pode ser expresso como a soma de dois…

Ver o post original 9 mais palavras

Recomendação de livro: Personal MBA

Ou “O manual do CEO”, na versão em português, de Josh Kaufman.

O autor fez um trabalho espetacular ao condensar uma centena de livros diversos nesse manual. Ele tem uma capacidade excelente de ir direto ao ponto e amarrar numa estrutura coerente tópicos tão diversos. Não à toa, o livro é um best seller, tendo vendido quase 1 milhão de cópias.

É como se fosse um grande resumão, somente dos highlights e pontos que interessam, de temas que vão de finanças até estratégia, passando por marketing, negociação, desenvolvimento humano e diversos outros tópicos.

O livro já é um resumo, mas segue um resumo do resumo, que ficou bem legal:
https://medium.com/stefans-book-summaries/the-personal-mba-summarized-282619217a58

É claro que não dá para entrar profundidamente em cada um desses tópicos, então o livro serve mesmo como um grande apanhado geral, para dar uma ideia, relembrar conceitos de forma rápida e ter como guia de consulta.

Seguem alguns links:

O site do autor, com amostras do conteúdo e outras dicas.
https://personalmba.com

Reading list de Josh Kaufman
https://personalmba.com/best-business-books/

Manual do CEO
Link da Amazon: https://amzn.to/3L3QmbH

Veja também:

Os 5 desafios das equipes – Resumo

“A maior vantagem competitiva é o trabalho em equipe” – Patrick Lencioni.

Os 5 desafios das equipes é um livro curto, escrito em linguagem simples, que fornece um modelo para a montagem de um time de alto desempenho.

Escrito na forma de uma fábula corporativa. Um time altamente qualificado tecnicamente e bem intencionado de forma individual, mas que não consegue funcionar como um time. A nova CEO assume a empresa, e passa a trabalhar os pontos de melhoria para a equipe.

Quais são os 5 desafios?

1 – Confiança. Na base da pirâmide, confiança mútua entre membros da equipe. Ninguém quer abrir seus erros e fraquezas aos outros, de forma que não existe base de confiança.

2 – Medo de conflitos positivos. Sem o item anterior, confiança mútua, não há conflitos positivos. Evitar conflitos abertos vai fazer com que problemas sejam ignorados ou empurrados com a barriga, e que surjam comentários pelas costas.

3 – Falta de comprometimento. Pelos membros não discutirem, não se sentirão ouvidos, e daí também não haverá real comprometimento, já que eles não concordam/ não se sentem envolvidos.

4 – Evitar responsabilizar os outros. Por não haver os itens acima, mesmo os membros mais comprometidos evitam chamar a atenção de colegas em relação à atitudes contraproducentes.

5 – Falta de atenção aos resultados. Não cumprir os itens acima torna propício um ambiente em que o funcionário coloca desejos pessoais (ego, posição, destaque dentro e fora da empresa) acima das necessidades da equipe e do time.

É interessante colocar na abordagem positiva, como uma boa equipe deve ser:
1 – Eles confiam um nos outros
2 – Eles se envolvem em conflitos saudáveis
3 – Eles se comprometem com decisões e planos de ação
4 – Eles chamam a atenção dos colegas quando esses agem contra os planos estabelecidos
5 – Eles têm como foco objetivos coletivos

Na prática, como um líder pode agir?

Sugestões de exercícios para acabar com as disfunções expostas.

1 – Confiança:

  • Exercício de histórias pessoais: número de irmãos, cidade natal, desafios da infância, hobby, primeiro emprego e pior emprego
  • Limites. Tive um gestor que sempre perguntava quais os limites de cada um. Sem saber quais são os limites, fica difícil respeitar
  • Perfis de personalidade, como o teste Myers-Briggs
  • Programa de feedback 360

2 – Conflitos:

  • Mineradores de conflito. Alguém que tenha coragem e capacidade para tocar em temas sensíveis e trabalhar com o time
  • Permissão em tempo real. Lembrar aos participantes que é importante não se retirar de um debate saudável

3 – Comprometimento:

  • Mensagem em massa. Rever as decisões do grupo e decidir em conjunto o que deve ser comunicado ao resto do time
  • Estabelecer prazos e responsáveis para as ações

4 – Chamar a atenção dos outros:

  • Publicar objetivos e padrões
  • Revisão de progresso
  • Princípios: gosto da ideia de ter Princípios claros, algo como Ray Dalio faz

5 – Resultados:

  • Declaração pública de resultados desejados
  • Recompensas com base em resultados

Na fábula do livro, alguns dos funcionários que não se encaixavam saíram ou foram demitidos, outros encontraram o equílibrio em posição que melhor desempenhavam, até que, finalmente, a empresa conseguiu gerar os resultados esperados.

“Se você conseguir colocar todos os funcionários de uma empresa remando na mesma direção, poderá dominar qualquer indústria, em qualquer mercado, em qualquer época”.

Agradeço ao amigo Guilherme Lessio pelo livro.

Link da Amazon: https://amzn.to/3cWc4lt

Veja também:

O método da Roleta Viciada

Um post do meu blog técnico.

Ferramentas em Excel-Vba

Como sortear aleatoriamente um número? Essa é simples. Muitas linguagens têm um método tipo Random que gera um número entre 0 e 1. Isso vai gerar um número qualquer nessa faixa, todos com a mesma probabilidade.

Mas como fazer, quando alguns números têm probabilidade diferente?

Exemplo. Vou sortear uma rifa, e o peso de cada participante é proporcional à contribuição dele.

Nesse caso, o método é chamado de “Roleta viciada”.

Primeiro, calculamos a probabilidade Acumulada da série.

A seguir, usamos o mesmo método random comum, para gerar um número entre 0 e 1. Depois, vemos em que faixa esse número sorteado está, na probabilidade acumulada.

No caso, se for de 0 a 38% é o Manoel, de 38% a 53% Pedro, e acima de 53% Larissa.

Interpretação: É como plotar a probabilidade acumulada, escolher um número aleatório no eixo Y, e verificar a ordenada correspondente no eixo X.

É o…

Ver o post original 23 mais palavras

Napoleon Hill em 40 frases

Napoleon Hill é um escritor do início do século passado, porém, suas palavras continuam tão atuais quanto sempre foram.

A seguir, frases de seus livros “The Law of Success” e “Think and Grow Rich”, em (mais ou menos) 40 frases.

Mais ouro foi minerado do cérebro humano do que de todas as minas da Terra.

Tudo que a mente humana pode imaginar e acreditar, pode atingir.

Há sempre abundância de capital para aqueles que podem criar planos práticos de utilizá-lo.

Sempre haverá espaço no mundo para aqueles que produzem mais do que recebem. Produza mais do que recebe, e em breve você será pago mais do que produz.

Toda grande invenção começou na imaginação de uma pessoa.

Seja você quem for, onde estiver, qualquer seja sua ocupação, há espaço para você se tornar mais produtivo e agregar mais valor à sociedade, utilizando sua imaginação.

Você pode fazer se você acreditar que pode!

Qual o seu Propósito Principal Definitivo?

Não tema a oposição. Lembre-se de que a pipa do Sucesso sobe contra o vento da adversidade.

Desenvolva o seu próprio Master Mind (grupo de aliados com o mesmo objetivo, com habilidades complementares e em harmonia, na mesma frequência).

Não existe alguma coisa por nada. No longo prazo, você consegue exatamente o que você paga, seja comprando um automóvel ou um pedaço de pão.

Quando um homem deseja algo tão profundamente a ponto de trocar todo o futuro por um único número na roleta da vida, ele certamente vencerá.

Uma enciclopédia com todo o conhecimento do mundo é tão inútil quanto uma duna de areia, até ser organizada e expressa em termos de ação.

Tenha o hábito de tomar uma ação todos os dias, que vai te levar um passo a mais em direção ao seu Propósito Principal Definitivo.

Tudo que você construir deve ser baseado na Verdade e na Justiça.

A melhor compensação por fazer acontecer é a habilidade para fazer mais.

Qualquer um pode começar, porém somente os persistentes conseguem terminar.

Você é feliz se aprendeu a diferença entre derrota temporária e fracasso. A semente do sucesso está dormente em cada derrota temporária que você experimentar.

Você sempre pode ser a pessoa que você gostaria de ser.

O único homem que não comete erros é aquele que nada faz.

Você é um magneto humano e você está constantemente atraindo pessoas cujas personalidades harmonizem com sua própria.

Pense bem antes de falar, pois suas palavras podem plantar a semente do sucesso ou fracasso na cabeça de outra pessoa.

Desenvolva o hábito de tomar a iniciativa. Fale iniciativa, pense iniciativa, coma iniciativa, durma iniciativa e pratique iniciativa.

Todo dia é uma chance de prestar algum bom serviço.

Aqueles que trabalham apenas por dinheiro, e que recebem apenas dinheiro, serão sempre mal pagos, não importa a quantidade que recebem. Os maiores prêmios da vida não são medidos em dólares e centavos.

Comece hoje a agir e fazer o dia valer a pena. O ontem já foi, e o amanhã pode nunca chegar.

Se você tem um talento, use da melhor forma possível. Não desperdice isso.

Sonhe. Tenha grandes sonhos.

As grandes conquistas são resultado de grande sacrifício, e nunca resultado de egoísmo.

Entuasiasmo é uma força vital que você pode domesticar e utilizar.

Uma pessoa feliz é aquela que sonha com as conquistas ainda não atingidas.

Ninguém consegue expressar em palavras ou ações algo que não está em concordância com suas próprias crenças.

Reputação é o que outras pessoas acreditam ser, caráter é o que as pessoas são.

Ouse se destacar na multidão e seguir o seu caminho.

A sorte não é aleatória – é trabalho.

Quem sabe exatamente o que quer da vida já está a meio caminho de conseguir atingir.

“Sobrevivemos com o que ganhamos. Mas só temos uma vida pelo que doamos” – Winston Churchill

“Faça o que você ama e não terá que trabalhar o resto da vida” – Confúcio

Uma personalidade atraente usa a Imaginação e a Cooperação.

Separe fatos de convicções, e o que é importante do que não é importante.

Um grande líder é aquele que faz outras pessoas fazerem grandes coisas.

Uma pessoa decidida não consegue ser parada!

O Tempo é, no final, a única moeda real que temos.

“Somos feitos da matéria de nossos sonhos” – Príncipe Próspero, a Tempestade de Shakespeare

A Lei do Triunfo
Link da Amazon: https://amzn.to/3KsYuT6

Pense e enriqueça
Link da Amazon: https://amzn.to/3pPGiJI

Veja também:

Exemplo de como não fazer um gráfico

Exemplo de como NÃO fazer um gráfico, do meu blog de Excel VBA.

Ferramentas em Excel-Vba

Edward Tufte é um especialista em visualização de dados e tem excelente dicas. Vamos ilustrar com um exemplo do que não fazer:                                                                                                    

Erros:

– O título e os valores foram representados mais de uma vez, são redundantes

– Título com uma fonte rebuscada, sem necessidade alguma

– Duas casas decimais, sem necessidade

– Um gráfico elegante é o que tem a maior razão informação / tinta utilizada. As linhas horizontais e verticais do gráfico acima não contribuem em nada, assim como os eixos com valores na horizontal e vertical

– As cores estão colocadas aleatoriamente, não transmitem informação alguma

Informação demais, e redundante, atrapalha, é poluição visual.

Observe como o gráfico limpo, somente com o necessário, é muito mais agradável.

Vide outras dicas em:

Ver o post original

Perguntas certas, Ideias no Ar e Competição

Perguntas certas

Fazer perguntas é a parte essencial de qualquer melhoria. Primeiro, perguntas mais gerais, e ir testando respostas. Depois, afunilar para perguntas cada vez mais específicas e precisas.

Em geral, quanto mais técnica é a pessoa, mais ela vai precisar de uma pergunta bastante específica: “teste quanto a propriedade x do produto varia se a entrada estiver num range entre a e b”.

São raras as pessoas que conseguem fazer as perguntas corretas e guiar o time técnico para dar as respostas necessárias.

Como dizia Pablo Picasso: “Computadores são inúteis. Só dão respostas”.

Ideas are in the air

Uma grande ideia, um resultado expressivo no conhecimento humano, nunca vem sozinho. É preciso toda uma evolução global de pensamento, para permitir esses pequenos saltos na fronteira do que existe: essa é a teoria do Possível Adjacente.

As ideias estão no ar, e se não fosse um cientista a fazer a descoberta, outro a faria, cedo ou tarde. Basta ver que há uma enorme quantidade de inovações que tiveram pelo menos duas pessoas perseguindo, em paralelo:

  • Darwin x Wallace: Darwin entrou para a história com a Teoria da Evolução, mas Alfred Wallace quase vence a corrida. Ele tinha desenvolvido uma teoria similar. Wallace foi cavalheiro, ao saber da teoria de Darwin: o procurou e ambos publicaram seus trabalhos concorrentes praticamente juntos. Darwin entrou para a história, e ninguém conhece Wallace, hoje em dia.
  • Einstein x Hilbert: a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein, teve a concorrência de David Hilbert, um dos matemáticos mais brilhantes do século passado. Fosse um problema puramente matemático (e não físico), Hilbert venceria com certeza, pois era um matemático de ponta.
  • Watson x Pauling: na corrida para desvendar a estrutura do DNA, quem venceu foi James Watson (e com controvérsias, como ter tido acesso não autorizado às fotografias de Rosalin Franklin). Havia outro gigante atrás do prêmio: Linus Pauling, vencedor de dois prêmios Nobel. Talvez não fosse esse “atalho” citado, não teríamos os livros de ciência citando Watson & Crick, atualmente.
  • Santos Dumont x Irmãos Wright: essa é uma polêmica conhecida. Os americanos e parte do mundo dizem que os Wright inventaram o avião. Brasil e França, que foi Santos Dumont. Na verdade, centenas de engenheiros anônimos do mundo todo ajudaram a aperfeiçoar o avião, peça a peça, de modo que a “inovação estava no ar”, o avião era a bola da vez.

Idem para eletricidade (Edison x WestingHouse), automóveis (Ford x GM), e assim sucessivamente.

Trilha sonora: John Paul Young – Love Is In The Air
https://www.youtube.com/watch?v=NNC0kIzM1Fo

Competição entre cadeias

Will Durant disse, em seu livro “Lições da História”, que a natureza é competição. Existe cooperação entre grupos, só que a finalidade é que o grupo se sobresaia sobre outros.

Concorrência entre os indivíduos. Então foi ampliado, entre famílias. Depois foi ampliado, entre as comunidades. E assim por diante: concorrência entre empresas, entre cadeias de suprimento.

Nessa linha, é interessante notar que diversos grupos humanos têm “moeda” diferente, mas continua havendo a competição.
Nos negócios, a moeda é dinheiro. No meio acadêmico, reconhecimento e fama. No meio político, poder. Numa guerra, força bruta. Para indivíduos numa empresa, cargos e orçamento.

Um professor e aluno não concorrem, pela diferença de idade. É mais provável que se aliem, como um grupo maior, e que a concorrência seja individualmente entre professores da mesma área, alunos, e como grupo.

Veja também:

Algumas boas ofertas do Amazon Book Friday

O Amazon Book Friday 2022 vai do dia 18/08 ao dia 22/08, com ofertas em livros diversos.

Seguem algumas recomendações.

Box George Orwell, com três livros (A Revolução dos Bichos, 1984 e Dentro da baleia).

https://amzn.to/3QTGmDF

Rápido e Devagar, de Daniel Kahneman

https://amzn.to/3c3UD1M

Armas, germes e aço, de Jared Diamond

https://amzn.to/3QDfxUu

Roube como um artista, de Austin Kleon

https://amzn.to/3dHLL2s

Por fim, Storytelling com dados, de Cole Knaflic


https://amzn.to/3dFRWUC

Todos os livros acima são excelentes, e já comentei de boa parte deles neste espaço.

Boa leitura!

Veja também:

Winston Churchill, discursos para texto e texto para discursos no Office

O grande estadista britânico Winston Churchill foi fundamental na Segunda Grande Guerra. No início de 1940, a Alemanha tinha dominado boa parte da Europa continental (Polônia, Bélgica, França, e Itália era aliada), a Rússia era neutra e os EUA não tinham entrado na guerra.

A Inglaterra era a única grande frente de oposição à Hitler.  A liderança de Churchill, com seus discursos inflamados, levou o país a resistir com “sangue, trabalho, lágrimas e suor”, e “vitória a qualquer custo”.

Há diversos filmes sobre Churchill, como o “Destino de uma nação”. O que achei engraçado é que Churchill passava o tempo todo, seja de pijamas ou a altas horas da noite, ditando e pedindo para as secretárias lerem o discurso, até chegar num resultado satisfatório. Na época, datilógrafas furiosamente usando máquinas de escrever.

Passados oitenta anos, hoje em dia não é necessário ter um batalhão de secretárias para escrever e ler discursos. Qualquer ferramenta do Office pode ajudar.

No Word, para ditar o seu discurso, ir em Página Inicial – Ditar.

Vai aparecer uma caixinha de controle, e talvez autorização para usar o microfone. E aí, é só ditar que o Word vai redigir o texto.

Para fazer o oposto, ler algum texto, basta selecionar o trecho, clicar com o botão direito, e escolher “Ler em voz alta”. É possível controlar a velocidade, escolher a voz. Eu sempre uso, para revisão final de texto.

(Outra dica. Para selecionar tudo, CTRL-T)

O mesmo truque funciona no Excel, Outlook, Power Point.

Versões anteriores à 2019 não têm esse recurso. Uma solução é usar a versão on line do Office (www.office.com), que vai estar atrelada à sua conta do Office 365.

Com a ajuda de suas secretárias, além de ter liderado a Inglaterra a resistir até a entrada dos EUA e Rússia na guerra, Churchill escreveu livros sobre a Primeira e Segunda Guerras Mundiais, além de outros livros de história, e por isso, ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1953. 

“Nunca, nunca, nunca desista” – Winston Churchill

Para saber mais:

Winston Churchill, o homem que mudou o mundo (ideiasesquecidas.com)

Trilha sonora: Sacrifice – Elton John

(55) Elton John – Sacrifice – YouTube