Parabéns, Excel!

O MS Excel completou 35 anos no dia 30/09.

É o software de produtividade onipresente do mundo. Desde o estagiário no primeiro dia, até os diretores, todos usam o Excel de alguma forma.

Nas imagens: o Excel 1.5, o Visicalc (a primeira planilha eletrônica do mundo) e o titã Atlas segurando o mundo nas costas.

Semanalmente, eu posto dicas, problemas e alguns desafios relativos a Excel e VBA, no site a seguir.

https://ferramentasexcelvba.wordpress.com/

Fica a dica!

𝗦𝗮𝗯𝗲𝗿 𝘂𝘀𝗮𝗿 𝗼 𝗰𝗼𝗻𝘁𝗿𝗼𝗹𝗲 𝗿𝗲𝗺𝗼𝘁𝗼 é 𝘂𝗺𝗮 𝗶𝗻𝗼𝘃𝗮çã𝗼?

Quando falamos de inovação, logo vem à cabeça empresas como a Apple ou o Google. O problema é que essas estão muito longe de nossa realidade. O que eu posso fazer?

Resposta: Há muito a ser feito. A inovação está nos olhos de quem vê.

Usar um simples controle remoto pode ser uma inovação.

Há mais ou menos um ano, quando eu estava saindo, vi a porta da vizinha aberta. Uma senhora, deve ter quase 80 anos. Ela estava esperando o zelador, e me vendo, pediu ajuda.

Ela tinha mexido em algo, e a entrada da televisão tinha saído da antena para HDMI…

Para todos nós, é banal usar o controle. Para ela, foi uma grande descoberta saber quais os botões a apertar. Agregou valor à sua vida.

Não precisamos mudar o mundo. Basta melhorar a vida de uma única pessoa. Melhorar um único processo, aperfeiçoar um único produto. Rapidamente, a solução escala, e, quando a gente percebe, estamos mudando o mundo.

Veja também:

https://ideiasesquecidas.com/2018/09/16/por-que-segredo-da-inovacao-esta-no-ecossistema/

https://ideiasesquecidas.com/2020/07/12/6-livros-sobre-inovacao/


Ideias técnicas com uma pitada de filosofia

https://ideiasesquecidas.com/

Dica de inovação: eliminar a parte chata

Aqueles um pouquinho mais velhos lembram-se da Blockbuster.

Era uma experiência boa pegar o carro e ir à loja, sempre bonita, com a namorada, escolher um filme para o fim de semana. Tinha até pipoca para microondas e doces, como uma sala de cinema.

A parte ruim era devolver o DVD no dia seguinte. Desviar o rumo do trabalho ou da escola, perder meia hora de um dia cheio só para entregar o filme de volta…

Assistir o DVD é legal, devolver o DVD é chato.

Tem uma empresa americana que atacou a parte chata do problema. Que tal só devolver quando fosse pegar outro? E se a cobrança fosse por mensalidade?

A empresa é a Netflix, a mesma que hoje é onipresente. Ela demorou muitos anos para dar certo, porém, a mentalidade inovadora existia desde o começo.

Fazer compras é legal. Ficar numa fila enorme, para pagar, é chato. Que tal acabar com as filas? A Apple Store não tem fila. Qualquer atendente pode finalizar a compra.

Ficar entrando em diversos sites de companhias aéreas e hotéis para combinar opções de voos, horários e tarifas é chato. Os sites do tipo Decolar.com, que aglomeram informações, atacam este problema.

No cotidiano: Tarefas repetitivas são chatas. Hoje em dia, há softwares de automação de processos (RPA) que podem fazer a mesma tarefa em segundos.

Tarefas burocráticas são chatas. Que tal perguntar se são mesmo necessárias, ou sugerir mudança de procedimento?

Reuniões são chatas. Todas elas realmente precisam da sua presença?

Receber um e-mail com textão mal escrito é chato. Que tal caprichar na comunicação?

Todas as vezes que você se deparar com algo chato, lembre-se: eis uma grande oportunidade!

Um poeminha para fechar: Opportunity, de Berton Braley
https://www.poemhunter.com/poem/opportunity-43/

Sobre a história da Netflix:

https://www.bbc.com/portuguese/geral-38348864

O Super-Homem é uma mala sem alça

Ele é o mais forte do mundo, voa à velocidade da luz, tem visão de raios-X, é bonitão, namorada perfeita, nenhuma falha de caráter. Não há um único traço que o desabone. Ou seja, é insosso, boring, almofadinha, chato para dedéu.

Mais interessante é o Wolverine. Tosco, baixinho, tem um lado sombrio e tomou vários foras da Jean Grey.

Todos queremos nos vender como super homens – capazes de entregar os trabalhos mais difíceis, através de esforço sobre-humano, sem contrapartidas. Entretanto, não há nada mais humano do que assumir os seus pontos fracos – isto, pelo contrário, destaca as poucas qualidades que realmente temos em relação à média.

Aristóteles já dizia, em sua Poética, que o herói deve ter uma falha, cometer um erro e sobrepujar as dificuldades, para a história ser memorável.

O próprio Super-Homem é assim. Para a história ficar interessante, os roteiristas inventaram um ponto fraco, a Kriptonita.

Na verdade, é o contrário. A Kriptonita não é o ponto fraco do Super-Homem, e sim, o que o torna humano.

Porque super homens não existem.

Música tema – Superman – por John Williams.

Veja também:

A entrevista do jovem Fênix

Bônus: Sun Tzu, A Arte da Guerra. “Se o inimigo se defender à direita, ele estará vulnerável à esquerda, se ele se defender à esquerda, estará vulnerável à direita. Se ele se defender em todos os pontos, estará vulnerável em todos os pontos”.

O método Pomodoro

Uma dica para a quarentena: o método Pomodoro.

Nesta quarentena forçada, um dos maiores desafios é manter o foco em meio a inúmeras distrações (filhos, snacks, Twitter, e-mail, etc).

O método Pomodoro é muito simples. É inspirado num timer de cozinha, daqueles que podem vir na forma de um tomate.

Coloque o timer num tempo razoável (digamos, 25 minutos), e defina a tarefa a ser realizada neste tempo – um trabalho grande deve ser dividido em pedaços exequíveis no intervalo.

Acione o timer e foque em realizar a tarefa proposta. É proibido fazer outra coisa nos 25 minutos.

Quanto o timer zerar, faça um intervalo.

Para quem não tem um timer, há apps e cronômetro do celular.

Fiz um timer simples em Excel, se alguém preferir esta opção. Link para download: Timer.xlsb

Links:

Artigo sobre torre de controle

Publiquei um artigo na revista Mundo Logística deste mês, sobre a nossa Central de Monitoramento Logístico, com o apoio do time do projeto.

Foi um mega projeto que envolveu criar toda a infraestrutura de comunicação (torres e repetidoras), o software de gerenciamento de eventos e a inteligência matemática para distribuição dos veículos.

Estamos à disposição para compartilhar ideias a respeito.

Vide aqui:

https://www.linkedin.com/posts/arnaldogunzi_gest%C3%A3o-de-riscos-na-supply-chain-activity-6688949821178433536-J0z0

Do you know about Toastsmaster?

It is a high quality club, to improve skills on presentation and leadership.

I’ve just attended a Toastmasters meeting. I am impressed! Very impressed!

It was at Vila Olímpia’s club, an English speaking meeting.

http://toastmastersbrasil.org/

I saw almost perfect speeches of the members, regarding every aspect of a good presentation: posture, body language, grammar, voice, energy.

Time was controled by three lights (green, yellow, red) – it’s a good idea to copy.

The meeting was very well organized, and each member assumes a different role per meeting. Besides speeches, other goal is to develop leaders.

It is a club, so the own members are the ones responsible for the organization and feedbacks.

For the newbies like me, there are some development paths and a mentor.

The idea is to learning practicing, to achieve higher levels of quality. I highly recommend my friends to join a quality club like ToastMasters!

O gráfico da felicidade

O gráfico a seguir retrata a “crise da meia-idade”. É como um “U”: grande bem-estar quando criança, declinando até uns 40-50 anos, onde atinge o mínimo, e voltando a crescer a seguir.

Este gráfico é suportado por várias pesquisas e estudos. Porém, gosto mais da minha interpretação.

Quando criança, somos 100% expectativa e 0% realidade. Temos toda a liberdade do mundo para sonhar, sem compromisso algum, com toda a vida pela frente.

À medida que envelhecemos, a dura realidade vai tomando o lugar da doce esperança: faculdade, casamento, casa própria, boletos, mercado de trabalho, filhos.

Mais ou menos na meia-idade, nos damos conta que poucos dos sonhos se tornaram realidade, e não temos mais tempo para grandes novos sonhos…

Porém, a partir deste ponto mínimo, a percepção muda de novo. O negócio é aproveitar a vida, da forma que ela é. O que vier é lucro.

O grande filósofo alemão Nietzsche chamaria isto de “Amor Fati”: amor ao destino, a aceitação integral da vida.

Trilha sonora: In my life – The Beatles

Alguns links:

Quando – Daniel Pink

https://pt.wikipedia.org/wiki/Amor_fati

Roube como um artista e mostre o seu trabalho!

Tenho o hábito de ler livros durante voos.

Esses são dois livrinhos bons para ler durante uma viagem, por serem leves e rápidos, diretos ao ponto.

Roube como um artista e Mostre o seu trabalho são livros do criativo autor Austin Kleon, e contém boas ideias (a serem roubadas) e reflexões sobre como mostrar o seu trabalho.

Link da página do autor, o “escritor que desenha”:

https://austinkleon.com/

Fica a dica.

ROI² – Retorno sobre Intelecto Investido

O ROI² é para um trabalhador do conhecimento o que o ROI é para uma empresa.

O ROI – Return Over Investment – é um excelente indicador para projetos em empresas. Este indicador mensura o retorno obtido sobre o investimento realizado, a fim de comparar com outros investimentos possíveis – ou seja, comparar com o custo de oportunidade.

Para trabalhadores do conhecimento, pessoas como nós, faz sentido adaptar o indicador para Retorno sobre Intelecto Investido – ROII ou ROI². Quanto estamos sendo desafiados em nosso dia-a-dia, em relação ao nosso potencial de criação.

Se o ROI² for baixo, há algo de errado. Isso porque a Educação é o investimento social mais caro que existe. Uma pessoa com pós-graduação passou cerca de 20 anos de estudos formais, além de cursos complementares e aprendizado a vida toda. Não há máquina ou inteligência artificial que consiga superar a capacidade criativa de uma pessoa, e nunca haverá.

O custo de oportunidade é o quanto poderíamos estar produzindo em algum outro lugar, ou com atividades complementares – hobbies, trabalho voluntário, etc.

De forma geral, uma pessoa capacitada deve maximizar o ROI².

O mundo precisa de pessoas brilhantes. O mundo precisa de ROI², mais do que de ROI.


Ideias técnicas com uma pitada de filosofia:

https://ideiasesquecidas.com/

Um trabalho ruim custa o dobro do preço de um trabalho bom

Um trabalho ruim é menos demandante do que um trabalho bom, talvez uns 50% a menos – em termos de qualidade de materiais, esforço, tempo de projeto e know how das pessoas envolvidas.

Entretanto, o trabalho bom vai atingir os seus objetivos com maior acurácia e durar muito mais tempo.

Enquanto isto, o trabalho ruim vai ter que ser refeito, na melhor das hipóteses, ou completamente descartado, retornando à estaca zero.

O trabalho ruim certamente sairá mais caro no final, contando o ciclo de vida inteiro, e não apenas o esforço inicial.

Ação: Faça o melhor trabalho possível, não importa o quão pequeno ele seja.

Gosto muito das palavras de Peter Drucker, sobre a busca obstinada da perfeição em seus trabalhos. Ele conta a história a seguir.

Fídias foi o maior escultor da Grécia Antiga, responsável por obras que ainda hoje estão no teto do Parthenon, em Atenas, e são consideradas as maiores esculturas da tradição ocidental.

As estátuas foram admiradas universalmente, mas quando Fídias apresentou a conta, o contador da cidade se recusou a pagá-la. “Estas estátuas estão no alto do templo, e no monte mais alto de Atenas. Ninguém pode ver nada, exceto a parte frontal dela. Entretanto, você está cobrando pela escultura toda, ou seja, por esculpir a parte de trás, que ninguém pode ver”.

“Engano seu”, Fídias retorquiu. “os Deuses podem vê-las”.

Trecho de “O melhor de Peter Drucker: homem, sociedade, administração”


Ideias técnicas com uma pitada de filosofia:

https://ideiasesquecidas.com/

Denso, QR code e inovação

Hoje passei na frente da fábrica da Denso, em Santa Bárbara do Oeste, interior de SP. Eu estava indo para Piracicaba, falar de inovação e startups para grupo de alunos de um programa florestal.

A Denso é uma excelente referência de inovação. Um dos produtos desta empresa está presente no dia-a-dia de todos nós, o QR code (quick response code).

O QR code foi criado para resolver um problema interno: identificar as peças fabricadas de forma rápida, precisa e confiável.

Interlúdio: Crie o seu QR code aqui https://createqrcode.appspot.com.

A Denso é uma fabricante japonesa de peças para a Toyota. Os carros da Toyota são referência em termos de qualidade. Um Toyota não quebra, não tem peças soltas, não tem acessórios inúteis. Cada detalhe é pensado. Os carros têm um custo baixíssimo de manutenção e qualidade altíssima – e, assim como a Apple, a Toyota tem fãs incondicionais no mundo tudo (este escriba incluso). Tal padrão de qualidade se estende, obviamente, aos fornecedores de peças do carro.

E qual o problema com um código de barras comum? Daria para usar aquele código de barras dos produtos do supermercado?

Resposta: Não. O código de barras tradicional tem uma limitação de 13 caracteres. Só isso. Não dá para colocar muita informação em 13 caracteres…

A ideia dos engenheiros japoneses foi criar um código de barras bidimensional, a fim de maximizar a quantidade de informação presente na área da imagem. Os quadrados grandes concêntricos em três lados são a referência, para corrigir o ângulo da foto tirada.

Há alguns tipos de QR code. O mais comum, o de cima, tem espaço para 1167 caracteres. Ou seja, o QR code é um código de barras denso, para fazer um trocadilho infame.

Por fim, o QR code tem licenciamento aberto. Todo mundo pode usar sem pagar nada. A ideia pegou, e hoje dominou o mundo.

Mas, e daí? Qual a moral da história?

A moral da história é que uma empresa de peças criou um produto de tecnologia adotado no mundo todo. Não foi uma empresa de tecnologia, não foi uma startup badalada do Vale do Silício.

É permitido criar dentro da indústria. O core business não é só o produto final, mas o processo como um todo. Use a sua criatividade, o mundo precisa de soluções!

No Brasil, vejo uma “trava” cultural.  Parece que os funcionários de grandes empresas não podem criar os seus próprios produtos e seus próprios modelos. A grande empresa prefere comprar soluções prontas de empresas terceiras e consultorias especializadas.

Vejo grandes engenheiros exercendo funções de burocratas nas grandes empresas. Quem permanece com a mão na massa, desenvolvimento de verdade, normalmente fica num nível técnico ou numa carreira “Y” que funciona em poucos casos.

Não é assim em todo lugar, porém é muito comum. Por que não mudar esta mentalidade? É possível criar muita coisa.

Provocação: por que uma indústria brasileira não é capaz de criar uma inovação mundial como o QR code?



Veja também: Make and buy

Ideias técnicas com uma pitada de filosofia:

https://ideiasesquecidas.com/

Links:

https://www.qrcode.com/en/history/

https://www.qrcode.com/en/codes

https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%B3digo_de_barras

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/07/fabricante-japonesa-denso-inaugura-nova-unidade-no-brasil.html

https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:6502296859363590144/