​ Três táxis em duas cidades

Hoje tomei três táxis (ou uber) em duas cidades diferentes.
 

Com dois dos três motoristas, eu informei a minha localização, o destino desejado, e chamei o carro. Disse “Bom dia” ao motorista e só.

 

O motorista apenas seguiu a indicação do Waze, Gmaps ou equivalente. Chegamos sem maiores problemas e nem precisei desembolsar dinheiro, pois foi no cartão de crédito.

 

O motorista não precisou saber o destino. Não precisou traçar o melhor caminho. Não precisou nem conversar comigo. Ele foi apenas um autômato humano conduzindo o carro. Tal situação era impensável, há alguns poucos anos.

 

Lamento informar que, em poucas décadas, nem isso ele precisará fazer. Com muita probabilidade, os carros autônomos farão este papel.

 

google-waymo-fca.jpeg
 


O terceiro motorista também começou com um “Bom dia”. Mas este não usou GPS. Disse que o caminho normal tinha muito trânsito, e foi por um alternativo. Deu uma volta imensa, maior do que o necessário. Talvez tivesse sido por ignorância do melhor caminho. Talvez má fé. Mas, de qualquer forma, tenho convicção de que ele “perderia” para o Waze, ou seja, inteligência humana perdendo para algoritmos computacionais.

 


Como ficarão os empregos do futuro? Hoje, há uma quantidade gigantesca de pessoas trabalhando com transporte de pessoas e de cargas, mas os tempos estão mudando.

 

Há uma quantidade maior ainda de pessoas trabalhando em empregos de escritório que são rotineiros, e portanto, passíveis de serem substituídos por algo minimamente (ou artificialmente) inteligente.

 

Tudo o que é puramente mecânico, como apertar parafusos, já foi substituído por máquinas. Agora, tudo o que é rotineiro, repetitivo, e envolve pouca decisão humana tende a ser substituído por softwares.

 

Há uma série de economistas, como George Zarkadakis e Tyler Cowen, que apontam para um aumento da desigualdade econômica. No futuro, cada vez menos pessoas terão capacidade de fazer o seu salário valer o valor adicionado ao produto ou serviço. Os poucos que conseguirem serão tremendamente mais produtivos que hoje. E haverá uma massa cada vez maior de “perdedores” deste jogo, que terão que se contentar em empregos em serviços (cabeleireiro, jardineiro, padeiro), que são muito difíceis para uma máquina e também são economicamente inviáveis de serem substituídos.

 

Bom, ninguém sabe exatamente como vai ser o futuro, mas podemos nos precaver de cenários possíveis.

 

As máquinas (ainda) não conseguem substituir a criatividade e a eficácia. Alguém precisa dizer a elas o que deve ser feito, e como ser feito, para que elas simplesmente façam com eficiência. As máquinas são mais eficientes do que o ser humano em fazer  muito bem a mesma coisa. Mas os seres humanos são e serão, por um bom tempo, mais eficazes.

 

E como ser mais eficaz? Estudando muito, trabalhando muito (e com qualidade), buscando aperfeiçoamento contínuo, questionando tudo, lendo os artigos deste blog – não há uma fórmula perfeita.

 

Quem sabe, daqui a uns 15 anos, eu entre num táxi, com uma identificação via smartphone, com a rota escolhida pelo Waze. E eu nem precise mais falar “Bom dia”…

 


Trilha sonora: Bob Dylan, “Os tempos estão mudando” – “The times they’re a-changing”.

​Por que escrevo tão bem?

Prelúdio. Por que escrevo tão bem?

Mas que sujeito arrogante! Afirmar que escreve tão bem!

Na verdade, a frase acima é da autoria do grande filósofo alemão Friedrich Nietzsche. Ele tem um estilo poético, aliado a ideias contundentes. É um artista que usa uma martelo, e cuja habilidade é a de destruir as mais profundas convicções que temos: a moral, a bondade, a filosofia, o cristianismo.

ecceHomo

Nietzsche escreveu capítulos como “Por que sou tão inteligente” e “Por que escrevo bons livros”, num livro autobiográfico chamado “Ecce Homo”. Ecce Homo vem do latim, algo como “Eis o homem”. Em bom português, imagino que ele quis dizer “Esse é o cara”. Nota-se que Nietzsche é alguém para ser extremamente amado ou extremamente odiado, não tem meio-termo.

O título real deste ensaio seria “Por que escrevo este blog”.


Ato 1. Por que escrevo este blog

Por que escrevo este blog, e por que escrevo tão bem (adotando a provocação de Nietzsche)? Há algumas respostas. Uma delas: tenho algo a dizer.

Há tantas ideias porcarias espalhadas por este mundo, que as pessoas às vezes podem se deixar levar por elas, somente pelo fato de não terem a chance de ouvir ideias antagônicas.

lighthouse

Ideias são como faróis luminosos. Há faróis grandes e brilhantes, que alcançam um grande número de pessoas. E há faróis retransmissores, menores, menos brilhantes, que têm menos alcance. Até mesmo o maior e mais brilhante farol precisa da ajuda desses retransmissores, porque a luz se dissipa no tempo e no espaço. Cada um de nós é um desses faróis, temos o nosso valor ao retransmitir ideias que valem a pena ser compartilhadas.


Ato 2. Ensinar e aprender

Outro motivo para escrever é o de aprender. A melhor forma de aprender não é estudando, mas sim fazendo, praticando, ensinando. E a minha forma de ensinar é através da palavra escrita.

Para tentar criar bons argumentos, tenho um checklist. Alguns dos critérios:

  • Sempre agregar valor em textos curtos
  • Inserir alguma história que aconteceu comigo ou alguma ideia minha, para criar um ponto de vista inédito
  • Criar um “Flow”, um fluxo, um encadeamento natural de ideias do início ao fim.

Citando o grande professor Otávio Manhães (do ITA):

“Se eu não conseguir ensinar física quântica para uma empregada doméstica, não sou um bom professor”.


Ato 3. Ilhas de conhecimento

Minhas anotações em cadernos sempre foram tão bagunçadas que não serviam para nada. Ao contrário, escrever aqui é uma forma de organizar e registrar ideias. Indexar conhecimento.

Cada texto é como se fosse uma ilha, uma ilha de conhecimento. E cada comentário das pessoas que leem esses textos são novas ilhas de conhecimento. Conectar ilhas diferentes leva a novos insights. Com isso, estarei preparado quando preciso. Por exemplo, quando surgiu um convite da revista Opiniões (aqui neste link) para falar sobre planejamento florestal, eu já tinha um texto-base para guiar o texto final.

Eu gosto da imagem de ilhas de conhecimento, se conectando através de pontes de imaginação, formando novas ilhas de aplicações e continentes de inovações. Já o pesquisador Steven Johnson criou o termo “possível adjacente”. A ideia é que inovação não ocorre em saltos, mas expandindo os limites do conhecimento existente.

adjacent-possible


Epílogo.

Para fechar, uma citação adaptada de Carl Sagan, dedicada às pessoas com quem discuti conceitos, ideias, teorias, percepções, aplicações.

Diante da imensidão do tempo e da vastidão do espaço, foi um prazer encontrar cada um dos meus amigos nesta época, neste planeta.

​Não bastava uma cena boa. Tinha que ser espetacular

Uma das cenas mais memoráveis da história do cinema é a abertura do filme 2001 – Uma Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick. O filme data de 1968 e desde então tornou-se um dos clássicos do cinema.
2001.jpg
A abertura citada é tão poderosa que ficou uma semana ecoando na minha cabeça.
E até hoje, ao relembrar dela, vejo a estrela surgindo atrás do planeta, e a trilha sonora ecoando em meus ouvidos.
Uma história curiosa. O ultra perfeccionista diretor Stanley Kubrick tinha encomendado a trilha sonora do filme ao compositor Alex North, com quem tinha trabalhado anteriormente em Espartacus.
Alex North era um compositor extremamente talentoso. Por exemplo, ele é o autor de  “Unchained melody”, aquela do filme “Ghost, do outro lado da vida”.
Pois bem, North deu o melhor de si para fazer o soundtrack do filme.
Eis a abertura do filme com a composição de North.

Porém, ao assistir à premiere do filme, North teve uma surpresa. Kubrick não tinha usado nenhuma de suas músicas na versão final do filme. O diretor preferiu utilizar as músicas “guia” indicadas para inspirar a composição da trilha sonora. North ficou completamente devastado…
Kubrick poderia ter sido um pouco mais humano, é claro. Mas, certamente, fez a escolha certa. O bom não bastava. Tinha que ser espetacular. Ele utilizou a pouco conhecida (na época) música “Assim falou Zaratustra”, do compositor alemão Richard Strauss. Tons grandiosos, fortes. Apenas cinco notas, mas que notas! Ao fundo, uma estrela ascendente no espaço infinito.
Não adianta explicar. Tem que assistir, de preferência ao filme todo:

2001 é frequentemente citado como um dos 50 melhores filmes de todos os tempos. Criou uma legião de admiradores em todo o mundo desde então.
Até no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) tem uma menção ao filme de Kubrick. O salão negro tem um mural, onde tem um astronauta, uns planetas, e um… monolito voando…
salaonegro.jpg
Notas
“Assim falou Zaratustra” é um livro espetacular de Friedrich Nietzsche, um dos gigantes do século XIX, obra que inspirou a composição de Richard Strauss. Ou seja, é gênio atrás de gênio.
Outra cena fabulosa é a “valsa das estrelas”, que utiliza outra música clássica, a valsa Danúbio Azul. É hipnotizante.

​ A resposta correta no fim do livro

Do primeiro dia do pré primário até o último dia da pós-graduação, tive um único modelo de ensino: há uma resposta errada (a minha) e há uma resposta correta, aquela no fim do livro.
 

O professor está sempre correto, e a resposta do fim do livro é sempre perfeita. Se a minha resposta for diferente, tenho que rever os cálculos até chegar na mesma resposta.

 

Mesmo se a resposta for igual, mas a minha técnica for diferente, tenho que aprender a chegar ao final pelo mesmo caminho.

 

Mas, e se resposta correta do fim do livro estiver errada?

 

O mundo muda. As hipóteses mudam. As regras mudam. O futuro será diferente do passado. 99% dos pensadores que escreveram as respostas corretas dos livros já estão mortos.
 
O mundo dos livros é o das regras explícitas. No mundo real, as regras são implícitas – não estão escritas em livro algum, devem ser descobertas. Para cada regra explícita há 1000 regras implícitas.
 
Todo o conhecimento contido nos livros está no passado. Já era. Já funcionou e não vai funcionar de novo. O próximo Google não virá de um sistema de busca melhor. A próxima Amy Whinehouse não terá o mesmo estilo musical. O próximo Einstein não descobrirá a Teoria da Relatividade (e nem o paradoxo do pretérito imperfeito complexo com a Teoria da Relatividade, rs!).

 

O desbravador deve explorar o mundo até o limite do mapa. A seguir, jogá-lo fora e partir por um caminho nunca d’antes trilhado, o seu caminho.

 

Em uma frase: Encontre a resposta certa que não está no fim do livro.

 

Inovadores são os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os que são peças redondas nos buracos quadrados.
Steve Jobs.

 

 
Navegadores antigos – Fernando Pessoa
 

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa:

“Navegar é preciso;  viver não é preciso”.

Quero para mim o espírito desta frase,
transformada a forma para a casar como eu sou:

Viver não é necessário;  o que é necessário é criar.
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.
Só quero torná-la grande,
ainda que para isso tenha de ser o meu corpo e a (minha alma) a lenha desse fogo.

Só quero torná-la de toda a humanidade;
ainda que para isso tenha de a perder como minha.
Cada vez mais assim penso.

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue
o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir
para a evolução da humanidade.

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

O ladrão de ideias

Propriedade privada

Vi num livro que o filósofo inglês John Locke (1632-1704) foi o criador do conceito de propriedade privada. Antes dele, o dono das terras era o rei. Mas por que o rei era o dono de tudo? Não era por acaso. O rei era o representante de Deus na Terra. Deus era o dono das terras, e o rei era meio que o “administrador”.

Tudo mudou com John Locke. Ele fundamentou a ideia de que a propriedade da terra poderia ser de um ser humano comum, com a teoria do valor e propriedade. “A posse de produtos e propriedades é justificada pelo trabalho exercido para produzir tais produtos benéficos à sociedade”.

E o Rei? O Rei deveria garantir a propriedade privada do indivíduo, em troca dos impostos e obrigações do cidadão. Garantir segurança jurídica neste contrato social entre o Estado e Indivíduo.

Legal, não? Mas será que Locke teve esta ideia sozinho? Ele estava sentado, e a ideia surgiu do nada em sua cabeça?

Não. Nunca é assim.

Por experiência própria, as ideias não surgem na cabeça de uma pessoa. As ideias estão no ar, uma parte na mente de uma pessoa, outra parte na mente de outra, outra parte em livros antigos, etc… E, muitas vezes, a pessoa que consegue colocar a ideia no papel leva os créditos, mas é somente um “ladrão de ideias”. Locke deve ter conversado com diversas pessoas para chegar à esta teoria. Entretanto, o crédito ficou com ele, porque a história não consegue registrar todas as pessoas que participaram da construção da ideia.


Um autêntico ladrão de ideias

Eu mesmo já levei muitos créditos por ideias que não eram minhas, sou um autêntico ladrão de ideias.

Por exemplo, teve um colega que tinha a percepção de que o estoque de material tinha baixado demais, e que a empresa tinha corrido um grande risco com isto. Simplesmente testei a percepção dele com histórico real e fiz algumas projeções numéricas de cenários, para concluir que realmente ele estava certo. Apresentamos o trabalho, que foi bem elogiado. Este colega sozinho não conseguiria fazer este estudo, por ele não dominar a técnica suficiente para colocar o trabalho no papel, mas sem ele, este estudo nem começaria.


Catalisador de ideias?

Talvez um “catalisador de ideias” seja um termo mais polido. Catalisador, das aulas de química, é um elemento que ajuda numa reação química, porém não toma parte dele.

Um exemplo famoso é o da camada de ozônio da atmosfera, que nos protege dos raios ultravioleta.

Duas moléculas de ozônio (O3) se decompõe em 3 de oxigênio (O2):

2 O3 3 O2

Mas se é isso, por que proibiram produtos com clorofluorocarbono nos anos 90?

Porque o cloro atua como um catalisador. Ele facilita a decomposição do ozônio em oxigênio:

Cl + O3 → ClO + O2
ClO + O3 → Cl + 2 O2

O cloro entra, ajuda a transformar o ozônio em oxigênio e sai da mesma forma que entrou, ou seja, pode ser reaproveitado para ajudar em milhões de reações deste tipo.

Um corretor de imóveis é um catalisador. A equação final é: vendedor vende e o comprador compra. Mas, é mais fácil o vendedor contatar um corretor, o comprador contatar um corretor, e o corretor fazer o link. Atualmente, com sites eletrônicos, só mudou a figura do corretor: ao invés de um ser humano, é um site.

Um mediador de conflitos é um catalisador. Um caso famoso é o de William Ury, que intermediou a briga entre Abílio Diniz e o grupo Casino pelo controle da empresa Pão de Açúcar.

Mas “catalisador de ideias” não é um bom termo. Porque um catalisador não faz nada. É fraco. Já “ladrão de ideias” é mais forte. Um ladrão tem que ter uma técnica, fazer um trabalho e ter uma intenção de chegar em algum lugar. Não tem que pedir, tem que roubar mesmo.


Da propriedade

Imagino John Locke, andando no mercado, e ouvindo o feirante: “Moro na minha casa há 20 anos, e o Rei me despejou para construir uma estrada. Desmatei, fiz a terraplanagem do terreno, construí tudo, e saí de mãos vazias. Por que a minha terra não é minha?”.

Agora, discutindo com algum colega especialista em direito: “Mas se a propriedade é do cara, ele é uma espécie de rei daquele pedaço de terra. E se ele for o rei daquele pedaço de terra, por qual motivo teria alguma lealdade ao Estado, ao rei de verdade?”

Agora, lendo obras como o Leviatã de Thomas Hobbes: a vida do ser humano é brutal, curta, miserável, e que necessitamos de garantias de que os contratos feitos, assim como os direitos, sejam garantidos. Para isto, cedemos parte de nossos direitos ao Estado.

Por fim, imagino Locke redigindo sua própria teoria, juntando elementos cá e lá de forma coerente, colocando no papel ideias que estão no ar, e construindo uma obra que viria a ser referência para muitos outros ladrões de ideias!

Nota: Jean Jacques Rousseau não foi citado porque ele é posterior à Locke, ou seja, ele roubou algumas das ideias descritas para desenvolver seu conceito de Contrato Social.

“Bons artistas copiam, grandes artistas roubam” – Pablo Picasso

Les_Demoiselles_d'Avignon.jpg


Links

https://en.wikipedia.org/wiki/John_Locke
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ciclo_oz%C3%B4nio-oxig%C3%AAnio
https://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_Hobbes

Abílio Diniz x Casino
http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2015/06/william-ury-quando-nos-influenciamos-fica-facil-influenciar-os-outros.html

​ O maior trote científico da história

“Treino é treino, jogo é jogo”, já dizia o ditador popular futebolístico.
 

treinoetreino-468x630.jpg
 

Num treino ninguém tem o mesmo nível de seriedade, de stress, de um jogo de verdade.

 

Agora, imagine um time que tem um jogo a cada dez anos. Mas este jogo pode ocorrer a

 

qualquer momento, inesperadamente. Ou seja, para ganhar tem que estar preparado. Mas como se preparar só treinando, sem jogar?

 

É mais ou menos isso que acontece em alguns eventos da vida real. Uma oportunidade de uma vida surge em um momento, e quem estará preparado para tal?

 


 
LIGO
 
O mesmo problema aconteceu num dos maiores projetos do mundo contemporâneo: o Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory (LIGO), que detectou as ondas gravitacionais de Einstein. A história completa encontra-se neste link: http://nautil.us/issue/42/fakes/the-cosmologists-who-faked-it, pelos pesquisadores Jonah Kanner e Alan Weistein, e a solução deles é surpreendente.

 

O projeto LIGO foi construido para capturar as tais ondas gravitacionais de Einstein. Elas tinham sido previstas há 100 anos, mas até o momento ninguém havia conseguido construir equipamentos sensíveis o suficiente para captá-las.
 
O LIGO consiste em 2 detectores gigantescos em formato de L com braços de 4 km, mantendo vácuo interno, e com espelhos refletindo raios laser, ao custo de alguns bilhões de dólares.

 
 
ligo-Aerial5.jpg
 
Portanto, imagine o problema. Um equipamento gigantesco, projetado para capturar onduletas minúsculas a bilhões de anos-luz de distância, sem que ninguém saiba exatamente se elas serão mesmo capturadas, quando aparecerão, e qual o formato delas… É a situação descrita, de treinos eternos por dezenas de anos, até que um dia pode (ou não) ter o jogo real.
 


O “trote”
 
A solução: aplicar um “trote” em si mesmos.
 
Em 2009, os pesquisadores criaram um mecanismo na qual uma equipe pequena (5 pessoas) poderia criar um evento falso. Eles poderiam adicionar secretamente um sinal simulando a tal onda gravitacional, e enganar o resto do time. Esta equipe secreta deveria manter sigilo absoluto nesta operação, sendo que nem a alta gerência poderia saber se a informação detectada era fake ou não.
 
Ligowaves.jpg
 
Toda a equipe de pesquisa sabia que havia a possibilidade de sinais falsos serem propositalmente gerados, mas não saberiam se um sinal específico era verdadeiro ou falso. Este mecanismo é muito bom, porque obriga que os pesquisadores façam um check duplo, triplo, quádruplo, em todas as hipóteses imagináveis: erro nos sensores, ruído vindo de alguma outra fonte, problemas mecânicos nos equipamentos, erros de interpretação, etc… Seria uma forma de policiar a si mesmos, já que é muito fácil cometer um erro nesta situação.
 
Eis que, em setembro de 2010, o LIGO captou um sinal. Era um sinal diferente de todo ruído terrestre até então captado. Os pesquisadores se movimentaram, concluíram que era um evento estranho, e passaram a investigar o mesmo a fundo. Chamaram este sinal de “Cachorro Grande”, por esta ter ocorrido na direção da constelação de “Canis Major”.
 
Assim, pelos próximos 6 meses os pesquisadores diretamente ligados ao LIGO, e uma rede de mais de 700 pesquisadores ao redor do mundo, passaram a investigar todos os detalhes do evento “Cachorro Grande”. Seria um erro de medida? Seria isto real? Haveria problemas no hardware? Erro de interpretação? Como fazer para tanta gente assim concordar com as conclusões de uma investigação tão fora da realidade quanto esta?
 
Em março de 2011, após infindáveis discussões, eles tinham fechado um artigo descrevendo o evento de detecção de ondas gravitacionais. Um grupo de mais de 300 cientistas se reuniu num hotel na Califórnia, com mais algumas centenas conectados pela internet, e votaram a submissão do artigo para uma revista científica. Após inúmeros discursos, contestações, divagações, eles finalmente aprovaram a publicação do artigo.
 
Então o diretor do Laboratório LIGO, Jay Marx, tomou o palco. Ele estava carregando um envelope no seu bolso havia seis meses. O envelope continha a verdade, sobre os dados serem falsos ou não. Seria a diferença entre um prêmio Nobel ou alguém rindo da cara deles. E, finalmente, ele abriu o envelope, para dizer que esses dados eram falsos, injetados artificialmente.
 
Os pesquisadores abriram champanhe, assim mesmo. Se o jogo não foi jogado, pelo menos tinha sido um treino da mais alta intensidade, capacitando-os para um futuro jogo real.
 


O Jogo Real
 
Cinco anos depois, no final de 2015, os detectores do LIGO captaram um sinal diferente de tudo o que já tinham visto antes.
 
Eles tomaram como base o checklist e os questionamentos do trote de 5 anos atrás, para a checagem de tudo o que seria possível. E o sinal passou por todos os critérios. Desta vez, não era um trote programado. Eram as ondas gravitacionais, com nível de confiança de 99.9999 porcento.
 
Cinco meses depois, eles tinham plena confiança de que finalmente tinham conseguido detectar as tais ondas gravitacionais. Após algumas dezenas de publicações, (https://www.ligo.caltech.edu/page/detection-companion-papers), eles anunciaram publicamente a descoberta das ondas gravitacionais (e o ponto alto de suas carreiras é que ganharam um post neste blog, sobre as ondas gravitacionais, clicando aqui).
 
Como se preparar para um grande jogo, que acontece esporadicamente ou nem venha a acontecer? Uma das formas é com simulações do jogo, assim como fazemos simulados de cursinho para o vestibular.

  

Não podemos errar x Precisamos errar mais

Num projeto de inovação, um colega tem a opinião de que “não devemos errar”. “Tudo deve ser perfeito, para não causar problemas”. E usa este argumento para exigir um mapeamento completo do processo, desenvolvimento pleno da solução antes de testar, etc…

Sou da opinião contrária. Devemos errar. Devemos tentar e errar muito. E estarmos sempre dispostos a resolver rapidamente os problemas.
Na prática é impossível não errar. O único jeito de não errar é não fazer. Não podemos deixar que o medo de errar paralize a inovação.
Resumindo em uma frase: O ótimo é inimigo do bom.

O erro deve ser rápido, barato e fácil de consertar rapidamente. E, para isto, a metodologia do Design Thinking é uma boa aliada.
designthinking.jpeg
Seus pilares são Empatia, Colaboração e Prototipagem rápida. Empatia é entender o que o cliente realmente quer. Colaboração entre áreas distintas e antagônicas para buscar ideias de diversas visões possíveis. E prototipagem rápida para testar conceitos, e permitir  aprendizado a baixo custo e em pouco tempo.
O protótipo pode ser algo tão simples quanto uma planilha Excel estruturada, um vídeo, uma página na internet somente com os pontos principais, uma ideia de produto feita de Lego ou canudos de construir.
Legos.jpg
strawbee4

Erros
Já dizia Peter Drucker, o pai da Administração: “Aqueles que se arriscam cometem dois grandes erros por ano. Aqueles que não se arriscam, também cometem dois grandes erros por ano”.

O Grande Prêmio de Nevada de veículos autônomos

Este post é um resumo do que aconteceu no Grande Desafio de veículos autônomos (veículos sem motorista, driverless cars, self driving cars) da DARPA, em 2005, tomando como referência o documentário da agência que consta nos links ao final deste texto.

Driverless_1.jpg

O desafio consistia em construir um veículo totalmente autônomo, para fazer um percurso de 230 quilômetros no terreno irregular do deserto de Nevada, em menos de 10 h. A recompensa, US$ 2 milhões.

A DARPA é a agência de projetos de pesquisas avançadas do departamento de defesa dos Estados Unidos.

Na verdade, esta história começa um ano antes. Em 2004, houve o primeiro desafio de veículos autônomos da Darpa. Mesmo percurso, mesmas regras. Só que ninguém terminou o trajeto. O veículo que foi mais longe foi o Sandstorm, da equipe Vermelha, da Universidade de Carnegie Melon: apenas 11 quilômetros. Todos os veículos tiveram algum problema: quebraram, tombaram após sair do caminho, pegaram fogo, etc.

Sandstorm.jpeg
Sandstorm

Alguns veículos participantes:

veiculo4veiculo5veiculo6

Como o desafio do ano de 2004 foi meio que um fracasso, a DARPA decidiu fazer outro desafio em 2005, um ano e meio depois. E agora, os times estão determinados a vencer.

veiculoTombado.jpeg
Veículo tombado no desafio de 2004

O Grande Desafio de 2005

Conheça os participantes.

Redwhittaker.jpeg

A Equipe Vermelha é a comandada por Red Whitaker, da Universidade Carnegie Mellon. Ele é um veterano da robótica, tendo feito trabalhos brilhantes em automação. Whitaker é um homem ambicioso, duro, agressivo. Quer ser o primeiro, e não vai medir esforços para tal. Chama o time Vermelho de “Exército Vermelho”. Ele lidera um pavilhão de engenheiros, mecânicos e programadores, e exige cada gota de suor de seu time.

Para aumentar a chance de vencer a corrida, Whitaker vai correr com dois carros: o veterano Sandstorm, do desafio do ano anterior, e o novo veículo Highlander.

highlander.jpeg
Highlander
  • O filho mais novo tem a mesma personalidade do pai: agressivo, forte, grande. Malvadão.
  • Já o veterano é mais fraco, mais prudente. Projetado para ao menos terminar a corrida.

Um problema que ocorrera no ano anterior foi que os sensores conseguiam enxergar de perto, mas não tinham muita condição de ver um pouco mais longe. Então, para este ano, a equipe vermelha incorporou sensores de longa distância para compensar esta falha.

Whittaker comanda um batalhão de mais de 100 pessoas, com um orçamento de 3 milhões de dólares, e tem como objetivo vencer a corrida com um dos dois carros.

O segundo grande concorrente é Sebastian Thrun, da Universidade de Stanford.

sebastianthrun.jpeg
Sebastian Thrun

Ele é calmo, dócil, bem intencionado e genial. Foi parceiro de Red Whittaker por muito tempo, na Universidade Carnegie Melon. É especialista em aprendizado profundo de máquinas, e desenvolveu robôs inteligentes que ajudam velhinhos, pegam bolas de tênis, exploram o fundo do mar.

Obviamente Thrun quer vencer a corrida, mas principalmente quer contribuir para o avanço da tecnologia.

O foco de Thrun é o software, não o hardware, ao contrário da equipe vermelha que tem um grupo focado só na mecânica e outro só nos sensores. O cérebro, não os músculos. Thrun conseguiu com a Volkswagen um veículo cheio de servo-motores controláveis por computador, e o batizou de Stanley, que é um diminutivo de Stanford.

stanley.jpeg
Stanley

Stanley tem os sensores mais simples possíveis. Não tem nenhum sensor que se move, para não quebrar.

Nem todos os veículos são carros. A máquina mais leve da competição é a motocicleta autônoma “Ghost Rider”, criada por um cara chamado Anthony Lewandowiski (será que é parente do juiz do STF?).

autonomousbike.jpg
Motocicleta autônoma Ghost Rider

Aliás, Ghost Rider é um bom nome. Para quem não sabe, o Motoqueiro Fantasma da Marvel Comics é um sujeito com cara de caveira, todo dark e cheio de correntes, numa motocicleta em chamas. Toda essa pose radical, e ele é bonzinho por dentro. O Motoqueiro Fantasma olha para os bandidos e faz eles se arrependerem de seus atos ruins, haha.

GhostRider.jpeg

O caminhão autônomo, um monstro comparado aos outros, é criação do time Terramax.

teamTerraMax.jpeg
Caminhão autônomo Terramax

O time é formado por um fabricante  de caminhões para situações extremas, para fins militares. Por exemplo, um caminhão anfíbio, que entra na água e vai embora.

Fora esse pessoal, a competição teve mais 19 finalistas, cada um com o seu veículos, suas técnicas, os seus sonhos de glória.


Corrida classificatória

O primeiro dia é classificatório. Os veículos devem percorrer uma pista de obstáculos, e o tempo do circuito define o grid de largada do dia seguinte.

A equipe Vermelha, com o Highlander, é o que teve menor tempo e vai largar na pole-position.

O Stanley, é o segundo. Stanley foi o único veículo que não cometeu nenhuma falha no percurso.

Classificatory.jpeg
Stanley na corrida classificatória

O Sandstorm, da equipe vermelha, é o terceiro do grid de largada.

Ghost Rider foi eliminado, quando entrou num túnel com pouca luz e perdeu a estabilidade.

veiculoobstaculo2.jpeg
Veículo autônomo passando pelos obstáculos

O Grande Prêmio de Nevada

Afinal, o grande dia!

Duas horas antes da corrida, o comitê organizador divulga para os times o percurso a ser seguido.

A equipe do Stanley simplesmente inputa o percurso no software do carro.
Já a equipe vermelha coloca o seu batalhão para pré-calcular as velocidades ideais de todos os trechos do trajeto. Red Whittaker acredita que, quanto mais informação para os seus carros, melhor.

RedTeamAttack.jpeg

A corrida tem início. Os carros são lançados com um intervalo de 5 min entre eles. Primeiro, o Highlander. Depois, o Stanley de Stanford, depois o Sandstorm da equipe Vermelha.

Race01.jpeg

Equipes na largada

Highlander vai muito bem. Consegue performar uma grande velocidade, e abre vantagem sobre os demais carros.

TerraMax foi o último a partir. Anda como a tartaruga do conto de Esopo: devagar e sempre.

Race03.jpeg

Highlander continua abrindo vantagem sobre o segundo colocado, Stanley.

Dezoito veículos conseguem ultrapassar a marca de 11 quilômetros. Ou seja, em um intervalo de 1 ano, o pior competidor performou melhor do que o primeiro colocado do desafio de 2004! Uma evolução considerável.

Highlander estava muito bem. Porém, de repente, Highlander começou a ficar esquisito. Parou na estrada. Parecia estar perdido. O carro prosseguiu viajar após a empacada, mas numa velocidade muito menor.

Enquanto isto, Stanley continuou no seu ritmo, se aproximando.

Os demais carros participantes começaram a quebrar. Sensores quebrados, problemas mecânicos, carros perdidos no deserto… um a um, foram caindo fora da competição.

A equipe Vermelha estava vendo que algo estava errado com o Highlander. Mas, nesta corrida, não havia pit stop para dar uma arrumada. Eles nada podiam fazer, estava tudo nas mãos de Highlander (computador tem mãos?). Aparentemente, o sensor laser de longa distância, que tinha partes móveis, parece quebrado.

Race04.jpeg

Um ponto azul surgia no espelho retrovisor de Highlander. Stanley se aproximava mais e mais.

Stanley se aproximando. O carro atrás do Stanley é de supervisores da corrida.

Race02.jpeg

E, o inevitável acontece! O momento mais épico da história dos carros autônomos! A primeira ultrapassagem de carros autônomos já ocorrida no planeta! Stanley ultrapassa Highlander! Ayrton Senna ultrapassa Alain Proust. Rubens Barrichelo ultrapassa Michael Schumacker! (Ops, isto nunca aconteceu).

Algum tempo depois, o veterano Sandstorm também consegue ultrapassar Highlander. O patinho feio superou o irmão mais jovem.

A posição relativa não mudou mais até o final da corrida.

Finalmente, a linha de chegada. Após 6 horas e 53 minutos, com uma velocidade média de 30 e poucos kilômetros por hora, Stanley cruza a linha de chegada. É o grande vencedor do GP de Nevada.

Race05.jpeg

Onze minutos depois, Sandstorm cruza a linha de chegada, e mais 9 minutos depois, Highlander, apesar de todos os problemas, consegue fazer todo o percurso. Note que uma diferença de 10 minutos em 7 horas é muito pequena, o que mostra que qualquer problema casual poderia ter mudado completamente esta ordem.

Stanford é o primeiro. O time Vermelho emplaca o segundo e terceiro lugares.

Mais dois competidores conseguiram completar a prova: o Kat-5, em quarto lugar, e o Terramax (o caminhão), em quinto. O Terramax demorou 12 horas para fazer o percurso, sendo eliminado pelo limite de tempo de 10 horas. Mas foi um feito incrível, um monstrengo desses conseguir percorrer sozinho 230 quilômetros no deserto.

newOrleans.jpeg
Equipe KAT-5, chegou em 4o lugar

O quarto lugar é um carro tão feio que me lembra algo pré-histórico. É como se fosse os irmãos do Capitão Caverna, na Corrida Maluca.

CorridaMaluca.jpg

Para quem é muito novo, há muito tempo atrás existia um desenho chamado “Corrida Maluca”.

DickVigarista.png

Tinha o Dick Vigarista e o cachorro dele, o Barão Vermelho…

baraovermelho.jpeg

Nesta corrida de carros autônomos, só faltou a Penélope Charmosa.

penelope-charmosa.jpg


Conclusão

O Grande Desafio de 2005 foi um marco na história de carros autônomos. Dirigir é uma das tarefas mais chatas que existe, na minha opinião. Ficar horas olhando para a estrada, fazendo movimentos rotineiros durante quase todo o tempo. Tarefas rotineiras são a especialidade de robôs e computadores.

O mundo precisa de mais gente como Thrun e Whittaker. Caras que revolucionem o software e o hardware. Que desenvolvam aplicações práticas para o mundo.

Me espantou muito o desempenho do Terramax. Talvez uma das principais aplicações de carros autônomos seja em áreas industriais e de alto risco para um ser humano. Por exemplo, o Pentágono planeja que pelo menos um terço dos veículos de guerra sejam autônomos no futuro.

Sebastian Thrun foi para o Google. O carro autônomo do Google tem o DNA de Stanley. Depois de vários anos no Google, Thrun fundou a plataforma de treinamento on-line Udacity. Ele acha que tem mais a contribuir ensinando, e desenvolvendo um carro autônomo open-source, do que trabalhando numa plataforma fechada.

googlecar.jpeg

E é por causa da visão de Thrun que escrevo este post. Sou uma das primeiras pessoas do mundo a começar o nanodegree de carros autônomos da Udacity (https://www.udacity.com/drive). Isto merece um post em especial, mas foi através deste curso que fiquei sabendo do vídeo descrito.

Red Whittaker continua na Universidade Carnegie Melon. A equipe vermelha ganhou o Grand Challenge seguinte, em 2007: carros autônomos na cidade, ao invés de no deserto.

Agora, Whittaker quer conquistar a Lua: está na competição “Google Lunar X Prize”, que tem o objetivo de fazer uma espaçonave robótica ir até a lua, andar 500 metros e transmitir vídeo de alta definição para a Terra.

Vamos ver (e ajudar a escrever) as cenas dos próximos capítulos.

Arnaldo Gunzi

Dez 2016


Links

Vale muito a pena ver o vídeo original, sem as “interpretações” do meu post:

Outros links:

Como ser um engenheiro de veículos autônomos

https://en.wikipedia.org/wiki/DARPA_Grand_Challenge#2005_Grand_Challenge

https://en.wikipedia.org/wiki/Google_Lunar_X_Prize

https://en.wikipedia.org/wiki/Red_Whittaker

​ A Revolução 3D

Lá pelos anos de 1992, quando eu ainda era pré adolescente, o primeiro computador a que tive acesso foi um IBM PS/1, similar ao da foto. Este não tinha hard disk. Para dar o boot, tinha que inserir um disquete, esperar um pouco, depois inserir outro disquete. O DOS carregava e dava para mexer no computador: criar arquivos texto, criar e deletar pastas. Acho que tinham algum tipo primitivo de word e de dbase (banco de dados). E um ou outro joguinho. Fora isso, não servia para muita coisa.
300px-IBMPS1.jpg
Eu não tinha a menor ideia das aplicações futuras do computador pessoal, mas sabia que isto tinha o potencial de revolucionar o mundo.
Tive a felicidade de acompanhar a evolução exponencial dos hardwares e softwares computacionais, desde então.

Impressoras 3D
Tenho a mesma sensação, de estar vendo surgir algo novo, com as impressoras 3D. Isto será certamente uma das tecnologias disruptivas que moldarão o futuro.
Acabei de ganhar uma impressora 3D do meu amigo Marcos Melo. Uma Printrbot Simple. Tem uns três anos de fabricação. Vide a foto desta belezinha.
IMG_2989.JPG
A estrutura dela é bem simples, até rústica. Placas de madeira, suportando os motores e peças metálicas. Conexões à vista.
img_2986
Detalhe da visão traseira e de um dos motores (Z)
Um motor para cada eixo (X, Y e Z). Mais um motorzinho para puxar o filamento. Os motores movimentam o bico extrusor para qualquer posição.
IMG_2987.JPG
Detalhe da entrada do filamento, e o motor que controla o fluxo do mesmo.
Um extrusor, para derreter o filamento. Do extrusor, sai um fiozinho de plástico derretido. Na ponta, um ventilador para ajudar a esfriar o plástico.
img_2988
Bico do Extrusor e ventilador
O material do filamento é um tipo de plástico chamado PLA. É um material que tem a propriedade de derreter a 200 graus, e endurecer à temperatura ambiente.
A impressão é feita em camadas. O extrusor vai depositando os fiozinhos de plástico, na posição ajustada pelos motores.
Fiz um vídeo para demonstrar o funcionamento. Como o vídeo ficou meio ruim, e o wordpress não aceita vídeos, transformei num gif animado, com auxílio do site http://ezgif.com. Pode demorar um pouco para carregar:
ezgif.com-optimize.gif
O software para controle da impressora é o Repetier. É um software open source. Tem que instalar um driver para comunicação com a impressora, e configurar um montão de coisas.
Baixei alguns modelos da internet. Em programação, o primeiro programa é tradicionalmente algo que mostra um “Hello World”.
Eis o meu “Hello 3D Printer World”:
img_2977

Vista de outro ângulo. Considerando que foi a primeira peça, está ótimo.

img_2973

Agradecimento especial ao Marcos Melo. No dia em que ele me entregaria a impressora, ele sofreu uma tentativa de assalto. O bandido, aparentemente armado, o abordou no farol. Este tentou abrir a porta, que estava destrancada. Melo puxou de volta a porta, desequilibrando o elemento, e estragando o estofamento. Nisto, o Melo aproveitou, engatou o carro e deu no pé. Foi uma manobra muito arriscada, nos dias tensos de hoje.

Bom, o melhor jeito que tenho para agradecer é fazendo coisas criativas com a impressora, difundindo o conhecimento (já mostrei as peças para um monte de gente na empresa) e ajudando de alguma forma a desbravar o futuro com a nova tecnologia 3D.

Um novo paradigma de aprendizado: aprender por osmose

Um dia, há muito tempo atrás, eu estava ensinando matemática a uma pessoa que tinha passado pelo método de ensino Kumon.

Para quem não conhece, o método Kumon consiste em repetir as operações básicas (digamos 5 x 7) infinitas vezes, por inúmeras horas, e ir aumentando a dificuldade gradativamente. A pessoa, de tanto olhar para os números, acaba virando uma calculadora humana.

Kumon.jpg

E o meu aluno era literalmente uma calculadora humana. Fazia contas de cabeça num piscar de olhos, mais rápido do que se eu digitasse numa calculadora eletrônica.

 

8247078-illustration-of-creative-man-s-mind-with-calculator-on-white-background-Stock-Vector.jpg

Entretanto, ele não sabia o mais importante de tudo: qual a conta a fazer. Ele sabia apenas a mecânica das operações, mas não dominava os conceitos do que tinha que ser feito para chegar na resposta correta.

Por isso, sempre fui muito crítico ao método Kumon, que se baseia na memorização e repetição. Preferia que a pessoa aprendesse a pensar, aprendesse a racionar por si só, ao invés de decorar um método de solução.

Mas hoje, mudei de ideia, ao ler o excelente artigo de Bárbara Oakley, na revista Nautil.us.

Ep158-Barb-Oakley.jpg

 


 

Aprender por osmose

Bárbara Oakley conta que nunca gostou da área de exatas. Ela tinha uma dificuldade enorme com matemática no ensino básico. Por isso, ela fez letras – russo – em sua graduação. Mas um dia chegou à conclusão de que saber russo não era o que ela realmente queria, e decidiu seguir o caminho da Engenharia.

Sendo alguém que não tinha a menor capacidade de entender o raciocínio das derivadas e integrais de um curso pesado de engenharia (engenharia de produção não conta, rs), ela usou as únicas armas que tinha: memorização e repetição. Memorização e repetição. Memorização e repetição. Memorização e repetição…

Digamos que cada pedacinho de conhecimento matemático que ela conseguia dominar separadamente fosse um “bloco de informação”.

Pouco a pouco, a partir do arsenal de “blocos de informação” que ela tinha, ela foi unindo o quebra-cabeça destes pedaços e começando a compreender o todo.

jigswa.jpg

Repetindo este mesmo processo arduamente, em alguns anos ela conseguiu remodelar o cérebro para a área de exatas.

A explicação de Oakley faz muito sentido para mim. Pensando bem, nem tudo o que aprendi estudando foi puramente raciocínio logo de início. Teve muita coisa que guardei para mim, sem entender direito o significado, e só depois de muito tempo consegui sacar a lógica deste “bloco de conhecimento”.

O cérebro humano não é um computador eletrônico, em que a informação é colocada e não muda mais. O cérebro precisa de prática, muita prática. Precisa de tempo para processar a informação. Precisa de memorização, mesmo sem saber direito para que serve. Precisa de repetição para internalizar conceitos. Precisa entender o raciocínio, mas também precisa exercitar, senão esquece.


Síntese

Como tudo na vida, não há paradigma eterno.

O filósofo alemão George Hegel (1770 – 1831) afirmava que o processo de evolução do conhecimento, a dialética, era formada da tríade Tese – Antítese – Síntese.

A minha Tese era a de que devemos entender o raciocínio, a lógica do conhecimento.

A Antítese, de Bárbara Oakley, mostrou que memorização e repetição são igualmente importantes para o aprendizado.

A Síntese é que para o aprendizado ser efetivo, devemos entender o raciocínio, mas também treinar, memorizar, e repetir este ciclo inúmeras vezes até internalizar o conhecimento.

Aprender por osmose não é tão ruim assim. Na verdade, talvez o cérebro humano só aprenda mesmo por osmose…

 

garfield_osmosis.jpg

Novela sobre japoneses sem japoneses? E daí?

A novela “Sol Nascente”, da rede Globo, tem como tema central descendentes de japoneses no Brasil. O detalhe é que não tem ator principal de ascendência japonesa no elenco…
giovanna-antonelli-alice-sol-nascente.jpg
A bela Giovanna Antonelli interpreta uma japonesa, pelo que entendi.
Qual a minha opinião sobre este fato, como sansei (descendente de terceira geração de japoneses)?
Minha opinião: E daí? Tanto faz. Dane-se. Não é preconceito, racismo, nada. É uma decisão puramente econômica, baseada na estratégia de líder do setor.
antonelli-luismelo-nakamura.jpg
Esse velhinho ao lado da Giovanna também é japonês, na novela. Talvez o cara segurando a haste também seja.

 


A estratégia da Globo
A Rede Globo é uma empresa privada, que toma decisões baseada em suas décadas de experiência no setor audiovisual. Ela tem os seus paradigmas. Um deles é que Globo arrisca pouco.

A Globo prefere que os atores ou novos formatos de programa despontem em canais menores. Somente se, e quando, der certo é que Globo vai lá e contrata o ator ou o programa. Digamos, Caldeirão do Huck é um caso desses: Luciano Huck fez muito sucesso na Bandeirantes, antes de mudar para a Globo. Outro caso: Angélica, esposa do Huck, ficou muitos anos na extinta TV Manchete antes de ir para a Globo.

Outro paradigma é de que toda novela de ponta da Globo precisa ter astros famosos nos papeis principais. Os astros de ponta alavancam a audiência, mesmo se o enredo for uma porcaria. No caso da novela Sol Nascente, não encontraram astros de ponta nipônicos e não apostaram num desconhecido.
Dani-Suzuki13.jpg
A Daniele Suzuki não serviu para o papel principal
A Globo é como um gigante forte, porém lento e inflexível: arrisca pouco, tende a agradar a maioria e quer manter o monopólio.
As estratégia de “líder” do setor incluir comprar a transmissão do tênis para não passar na Tv aberta. Ou colocar o futebol às 22h para esperar a novela acabar. Ou ter contratos com atores famosos, mas não usá-los – deixá-los na geladeira.
Durante anos, tais estratégias funcionaram. E agora?

O resultado será puramente econômico
Se a estratégia da Globo é puramente econômica, o resultado também o será.
Quem se sentiu ofendido com os atos acima, simplesmente não assista. Não haverá sentimento em deixar a Globo para assistir outro canal.
O mundo está mudando. Dois dos principais concorrentes da Globo não são a Record e o SBT, mas sim o YouTube e a Netflix.
Uma série na Netflix pode ser algo extremamente bem feito, sobre um tema específico para um nicho específico. Não precisa ser um arrasa-quarteirão para agradar a maioria do público.
Centenas de canais no YouTube não têm a mesma qualidade da Globo, porém exploram a “cauda longa” de milhares de assuntos possiveis, sendo produzidos por pessoas comuns, contando com atores não globais.
O monopólio do Golias gigante Globo está sendo quebrado por milhares de ágeis Davis.

A estratégia da Globo está correta?
Não é a choradeira, discursos de discriminação ou similares que vão dizer se a Globo está correta ou não. Será o Tempo e o Mercado.

 

 

​ Comprar um disco por uma faixa

Há 200 anos, assistir a uma ópera era algo caro, demorado e restrito à nobreza. Imagine ter que sair de casa, colocar roupas pomposas, viajar por várias horas até chegar ao teatro, onde os músicos performavam ao vivo.
Opera.jpg
Por isso, o espetáculo tinha que ter uma quantidade razoável de tempo. Durava umas 3, 4 horas. Não fazia sentido uma ópera durar 3 minutos, mesmo que a única música legal dela seja esta de apenas 3 minutos.
O avanço da tecnologia permitiu um enorme barateamento da distribuição de informação. Com o surgimento dos discos LP, e depois CD, qualquer plebeu poderia ter acesso à música.
MOVATM078.jpg
Mas mesmo assim, era preciso produzir o disco, e tê-lo fisicamente. Mesmo que a única música legal do disco tivesse 3 minutos, o disco vinha com 40 minutos.
Com a internet, não é mais necessário ter um cd físico. É possível comprar somente a faixa de 3 minutos que era o que o consumidor queria mesmo.
itunespurchase.JPG
Em física, há o Princípio da Inércia, formulado por Isaac Newton. Um objeto em repouso tende a continuar em repouso, e um objeto em movimento tende a continuar em movimento. Para sair do repouso para o movimento, deve-se aplicar uma força (proporcional à massa e à aceleração), e para parar o movimento, idem.
A tecnologia diminiu a inércia das transações, no sentido de sair de um estado (não tenho música) para outro estado (tenho música).

Com os livros é exatamente igual. Para justificar o custo de R$ 80,00 de um livro (impressão, transporte, exposição na livraria) este deve ter umas 300 páginas, mesmo que somente 10 páginas sejam o cerne do conteúdo inteiro.
Isto está mudando também. Com blogs que custam muito pouco para produzir, é possível expor somente o conteúdo essencial do trabalho, sem enrolações e encheções de linguiça.

Um filme no cinema deve durar umas 2 horas, para justificar o tempo gasto indo ao cinema, esperando na fila, etc. Mas um filme no youtube pode ter apenas o tempo necessário, porque não é necessário ir a um cinema para assisti-lo.

Na faculdade, uma aula presencial tem que mobilizar alunos e professores. Com o tempo que se perde no início e distrações, a aula tem 50 minutos. Mas uma aula no YouTube pode
conter somente os 20 minutos de conteúdo real.

O expediente padrão de 8 ou mais horas de trabalho também tem uma série de distrações. Ninguém consegue ficar todo o tempo ligado, concentrado. O tempo líquido é muito menor. E grande parte do trabalho poderia ser à distância, e focado no que realmente é efetivo.

Aulas e expediente de trabalhos ainda são muito tradicionais para mudar. Pode-se argumentar que é legal para o ser humano ter estes contatos não produtivos. Mas é legal até um certo ponto. O jeito atual é 100% rígido. A tendência é que muito do que fazemos hoje seja mais flexível e rápido, direto e produtivo, devido à redução da inércia provocada pela tecnologia.