Como uma roda funciona?

Tipos de Equilíbrio

 

Eis uma divagação meio perdida, mas muito importante.

 

Em física, há o equilíbrio estável e o instável.

 
O equilíbrio estável é aquele em que uma pequena perturbação (um empurrãozinho) não faz mudar a posição da bolinha: ela vai e volta para o mesmo ponto.

Equilibrios

Já no equilíbrio instável, um empurrãozinho faz a bolinha sair da posição e não mais voltar: ou seja, colapsar.

 
Por que esta noção bobinha de equilíbrio é importante em física?
 

Porque normalmente os físicos modelam seus problemas em termos de equações. Um sistema de equações pode gerar várias soluções possíveis. A solução pode atender a equação (ser um ponto de equilíbrio), mas pode ser instável – ou seja, na prática é uma solução que não serve para nada. Os físicos procuram soluções estáveis para os seus problemas.

 


 

Como uma roda funciona?
 

Surpreendentemente, uma das invenções mais úteis do homem busca o equilíbrio instável, ao invés do equilíbrio estável.
 

Se você imagina uma roda numa superfície lisa, o ponto da roda em contato com o chão está numa forma de equilíbrio instável: um empurrãozinho na roda, e a roda gira, a posição muda. Mas o ponto seguinte da roda também estará num equilíbrio instável. A roda nada mais é do que uma sucessão eterna de equilíbrios instáveis.

Equilibrio_Roda

E é exatamente por ser uma eterna sucessão de equilíbrios instáveis que faz com que a roda seja tão útil. Imagine a bolinha em equilíbrio instável. Um empurrãozinho e ela já sai do lugar. Enquanto isso, a bolinha no equilíbrio estável precisa de um monte de energia para fugir deste estado.
 

Empurrao

A natureza é fascinante. Aquilo que parecia o seguro, o estável, torna-se pior do que o instável.


 

A vida é um equilíbrio dinâmico

 
Muita gente busca a estabilidade em suas vidas, e inveja as pessoas que a conseguiram: fazer sempre a mesma coisa, ter estabilidade no emprego, ter uma garantia de renda, etc.

 
De modo análogo ao da roda, o equilíbrio instável pode ser melhor do que o estável.

 
A vida é cheia de empurrõeszinhos e empurrõezões. Uma crise, uma mudança de política, um colapso do governo, um problema de saúde, etc.

 

Quando os empurrões acontecem, aqueles que viviam a ilusão da “estabilidade” terão que despender muita energia para se virar: eles são frágeis.

 
Aqueles já que passaram a vida toda tendo que se virar sozinhos têm mais capacidade de se virar de novo, e até se dar bem. São anti-frágeis. A “anti-fragilidade” é um termo cunhado pelo provocativo pensador Nassim Nicholas Taleb, cujas ideias e cisnes negros já foram discutidos muitas vezes neste blog.
 

Ao invés de procurar um porto seguro, tenha em mente que a vida pode dar seus empurrões. Ao invés de evitar a incerteza, que tal abraçar a incerteza? Fazer trabalhos diferentes, assumir riscos controlados, estudar coisas novas e esquecer conhecimento que não é mais válido. Assumir que muita coisa pode mudar, que o seu porto seguro não é tão seguro assim, e que Black Swans podem acontecer.

Einstein-albert-Bicycle

Lembro-me de uma frase de Albert Einstein: “A vida é como andar de bicicleta, deve-se estar sempre em movimento”.

 

Arnaldo Gunzi
Julho 2015

 
 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s