O poder do Foco

quadrantesJobs

O que você faria, se fosse eleito CEO de uma grande empresa de tecnologia, que foi muito bem sucedida no passado mas atualmente está há um bom tempo no prejuízo? Uma empresa que tem dezenas de produtos, passando por computadores, notebooks, impressoras, PDA (computador de mão)?

Steve Jobs, quando reassumiu a Apple, encontrou uma empresa assim. Existiam vários modelos de computadores, diversas linhas de produtos. Ele começou perguntando os chefes dos tipos de produto para que serviam esses computadores. Tinha o Mac de um modelo X, depois outro modelo Y, etc. Havia uma infinidade de modelos muito parecidos um com os outros. Se nem mesmo ele, que era o chefe da companhia, sabia a diferença entre um e outro, o que diria o consumidor? A pergunta que ele fazia era: qual é o modelo que recomendo para o meu amigo? Se a resposta fosse longa e complicada, ele riscava o produto do mapa.

Finalmente, Jobs se cansou de analisar os produtos existentes, e fez um quadrado numa lousa branca. Dividiu em quatro quadrantes. No eixo vertical, escreveu “Pessoal” e “Profissional”, e no eixo horizontal, escreveu “Desktop” e “Laptop”. Então, a Apple passaria, dali em diante, a focar em quatro e somente quatro produtos: um desktop profissional (Power Mac), um laptop profissional (PowerBook), um desktop pessoal (iMac) e um laptop pessoal (iBook).

Todos os produtos restantes seriam cancelados. Com isso, os engenheiros focariam todos os esforços para fazer 4 produtos excelentes, os melhores do mundo, e não perderiam tempo com coisas que não tinham nada haver com o core da companhia.
O problema é que a receita de todos os outros produtos (impressoras, outros modelos de notebook, etc) era de 1 bilhão de dólares. E mais de 3000 pessoas foram cortadas da Apple com essas mudanças.

Jobs levou a ideia dos quadrantes ao conselho da Apple. O conselho não disse nem sim nem não, nunca votou. Mas Jobs cumpriu o plano assim mesmo.

Meses depois, a Apple continuava com um prejuízo grande, decorrente da perda de receita. Chegou num ponto em que a Apple tinha caixa para sobreviver por apenas 90 dias. Mas a partir daí, a Apple começou a decolar, produzindo um número espantoso de produtos revolucionários.

(Adaptado da biografia de Steve Jobs, por Walter Isaacson)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s