Aquarela e Uma rosa em minha mão

 

Por que Vinícius de Moraes aparece nos créditos da famosa música “Aquarela”, sendo que esta já estava morto havia dois anos?
Para mim, esta indagação começou de outra forma.

 

Um dia, ouvindo playlist do poetinha Vinícius de Moraes, me deparei com esta belíssima canção:

 

 

Esta música é chamada “Uma rosa em minha mão”. E nota-se que a melodia é idêntica à “Aquarela”. É a única semelhança, porque a letra é bastante diferente, há outro tipo de arranjo e elementos musicais.
Embora bem mais simples, “Uma rosa em minha mão” é extremamente bonita, fiquei muito tempo tocando-a.

 

 

Já “Aquarela” remete à minha infância. Em 1983, um comercial de TV da Faber Castell usava imaginação, criatividade, lápis de cor e a canção “Aquarela”. Foi a primeira vez que ouvi esta melodia.

 

 

Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo…

Agora, qual o link entre as músicas?

 

Segundo algumas das fontes pesquisadas, o grande músico Toquinho, parceiro de longa data de Vinícius, estava trabalhando na Itália com outro músico, Maurizio Fabrizio

 

“Peguei meu violão e Maurizio foi para uma pianolinha que eu tinha em casa – uma coisinha ridícula (risos). Daí ele começou a tocar uma música. Achei chata a primeira parte. Mas quando entrou na segunda parte, eu lembrei da Uma Rosa em Minha Mão. Toquei pra o Maurizio ouvir, e assim que terminei ele atacou com a segunda parte da música dele. Tudo se encaixou logo de primeira. Gastamos nem três minutos para fazer o que seria conhecido como Acquarello.”

 

Gravei o disco e fizemos o lançamento em Sanremo – conta Toquinho. – Depois da primeira apresentação de “Acquarello”, começaram a pipocar comentários os mais maravilhosos, o disco saiu com 30 mil cópias, que se esgotaram no segundo dia. Essa música tem realmente um aspecto emocional muito forte, um apelo comercial, as pessoas ouvem e se envolvem. De repente, o Franco passou a me telefonar: “Olha, a música estourou por aqui, está nos primeiros lugares das paradas”. Voltei lá para fazer promoção, aí, ninguém segurou mais

 

Como “Aquarela” utilizou a melodia de “Rosa em minha mão”, os créditos a Vinícius deveriam ser dados pela co-criação da música. Creio que Toquinho achou a homenagem bastante justa, após inúmeros anos de parceria, e creio também que Vinícius continua a inspirar muitos de nós até hoje, tanto pela poesia quanto pelas melodias.
Há um ditado que diz “É possível reconhecer um tigre pelas suas garras”.

 

Em “Aquarela”, o trecho final é Vinícius puro, mesmo sendo escrito por Toquinho!

Vamos todos
Numa linda passarela
De uma aquarela que um dia enfim
Descolorirá

Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
Que descolorirá

 

 

Bônus: Aquarela em italiano, Acquarello

 


Links

https://musicaemprosa.wordpress.com/2016/11/20/a-historia-da-musica-aquarela-de-toquinho/

http://barelanchestaboao.blogspot.com/2015/08/numa-folha-qualquer-eu-desenho-um-sol.html

Livro: História de Canções – Vinícius de Moraes.

 

https://i.pinimg.com/originals/2a/a5/25/2aa525123b3b7eef4136df2de280eb70.jpg

Fonte da imagem:  https://www.pinterest.pt/pin/344173596494447128/?lp=true

Orfeu, Tom, Vinícius e Obama

 

 

Sem o mito de Orfeu, talvez o mundo nunca conhecesse a dupla Tom Jobim e Vinícius de Moraes e nem o ex-presidente Barack Obama…


 

Orfeu e as sereias

Orfeu é considerado o maior músico da mitologia grega. Orfeu era filho de um rei grego e de Calíope, uma das 9 musas – cada musa representa a inspiração para um dom: poesia, história, dança, comédia, etc. Calíope era a musa da poesia épica – por exemplo, como a Ilíada e a Odisseia.

Era como se Orfeu fosse um super-herói, sendo a música o seu superpoder. O poder da música era utilizado para acalmar feras e trazer a alegria aos corações humanos.

O primeiro mito de Orfeu é a sua participação na Argonáutica. Um princípe chamado Jasão reuniu um grupo de heróis para uma missão impossível, recuperar o tosão de ouro. Um tosão é tipo o couro de um carneiro, mas era um carneiro todo especial, com pelos de ouro, que daria poderes a quem o possuísse.

https://mrpsmythopedia.wikispaces.com/file/view/Orpheus-sirens.jpg/520714416/464x254/Orpheus-sirens.jpg

 

Jasão contou com o apoio de Argo, que construiu o navio que leva o seu nome – Argonautas. Além disso, ele reuniu um monte de figuras importantes da mitologia grega: Castor e Pólux (a constelação de gêmeos é em homenagem a eles), Hércules, Atalanta (a única mulher), Laertes (o pai de Ulisses, da Odisseia). Orfeu foi chamado para se juntar ao grupo, primeiro porque a música era importante para ajudar a suportar uma longa jornada de meses no mar, e segundo porque sem Orfeu eles não conseguiriam passar pelas sereias.

https://pbs.twimg.com/profile_images/671679448744333313/Hfg0gFQI_400x400.jpg

As sereias são as mesmas sereias da Odisseia, cujo canto enfeitiça os marinheiros e os levam à ruína. Para os Argonautas passarem por elas, Orfeu cantou uma canção mais bonita e em voz mais alta que a das sereias, desta forma evitando que os colegas fossem enfeitiçados.


Orfeu e Eurídice no inferno

Este é o mito mais conhecido de Orfeu.

No dia de seu casamento com Eurídice, ocorreu uma tragédia. Um sátiro completamente bêbado ficou encantado com a beleza de Eurídice e passou a persegui-la. Ela fugiu, mas acabou sendo picada por uma cobra e morreu pouco tempo depois.

Desolado numa tristeza sem fim, Orfeu passou vários dias tocando músicas melancólicas, até que decidiu descer ao Inferno para buscar a sua amada.

Orfeu passou pelos portões do mundo subterrâneo, deu uma moeda a Caronte para atravessar o rio Styx, passou pelo cão Cérbero e finalmente chegou à presença de Hades, o senhor do Inferno, e sua esposa, Perséfone. Então, no centro do Inferno, Orfeu cantou a música mais bela e mais triste que todos ali jamais tinham ouvido.

A música de Orfeu conseguiu tocar Hades, que em troca, permitiu que Eurídice retornasse ao mundo dos vivos. Mas com uma condição: que Orfeu não olhasse para trás, até que ambos estivessem de volta ao mundo terrestre.

https://i2.wp.com/17rg073sukbm1lmjk9jrehb643.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2016/03/eur3-1024x637.jpg

Orfeu fez toda a jornada de volta, com Eurídice seguindo-o em completo silêncio. Porém, ele cometeu o erro de olhar para trás logo após voltar ao mundo – a condição era de que ambos estivessem de volta, não apenas ele. Desta forma, ele perdeu Eurídice de novo, desta vez para sempre.

 


Orfeu da Conceição

Desde meados de 1940, o grande poeta e diplomata Vinícius de Moraes queria fazer uma peça inspirada no herói grego Orfeu, mas ambientado nas favelas cariocas e com os negros brasileiros.

Orfeu Negro, 1959

O site http://www.viniciusdemoraes.com.br tem algumas explicações sobre a motivação:

Suas incursões no mundo das favelas, dos terreiros de candomblé, da região do Mangue e das escolas de samba da cidade mergulharam o poeta em uma realidade afro-brasileira que não vivia até então. Ali, segundo o próprio, começou a aproximação entre os negros cariocas moradores das favelas e os gregos heroicos e trágicos dos tempos míticos.

Nesse mesmo ano, Vinícius estava passando alguns dias na casa de seu grande amigo Carlos Leão, localizada em Niterói, no Morro do Cavalão. Foi lá, lendo um livro sobre mitologia grega enquanto ouvia, ao longe, o som de uma batucada vindo de uma favela próxima, que o poeta vislumbrou o mito dentre escolas de samba. Naquele momento, sua tragédia carioca ganhava o primeiro ato.

 

Para ajudar na parte musical do projeto de “Orfeu da Conceição”, o músico Ronaldo Bôscoli apresentou a Vinícius aquele que seria o seu maior parceiro, Tom Jobim, formando a maior dupla musical de todos os tempos.

Tom Jobim teria ouvido a proposta da peça, mas a sua pergunta de verdade era outra: “Tem um dinheirinho nisso aí?”

Vinícius e Tom fizeram as músicas do espetáculo, que estreiou em 1956.

A peça virou um filme, Orfeu Negro, dirigido pelo francês Marcel Camus, que estreiou em 1959. Este filme ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro de 1960, mas representando a França, não o Brasil, já que toda a viabilização do filme foi por parte dos franceses, embora a filmagem e os atores fossem brasileiros.

 

O filme narra a história de Orfeu, um condutor de bonde, negro, que conhece Eurídice, uma negra vinda do sertão para viver no Rio de Janeiro. O enredo acontece no carnaval carioca, por isso, um clima com muita força, muita energia. O roteiro é inspirado no conto grego: Eurídice é perseguida por um homem estranho e morre por conta disso, Orfeu desce escadarias ao mundo inferior, canta num ritual de macumba, mas acaba não conseguindo resgatar Eurídice e ele mesmo morre no final…

 

 

 

Ninguém melhor do que o maior músico do mundo antigo, Orfeu, para unir os maiores sambistas do Brasil branco, negro, mulato, lindo como a pele macia de Oxum. Saravá, como diria o poetinha Vinícius de Moraes.


Orfeu Negro e Obama

O pai do ex-presidente Barack Obama é queniano, mas a mãe é americana, e branca.

A mãe de Obama tinha um fascínio por negros, e o filme “Orfeu Negro” era o filme favorito dela.

“Uma noite, enquanto folheava o jornal Village Voice, os olhos da minha mãe se iluminaram ao ver a propaganda de um filme, ‘Orfeu Negro’, que estava sendo exibido no centro. Minha mãe insistiu para que fossemos naquela noite; ela disse que foi o primeiro filme estrangeiro que ela viu”, conta Obama, antes de lembrar as palavras da mãe: “’Eu tinha apenas 16 anos. Foi a primeira vez que fiz algo totalmente sozinha. Senti-me tão adulta. Quando vi o filme, achei que era a coisa mais bonita que já tinha visto’, ela nos contou enquanto entrávamos no elevador.”

Mas Ann não conseguiu transmitir seu entusiasmo ao filho. “Os brasileiros negros e mulatos cantavam e dançavam e tocavam violão como aves livres de plumagem colorida. Na metade do filme, decidi que havia visto o suficiente e virei para minha mãe para ver se ela estava pronta para ir embora. Mas seu rosto estava vidrado na tela. Naquele momento, senti-me como se tivesse olhado por uma janela para seu coração, o coração de sua juventude. Percebi que o retrato de negros infantilizados que eu via, o reverso da imagem dos selvagens do (escritor britânico Joseph) Conrad, foi o que minha mãe carregou com ela até o Havaí anos atrás, um reflexo da fantasia simplista que havia sido proibida para uma garota branca, de classe média do Kansas, a promessa de uma outra vida: quente, sensual, exótica, diferente.”

Fonte: Último Segundo – iG @ http://ultimosegundo.ig.com.br/visitaobama/obama-descobriu-brasil-em-1983-com-orfeu-negro/n1238177528724.html

 

 

Este é o poder da música, acalmar feras, fugir do canto da sereia, forjar parcerias memoráveis e mudar o destino das pessoas.

 


Bônus: Valsa de Eurídice

 

Monólogo de Orfeu


 

Links

http://ultimosegundo.ig.com.br/visitaobama/obama-descobriu-brasil-em-1983-com-orfeu-negro/n1238177528724.html

http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/teatro/orfeu-da-conceicao

https://jornalggn.com.br/noticia/tom-jobim-vinicius-de-moraes-e-orfeu-da-conceicao-por-jota-a-botelho

https://www.google.com.br/search?q=orpheus+eurydice&client=ubuntu&hs=o9g&channel=fs&dcr=0&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjG-Iyth97YAhXHi5AKHXoyAGIQ_AUICigB&biw=1252&bih=617#imgrc=yOBlnwCJ_SxR2M:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

The girl from Ipanema

O Brasil é um gigante deitado em berço esplêndido que parece nunca acordar.

 

Um reflexo disto é que o volume de trabalhos escritos em inglês e traduzidos para o português é infinitamente maior que os na direção oposta. Dificilmente algo nascido no Brasil conquista o mundo.

 

Uma exceção é a música “Garota de Ipanema”. Esta foi composta por Vinícius de Moraes e Tom Jobim, e é um ícone de nossa cultura. Foi traduzida para inglês nos anos 60.

 

SeloGarotaIpanema.jpg


 

A versão em inglês é muito mais pobre que a original.
 
Começa assim:
“Tall and tan and young and lovely the girl from Ipanema…”

 

Algo como “alta, bronzeada e jovem e amável, a garota de Ipanema…”

 

Não chega nem perto de “Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça, é ela a menina que vem e que passa…”.
 


https://www.youtube.com/watch?v=NldPFVKYmiw

Outro trecho “When she walks, she’s like a samba” – “Quando ela anda, é como samba”.

 

Também não tem nem comparação com “o seu balançar é mais que poema, é a coisa mais linda que já vi passar”.
 


A sonoridade da versão em inglês é a mesma, mas não a letra. A letra em inglês é uma tradução. O original em português é um poema, escrito com o coração de Vinícius e a genialidade de Tom.
 
No bairro de Ipanema, no Rio de Janeiro, há uma rua chamada Vinícius de Moraes e um bar, onde ele e Tom Jobim se encontravam. Um dia, fiquei ali, olhando os transeuntes, o sol, o calor e o mar, e imaginado a dupla compondo a canção: “moça do corpo dourado do sol de Ipanema”, “num doce balanço a caminho do mar”, “se ela soubesse que quando ela passa o mundo todinho se enche de graça”.
 
travel-file-3257-600-500.jpg
“The girl from Ipanema” foi cantado por Frank Sinatra e vários outros artistas. Alcançou sucesso mundial graças a esta tradução para o inglês.

 

Entretanto, se “Girl from Ipanema” é mundial, temos o privilégio de ser o único povo que consegue compreender “Garota de Ipanema” em sua essência, no original em português bem brasileiro.
 

A não lógica da Língua Portuguesa

Quando eu era adolescente, não gostava de gramática. Isto porque as regras gramaticais não têm uma lógica, pelo menos nenhuma lógica que fizesse sentido para mim. Tem mais exceções do que regras, e agora com a nova gramática (que nem conheço direito), talvez eu esteja escrevendo mais errado do que certo.

 
É interessante notar como uma criança fala. A criança não aprende regra gramatical nenhuma, não sabe a diferença entre sujeito e objeto, ou o tempo futuro do passado do pretérito perfeito. Mas a criança assimila todas essas regras e extrapola para o uso em todo lugar.

 

gramatica

Anotei alguns “erros de português” de minha filha de 4 anos. Alguns desses são erros mesmos, outros poderiam ser chamado de erro de lógica da Língua Portuguesa.

 
Português da criança e Português “correto”

Eu sabo = Eu sei
Eu já fazi = Eu já fiz
Eu já di = Eu já dei
Eu já comei = Eu já comi

Eu tavo fazendo isso = Eu estava fazendo isso
Eu achavo que = Eu achava que

A boia cabiu = A boia coube
Meu pé esta sujado = Meu pé está sujo
Dá um sorrisa! = Dá um sorriso!
Sou campeana = Sou campeã


 

É legal também a generalização do uso de prefixos.

Quando eu destomar banho = quando eu sair do banho
Você desabaixou o jogo = você apagou o jogo


 

Perguntas que um adulto não faria.

Ouvindo Asa Branca, “Por falta d´agua perdi meu gado, morreu de sede meu alazão”:
– Por que falta água no sertão? Coitado do alazão.

Ouvindo uma cantiga sobre a cobra que não tem braço nem pé:
– Por que a cobra não tem braço nem pé?

 


Quando ela tinha 3 anos, não conseguia entender algumas figuras de linguagem:

Vizinha: Oi gatinha,
Criança: Não sou gatinha não. Sou uma pessoa.

Com 4 anos, ela já entende este tipo de abstração.

 


A gramática seria muito mais divertida se fosse mais criança: criativa, flexível, questionadora, rebelde, peralta.

Pasquale
 
Qual o problema de sentar na mesa para comer? Ou assistir o jogo? Ao meu ver, o conteúdo da mensagem vale mais do que a forma. E desaprender é mais difícil do que aprender.
 
Prefiro falar de forma errada, mas fluída, do que correta de acordo com uma lógica que não tem lógica, uma deslógica.

 

Arnaldo Gunzi.
Nov 2015.


 

Em homenagem às múmias da academia, o poetinha Vinícius de Moraes, quando contestado sobre erros gramaticais em sua música.

https://ideiasesquecidas.wordpress.com/2014/10/19/imortal-de-verdade-x-imortal-da-abl/

chamada-de-reportagem-sobre-centenario-de-vinicius-de-moraes-na-revista-rolling-stone-brasil-de-outubro-de-2013-1382112022349_615x300