Orfeu, Tom, Vinícius e Obama

 

 

Sem o mito de Orfeu, talvez o mundo nunca conhecesse a dupla Tom Jobim e Vinícius de Moraes e nem o ex-presidente Barack Obama…


 

Orfeu e as sereias

Orfeu é considerado o maior músico da mitologia grega. Orfeu era filho de um rei grego e de Calíope, uma das 9 musas – cada musa representa a inspiração para um dom: poesia, história, dança, comédia, etc. Calíope era a musa da poesia épica – por exemplo, como a Ilíada e a Odisseia.

Era como se Orfeu fosse um super-herói, sendo a música o seu superpoder. O poder da música era utilizado para acalmar feras e trazer a alegria aos corações humanos.

O primeiro mito de Orfeu é a sua participação na Argonáutica. Um princípe chamado Jasão reuniu um grupo de heróis para uma missão impossível, recuperar o tosão de ouro. Um tosão é tipo o couro de um carneiro, mas era um carneiro todo especial, com pelos de ouro, que daria poderes a quem o possuísse.

https://mrpsmythopedia.wikispaces.com/file/view/Orpheus-sirens.jpg/520714416/464x254/Orpheus-sirens.jpg

 

Jasão contou com o apoio de Argo, que construiu o navio que leva o seu nome – Argonautas. Além disso, ele reuniu um monte de figuras importantes da mitologia grega: Castor e Pólux (a constelação de gêmeos é em homenagem a eles), Hércules, Atalanta (a única mulher), Laertes (o pai de Ulisses, da Odisseia). Orfeu foi chamado para se juntar ao grupo, primeiro porque a música era importante para ajudar a suportar uma longa jornada de meses no mar, e segundo porque sem Orfeu eles não conseguiriam passar pelas sereias.

https://pbs.twimg.com/profile_images/671679448744333313/Hfg0gFQI_400x400.jpg

As sereias são as mesmas sereias da Odisseia, cujo canto enfeitiça os marinheiros e os levam à ruína. Para os Argonautas passarem por elas, Orfeu cantou uma canção mais bonita e em voz mais alta que a das sereias, desta forma evitando que os colegas fossem enfeitiçados.


Orfeu e Eurídice no inferno

Este é o mito mais conhecido de Orfeu.

No dia de seu casamento com Eurídice, ocorreu uma tragédia. Um sátiro completamente bêbado ficou encantado com a beleza de Eurídice e passou a persegui-la. Ela fugiu, mas acabou sendo picada por uma cobra e morreu pouco tempo depois.

Desolado numa tristeza sem fim, Orfeu passou vários dias tocando músicas melancólicas, até que decidiu descer ao Inferno para buscar a sua amada.

Orfeu passou pelos portões do mundo subterrâneo, deu uma moeda a Caronte para atravessar o rio Styx, passou pelo cão Cérbero e finalmente chegou à presença de Hades, o senhor do Inferno, e sua esposa, Perséfone. Então, no centro do Inferno, Orfeu cantou a música mais bela e mais triste que todos ali jamais tinham ouvido.

A música de Orfeu conseguiu tocar Hades, que em troca, permitiu que Eurídice retornasse ao mundo dos vivos. Mas com uma condição: que Orfeu não olhasse para trás, até que ambos estivessem de volta ao mundo terrestre.

https://i2.wp.com/17rg073sukbm1lmjk9jrehb643.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2016/03/eur3-1024x637.jpg

Orfeu fez toda a jornada de volta, com Eurídice seguindo-o em completo silêncio. Porém, ele cometeu o erro de olhar para trás logo após voltar ao mundo – a condição era de que ambos estivessem de volta, não apenas ele. Desta forma, ele perdeu Eurídice de novo, desta vez para sempre.

 


Orfeu da Conceição

Desde meados de 1940, o grande poeta e diplomata Vinícius de Moraes queria fazer uma peça inspirada no herói grego Orfeu, mas ambientado nas favelas cariocas e com os negros brasileiros.

Orfeu Negro, 1959

O site http://www.viniciusdemoraes.com.br tem algumas explicações sobre a motivação:

Suas incursões no mundo das favelas, dos terreiros de candomblé, da região do Mangue e das escolas de samba da cidade mergulharam o poeta em uma realidade afro-brasileira que não vivia até então. Ali, segundo o próprio, começou a aproximação entre os negros cariocas moradores das favelas e os gregos heroicos e trágicos dos tempos míticos.

Nesse mesmo ano, Vinícius estava passando alguns dias na casa de seu grande amigo Carlos Leão, localizada em Niterói, no Morro do Cavalão. Foi lá, lendo um livro sobre mitologia grega enquanto ouvia, ao longe, o som de uma batucada vindo de uma favela próxima, que o poeta vislumbrou o mito dentre escolas de samba. Naquele momento, sua tragédia carioca ganhava o primeiro ato.

 

Para ajudar na parte musical do projeto de “Orfeu da Conceição”, o músico Ronaldo Bôscoli apresentou a Vinícius aquele que seria o seu maior parceiro, Tom Jobim, formando a maior dupla musical de todos os tempos.

Tom Jobim teria ouvido a proposta da peça, mas a sua pergunta de verdade era outra: “Tem um dinheirinho nisso aí?”

Vinícius e Tom fizeram as músicas do espetáculo, que estreiou em 1956.

A peça virou um filme, Orfeu Negro, dirigido pelo francês Marcel Camus, que estreiou em 1959. Este filme ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro de 1960, mas representando a França, não o Brasil, já que toda a viabilização do filme foi por parte dos franceses, embora a filmagem e os atores fossem brasileiros.

 

O filme narra a história de Orfeu, um condutor de bonde, negro, que conhece Eurídice, uma negra vinda do sertão para viver no Rio de Janeiro. O enredo acontece no carnaval carioca, por isso, um clima com muita força, muita energia. O roteiro é inspirado no conto grego: Eurídice é perseguida por um homem estranho e morre por conta disso, Orfeu desce escadarias ao mundo inferior, canta num ritual de macumba, mas acaba não conseguindo resgatar Eurídice e ele mesmo morre no final…

 

 

 

Ninguém melhor do que o maior músico do mundo antigo, Orfeu, para unir os maiores sambistas do Brasil branco, negro, mulato, lindo como a pele macia de Oxum. Saravá, como diria o poetinha Vinícius de Moraes.


Orfeu Negro e Obama

O pai do ex-presidente Barack Obama é queniano, mas a mãe é americana, e branca.

A mãe de Obama tinha um fascínio por negros, e o filme “Orfeu Negro” era o filme favorito dela.

“Uma noite, enquanto folheava o jornal Village Voice, os olhos da minha mãe se iluminaram ao ver a propaganda de um filme, ‘Orfeu Negro’, que estava sendo exibido no centro. Minha mãe insistiu para que fossemos naquela noite; ela disse que foi o primeiro filme estrangeiro que ela viu”, conta Obama, antes de lembrar as palavras da mãe: “’Eu tinha apenas 16 anos. Foi a primeira vez que fiz algo totalmente sozinha. Senti-me tão adulta. Quando vi o filme, achei que era a coisa mais bonita que já tinha visto’, ela nos contou enquanto entrávamos no elevador.”

Mas Ann não conseguiu transmitir seu entusiasmo ao filho. “Os brasileiros negros e mulatos cantavam e dançavam e tocavam violão como aves livres de plumagem colorida. Na metade do filme, decidi que havia visto o suficiente e virei para minha mãe para ver se ela estava pronta para ir embora. Mas seu rosto estava vidrado na tela. Naquele momento, senti-me como se tivesse olhado por uma janela para seu coração, o coração de sua juventude. Percebi que o retrato de negros infantilizados que eu via, o reverso da imagem dos selvagens do (escritor britânico Joseph) Conrad, foi o que minha mãe carregou com ela até o Havaí anos atrás, um reflexo da fantasia simplista que havia sido proibida para uma garota branca, de classe média do Kansas, a promessa de uma outra vida: quente, sensual, exótica, diferente.”

Fonte: Último Segundo – iG @ http://ultimosegundo.ig.com.br/visitaobama/obama-descobriu-brasil-em-1983-com-orfeu-negro/n1238177528724.html

 

 

Este é o poder da música, acalmar feras, fugir do canto da sereia, forjar parcerias memoráveis e mudar o destino das pessoas.

 


Bônus: Valsa de Eurídice

 

Monólogo de Orfeu


 

Links

http://ultimosegundo.ig.com.br/visitaobama/obama-descobriu-brasil-em-1983-com-orfeu-negro/n1238177528724.html

http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/teatro/orfeu-da-conceicao

https://jornalggn.com.br/noticia/tom-jobim-vinicius-de-moraes-e-orfeu-da-conceicao-por-jota-a-botelho

https://www.google.com.br/search?q=orpheus+eurydice&client=ubuntu&hs=o9g&channel=fs&dcr=0&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjG-Iyth97YAhXHi5AKHXoyAGIQ_AUICigB&biw=1252&bih=617#imgrc=yOBlnwCJ_SxR2M:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s