As fundações das fundações das fundações

Segundo uma antiga lenda hindu, se o mundo existe, ele está apoiado sobre alguma coisa, porque ninguém nunca viu algo flutuando sozinho.
O que sustenta o mundo?
O mundo é sustentado por quatro elefantes.
Mas o que sustenta os elefantes?
Uma tartaruga gigante sustenta os elefantes…
A necessidade do ser humano de entender as fundações das fundações vem desde o início dos tempos.
Uma tradição muçulmana, descrita no livro “Imaginary beings”, de Jorge Luis Borges:
Deus fez a Terra, mas ela não tinha base e sob a Terra ele fez um anjo.
Mas o anjo não tinha base e sob o anjo ele fez uma rocha de rubi.
Mas o rubi não tinha base, e sob o rubi ele fez um touro com 4 mil olhos, orelhas, narinas, bocas, línguas e pés.
Mas o touro não tinha base, e sob o touro ele fez um peixe chamado Bahamut, e sob o peixe ele colocou água, e sob a água ele colocou a escuridão, e além disso, o conhecimento do homem não chega.
Bahamut
Uma terceira e última lenda. Para os gregos, a Terra era plana. O titã Atlas sustentava o mundo nas costas, uma punição por ter batalhado contra os deuses do Olimpo.
https://mindijofurby.files.wordpress.com/2012/09/greekatlas.png?w=448&h=673
Atlas
A única folga que ele teve foi quando o semi deus grego Hércules precisava de sua ajuda. Enquanto Hércules segurava o mundo, Atlas foi buscar os pomos das Hespérides. Atlas queria ficar mais um tempinho sem carregar tal fardo, mas foi enganado pela lábia de Hércules, e Atlas está até hoje segurando o mundo nas costas. Hoje em dia, ele até virou sinônimo de mapa de geografia, o Atlas escolar.
https://http2.mlstatic.com/livro-atlas-geografico-escolar-edico-atualizada-D_NQ_NP_13091-MLB20071241078_032014-F.jpg
Eu tinha um desses Atlas, há dezenas de anos atrás
Essas lendas são ingênuas, um exemplar da imaginação do ser humano. Mas houve una série de tentativas bem sérias de descobrir a causa das causas, a fundação das fundações. Uma dessas buscas é o  argumento da Causa Inicial.

A Causa Inicial
O argumento da causa inicial remete a pensadores como Tomás de Aquino, Baruch Spinoza e até a Aristóteles.
Nesta vida, tudo o que acontece teve uma causa. É um mundo causal, causas provocam consequências, e consequências tiveram causas.
A cadeira se move porque o homem empurrou. O homem empurrou movendo seus músculos. Seus músculos usam energia de uma reação química, que por sua vez se deve à comida ingerida, e assim sucessivamente.
Se toda consequência teve uma causa, ou isto teve um início, ou sempre foi assim para sempre. Até onde se sabe, tudo teve um início.  Se teve início, em algum momento houve uma primeira causa, a causa que gerou as primeiras consequências.
O filósofo grego Aristóteles, nos anos 300 a.C. chamou o primeiro movimento de “aquele que move estando imóvel”.
https://i0.wp.com/www.reasonablefaith.org/images/podcasts/rf_detail/rf_detail_208_0.jpg
Já o italiano Tomás de Aquino, nos anos 1200, chamou esta causa de “Deus”, sendo este argumento uma das provas da existência de Deus.
O holandês Baruch Spinoza, nos anos 1600, também explorou argumentos semelhantes para chegar à conclusão que a causa inicial era Deus, aquele que gera consequências sem ter causas…
Este argumento recebeu diversas críticas, de céticos como Immanuel Kant, Stephen Hawking, Richard Dawkings.
Por exemplo, de que adianta toda a argumentação lógica, para chegar no final e falar que um Deus explica tudo? É a mesma coisa que falar que é uma tartaruga que sustenta o mundo.
E se não houve a causa inicial? E se há causas e consequências infinitamente no passado, como se fosse uma tartaruga sustentando outra tartaruga, infinitamente?
Dentre as críticas, a do inglês Bertrand Russell, nos anos 1900. Se tudo tem uma causa, e a causa inicial é Deus, qual a causa inicial de Deus?
Bom, há uma legião de pensadores defendendo este tipo de argumento, e outra legião atacando o mesmo.
A conclusão: para mim, por via das dúvidas fico com a história dos elefantes e da(s) tartaruga(s) mesmo…
https://oldschoolrecordreview.files.wordpress.com/2015/04/turtles-all-the-way-down-sam-hollingsworth.jpg?w=506&h=673

Links e Recomendações de Leitura
O bem maluco “Livro dos seres imaginários”

Atlas e Hércules

https://cdn.shopify.com/s/files/1/0615/0537/products/statues-atlas-kneeling-with-world-on-his-shoulders-statue-grande-25-5h-7902-1_large.jpeg?v=1447461659

Atlas carregava o mundo em suas costas.

Suas costas doíam, não tanto por causa do peso, mas pela responsabilidade. É sua a responsabilidade de sustentar muitas pessoas. Tensão demais para uma pessoa (ou um deus) só.

Atlas

Stress, dor de cabeça. Trabalho demais, 24h por dia, 7 dias por semana. Aspirinas e café. Não é possível relaxar, deve-se sempre se preocupar com o que vem a seguir. Não há hora para terminar, não há tempo a perder. Não há como dedicar-se a si mesmo, ou à família. Stress.

Um dia um visitante chegou à Atlas. Ele precisava urgentemente de um pomo dourado, para cumprir uma das 12 missões que ele tinha. O pomo dourado só existia no pomar da deusa Hera. Atlas era o único que tinha o know-how para obter o pomo.

https://yt3.ggpht.com/--qqIy3iJ6VU/AAAAAAAAAAI/AAAAAAAAAAA/N6T59rGiFWs/s900-c-k-no-mo-rj-c0xffffff/photo.jpg

O visitante comprometeu-se a suportar o mundo enquanto Atlas buscava o pomo.

Atlas obteve facilmente o pomo do jardim de Zeus. Mas, no meio do caminho, ele sentiu novamente o gosto da liberdade. Não havia tensão. Não havia peso. Não havia responsabilidades. Não havia pessoas dependendo dele.

Atlas voltou ao visitante, e pediu que ele suportasse o peso do mundo por apenas mais algumas horas. Atlas disse que queria visitar a filha, para dar-lhe adeus.

O visitante prontamente concordou, disse que ele merecia essas horas como pagamento pela obtenção dos pomos. Só que o visitante pediu para Atlas segurar o mundo só um pouquinho, para que ele pudesse ajeitar a calça e segurar melhor. Depois disso, ele poderia ir visitar a filha.

Atlas segurou o mundo novamente. O visitante pegou o pomo e foi embora, para nunca mais voltar. Não falou uma palavra, nem olhou para trás, deixando novamente o peso do mundo para Atlas.

FIM.

Atlas e Hercules

greek_atlas_w60a

O 11o trabalho de Hercules era pegar 3 pomos das Hesperíades. Para tal, ele precisava da ajuda de Atlas.

Atlas é o titã que sustenta o mundo em suas costas. É por isso que os mapas do mundo se chamam atlas mundiais.

Somente Atlas poderia pegar os pomos. Então, eles trocaram. Hércules ficou carregando o mundo em suas costas, e Atlas ficou livre do pesado fardo de suportar o mundo por um tempo.

Atlas viu-se livre após milênios. Sentiu o delicioso sabor da liberdade, a leveza de poder respirar com tranquilidade e andar para onde quiser. Ele queria que este momento durasse infinitamente, mas em poucos minutos já tinha pego os frutos e estava de volta a falar com Hércules.

– Hércules, peguei os frutos.
– Ótimo

Mas Atlas hesitou, só de pensar em voltar a carregar o mundo em suas costas.

– Hércules, faz 3 mil anos que não vejo a minha filha. Estou com saudades dela. Estou até com saudades do marido dela, aquele vagabundo. Também queria saber que fim levou o meu cachorro. É rapidinho. Você pode carregar o mundo mais um pouco?

Hércules nem hesitou em responder.
– Claro, fica tranquilo. Você merece, depois de tudo o que fez por mim. Só que o meu calção está saindo do lugar. Você pode segurar o mundo por alguns instantes, só para eu arrumar o calção?

Atlas voltou a segurar o mundo para Hércules ajeitar a calça. E Hércules deu no pé, para nunca mais voltar.