Percepção, realidade e o Pareto a posteriori

Todas as vezes que escrevo algum texto, ou entrego algum projeto de forma geral, faço internamente uma avaliação: “este trabalho ficou muito bom, vai longe”; ou “não gostei muito, não acho que o alcance seja grande”.

Em geral, a previsão não se confirma. A nossa percepção da realidade é muito diferente da realidade.

Aliás, há uma assimetria, na verdade. Trabalhos ruins, ou textos ruins no caso do blog, certamente terão desempenho ruim – a correlação é de 100%.

Separando apenas os trabalhos bons, aí sim, não é possível saber se vai ser sucesso ou não.


Alguns exemplos.

Gostei muito de escrever o Índice X-Men de inflação. É algo que uma versão mais jovem de mim mesmo adoraria ler. Este texto teve um bom desempenho, mas pontualmente.

O índice X-Men de Inflação (ideiasesquecidas.com)

Já uma surpresa. O texto a seguir é muito simples, apenas uma ilustração do poder de uma série geométrica. Eu não sei bem o motivo, mas está com um bom index no Google, sendo constantemente um dos maiores views deste site.

Todos os grãos de arroz num tabuleiro de xadrez (ideiasesquecidas.com)

Um exemplo misto é sobre o dodecaedro mágico. Dentre os inúmeros métodos possíveis, eu criei este método, notação, tutorial, então é de se esperar que o conteúdo original tenha valor. E, realmente, até hoje é uma página muito acessada.

Como resolver o dodecaedro mágico? – Introdução (ideiasesquecidas.com)

Porém, fiz exatamente o mesmo para outros puzzles, como o cubo Sweb. Alguns puzzles mais simples e outros mais complexos – sem o mesmo sucesso.

Como resolvi o cubo Skewb (ideiasesquecidas.com)

Em termos de projetos também. Tem planilhas minhas rodando até hoje em diversos locais da empresa. Por outro lado, há trabalhos extremamente mais complexos e ambiciosos que serviram por um tempo, mas já foram substituídos.

Sabe o Princípio de Pareto, aquele de que 20% do trabalho vai gerar 80% dos resultados? Uma forma de interpretar é focar nos 20% que dá resultado, e abandonar 80%.

O Pareto é verdade, porém, a posteriori. Vendo o resultado pronto, é possível apontar o dedo e dizer: “olha só, isso não deu em nada”. Os mais chatos até acrescentam o “eu falei”, do alto de sua arrogância.

Contudo, a priori, não é possível dizer se o trabalho ficará nos 20% que dará frutos ou nos 80% que não dará em nada.

A minha solução é tentar sempre entregar o melhor trabalho possível. Revisar, ouvir o cliente, tentar atender especificações e prazos. E também, é melhor fazer o trabalho e testar logo na vida real, do que ficar eternamente aperfeiçoando na teoria.

A nossa informação sobre o mundo é extremamente limitada, de forma que não saberemos o que vai vingar e o que não vai – se soubéssemos, seria como uma bola de cristal, um oráculo de Delfi, bastaria confiar em nossa percepção e teríamos 100% de acerto!

Um último exemplo, e a trilha sonora deste post: Asa Branca.

Após compor a música, Humberto Teixeira achava que ela iria explodir nas paradas musicais. Já Luiz Gonzaga, tinha opinião contrária. Seria apenas mais uma música em seu portfolio…

Resultado: uma das mais belas canções já escritas em língua portuguesa.

Um comentário sobre “Percepção, realidade e o Pareto a posteriori

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s