O consultor dos samurais, seguros e a crise hídrica

ninomiyakinjiro
Na entrada de diversas escolas do Japão, há a estátua de um menino carregando lenha e lendo um livro. O nome dele é Ninomiya Kinjiro, e é um símbolo de esforço, parcimônia e doação. Há um post específico narrando a história dele.
Diz a lenda que, no Japão da época, houve um período do ano que estava chovendo abaixo do esperado. O calor era o mais forte que os mais velhos tinham conhecimento. O nível dos rios estava baixo, bem mais baixo do que no mesmo período do ano passado. A colheita estava crescendo abaixo do que a tábua de cálculo de Kinjiro previa que cresceria. Dizem que Kinjiro provou uvas de uma fazenda, e elas não estavam boas. Então ele finalmente se convenceu de que havia alguma coisa errada.
Kinjiro passou a liderar uma forte campanha de racionamento de alimentos. Poupar hoje para não faltar amanhã. Diminuir o consumo hoje como um seguro para épocas seguintes.
Apesar de ser uma medida impopular, pois submetia a população aos inconvenientes de um racionamento, era o que deveria ser feito. Então, com a coragem que tal medida requeria, e com transparência total para com a população, ele conseguiu poupar a produção de alimentos.
Muitos concordavam que a época de secas estava um pouco pior do que o normal, mas esperavam que a época de chuvas fosse melhor. Mas Kinjiro era firme. Não deveriam se basear num cenário romântico, mas sim num cenário provável. E também ter um seguro. Seguros são instrumentos muito comuns no mundo financeiro, mas sua concepção pode ser estendida para outras áreas. Um seguro é um preço que pagamos hoje, para evitar ou mitigar possíveis efeitos ruins no futuro. Se o cenário ruim não ocorrer, perdemos o preço que pagamos hoje. Mas, se o pior cenário possível ocorrer, o preço que pagamos hoje é muito menor do que o efeito do pior cenário.
crise-hídrica-São-Paulo-1
Diz a lenda que o clima no Japão foi impiedoso nos anos seguintes. O vilarejo de Kinjiro sobreviveu com certa facilidade por causa do racionamento, que tinha começado anos antes. Então, outros vilarejos das redondezas buscaram o auxílio do vilarejo de Kinjiro. É como se o seguro deste tivesse coberto até mesmo alguns terceiros.
Alguns milênios depois, a mais grave crise hídrica de São Paulo dava indícios de que algo estava errado há vários meses. O governo resolveu tratar o caso sem transparência (sem assumir que deveria haver um racionamento pesado) e sem seguro (sem tomar, há meses atrás, medidas fortes para diminuir o consumo), torcendo pelo período chuvoso. Hoje, estamos no meio de janeiro, e o Cantareira está a 6,5% da capacidade, já esgotados algumas reservas de emergência. Meses úmidos como novembro, dezembro e janeiro já passaram, e nada de melhorar. Temos pela frente mais alguns poucos meses historicamente chuvosos para entrar em outro período de seca.
Haverá o colapso do sistema hídrico. Medidas como multar quem consome muito, premiar quem é frugal, admitir o racionamento, consertar vazamentos e fazer obras deveriam ter começado há vários meses, quiçá anos atrás.
13-01-2015_Interna
Há chance de haver problemas no sistema elétrico, pelo mesmo motivo (falta de chuvas em todo o país). O que vem salvando o sistema elétrico são as termoelétricas, estas sim construídas como um seguro para momentos como este, no governo FHC há mais de 10 anos atrás,
É impossível prever o futuro, mas é possível fazer cálculos de cenários e adquirir seguros. O preço do seguro pode não ser barato, mas é um preço muito baixo, comparado ao custo de um evento de alto impacto, um Black Swan.
Arnaldo Gunzi
Jan/2015
(por enquanto não falta água em casa, pelo reservatório daqui ser o Guarapiranga).
Bônus: a bela música “Asa Branca”

Quando olhei a terra ardendo
Qual a fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Que braseiro, que fornalha
Nem um pé de prantação
Por falta d’água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Um comentário sobre “O consultor dos samurais, seguros e a crise hídrica

  1. Arnaldo Gunzi

    Só para deixar claro. Votei no Alckmin todas as vezes em que concorreu, e odeio dizer que algum político ou governo não fez algo direito. Mas, neste caso, é ele sim que deveria ter sido transparente e tomado medidas duras desde o início.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s