4 dicas de produtividade

Seguem algumas técnicas que utilizo. Longe de serem as únicas, mas funcionam, pelo menos para mim.

1. Energia

Uma estratégia de produtividade que uso: fazer a tarefa mais difícil, que exige maior criatividade, no momento em que tenho mais energia (das 5 às 7 da manhã). Cada um tem o sua período mais produtivo. Para alguns é mais à noite, outros, de manhã.

O resto do dia, sob reuniões, distrações diversas, utilizo para as tarefas mais burocráticas ou trabalhosas, menos criativas.

É impressionante como essas duas horas produzem mais do que o resto do dia inteiro.

2. Andar

Uma das maiores fontes de criatividade é andar.

Diversos pensadores gostavam de andar e ter ideias no processo. Albert Einstein era famoso por caminhar com Kurt Godel e discutir física. Steve Jobs fazia inúmeras “reuniões andantes”. Friedrich Nietzsche teve algumas de suas maiores inspirações (como o “Eterno Retorno”) enquanto caminhava.

Somente o ser humano anda habitualmente em duas pernas. Parece tão simples, mas o ato de andar envolve uma capacidade mental enorme: balanço, orientação, centro de gravidade… Estima-se que seja necessário fazer um bilhão de cálculos para andar. Vide https://antoniamalchik.medium.com/walking-is-central-to-human-evolution-but-nobody-knows-why-aa2577b937be.

Aliado a isso, tem um caderno de notas para escrever. Thomas Edison tinha centenas de cadernos de notas. De centenas de notas, algum coisa útil vai sair. Este post é resultado de notas antigas compiladas, por exemplo.

3. Audiobooks

Eu gosto bastante de áudio-livros. Ou andando, ou no transporte, pode ser uma alternativa muito boa, e hoje em dia, é muito fácil encontrar títulos (ex. Audible) e também tocar (qualquer celular + fone).

Outra alternativa é a de resumo de livros. Notavelmente três: Blinklist, 12 min e Instalivros. Todos eles liberam um resumo grátis por dia. Resumos têm o seu limite. Um livro profundo e complexo dificilmente será bem resumido. Mesmo assim, é uma ferramenta boa, para entender um pouco mais de algum tema e para relembrar pontos principais.

Podcasts hoje em dia substituem livros. O TED talks daily tem temas diversos. Há também conteúdo de nicho específico – gosto do Lex Fridman, que fala de tecnologias. Não ouço tanto podcasts, porque prefiro as alternativas acima.

É possível mudar a velocidade de reprodução. Qual a ideal? 2x? 1,5x?

Para mim, tem que ser compatível com a velocidade que a cabeça está girando. Se estou a mil por hora, cheio de energia, dá para colocar em 2x, concentrar e aproveitar o conteúdo. Se a cabeça está devagar, também a reprodução tem que ser mais lenta. Caso contrário, não adianta se enganar, achando que está aproveitando o conteúdo.

4. Google Alerts

Uso o Google Alerts (https://www.google.com/alerts) para cadastrar palavras-chave de temas específicos e receber e-mails diários.

Exemplo: Gosto de acompanhar o que a empresa DeepMind faz, então tem um alerta específico para ela.

Dá para especificar a língua desejada, região, frequência de e-mails (semanal, diário).

Ficam as dicas.

Dopamina, a molécula do mais



Algumas notas sobre o livro “Dopamina, a molécula do mais”. O tema é esta molécula bastante importante para a nossa vida.

Link da Amazon: https://amzn.to/3lwnQER

https://moleculeofmore.com/


A Dopamina é um neurotransmissor que influi no nosso comportamento. É a molécula da surpresa, do futuro, que nos faz querer mais.

A Dopamina é obcecada por nos manter vivos: reproduzir, comer, acumular qualquer coisa que vai nos ajudar a sobreviver.

Já outros neurotransmissores como oxitocina e endorfina são moléculas do presente.

Quando a expectativa vira verdade, a dopamina perde o efeito. A dopamina é o que nos faz querer, ir atrás, só do que é novo. Sabe aquele livro velho na sua estante? Zero dopamina.


O futuro não existe, é ilusão.


A mente faz uma espécie de cálculo Expectativa x Realidade. Se a realidade for menos do que a expectativa, frustração. Se for mais do que a expectativa, alegria.


Drogas e vício sequestram o circuito de recompensas. É como um míssil de dopamina. Age de forma semelhante a vícios como em comida e sexo.

O círculo vicioso de querer mais e mais faz com que os hábitos vão mudando aos poucos. Um exemplo é beber. Uma pessoa pode adquirir o hábito de beber mais, daí vai ficar mais tempo em casa para beber, economizar para beber, e assim sucessivamente.


O vício é como o peso de elefante. O viciado sente que a droga é preferível à família, comida, abrigo, porque a dopamina representa a sobrevivência.


No caso de comida, por exemplo, há circuito no cérebro para contrabalancear o efeito do desejo. No caso de drogas, não tem esse mecanismo, o que piora o círculo vicioso.


Porque Lance Armstrong se drogou, mesmo após vencer 7 vezes o Tour de France? Uma forma de explicar é através da dopamina. Justamente por vencer tanto, ele só ficaria satisfeito se continuasse vencendo. É a perseguição que interessa. É pior perder depois de vencer, do que perder sem nunca ter vencido.

Veja também:

Como ler 300 resumos por ano (de graça e de forma legal)

Bom, na verdade, o correto é “como ouvir” 300 resumos de livro por ano (de graça e de forma legal).

O segredo são serviços comerciais de resumos de livros. Conheço três: o 12 min, Blinklist e o Instalivros.

Todos os três serviços dão uma amostra grátis por dia. Um livro diferente a cada 24h, variando o assunto aleatoriamente: negócios, biografia, economia, finanças.

Os resumos são muito bons, capturando pontos principais dos livros. Em geral, são resumos que cabem em 12 min, mas alguns chegam a quase 30 minutos. Não é nada em grande profundidade, porém, é o suficiente para ter uma boa ideia dos temas discutidos, relembrar livros já lidos e avaliar se vale uma leitura mais profunda.

Gosto mais dos americanos 12 min e Brinklist. O acervo é maior e os resumos melhores do que o brasileiro Instalivros (que também é bom, sem dúvida).

Ou seja, tendo a disciplina para ouvir um resumo de cada por dia, já são 3 no dia. Nesses tempos de pandemia e home-office, assumi o hábito de ouvir esses resumos logo pela manhã, no intervalo de descanso entre tarefas.

Tento fazer essa rotina todos os dias, mas nem sempre é possível, e de vez em quando o livro é de um assunto que não interessa. Calculo que, em média, devo ter ouvido o equivalente a 300 resumos/ano, adotando a técnica citada. Nada mau.

Lembrando que resumos têm uma utilidade resumida. Eles são apenas uma boa introdução.

Para ninguém me chamar de pão-duro (o que é verdade de certa forma), em período de férias, eu assino um desses serviços, afinal, tenho mais tempo.

Eis aí uma boa dica de produtividade. Aproveitem.

Veja também:

Produtividade (ideiasesquecidas.com)

Produtividade em áudio (ideiasesquecidas.com)

Blinklist, 12 min e Instalivros

Nesta quarentena forçada, estou testando a fundo os serviços de resumo de livros Blinklist, 12 min e Instalivros.

A proposta deles é semelhante. Fazer resumos de livros, principalmente ligados a negócios, e disponibilizar no aplicativo. Além da versão texto, todos têm versão áudio, o que eu gosto bastante.

Como o próprio nome sugere, são textos de 12 minutos, ou microlivros.

Eles evoluíram absurdamente nos últimos anos. Hoje, eles têm um acervo enorme – o Blinklist, por exemplo, tem mais de 2.500 resumos. A forma com que esses são feitos também evoluiu: resumos bons, dinâmicos, chamam atenção.

Uma grande vantagem é dar uma pincelada em 10 livros no mesmo tempo em que você leria 1. Porém, resumos têm uma utilidade reduzida. Vou listar alguns pontos do que é e do que não é este serviço.

1 – O que é:

  • O resumo é uma bela introdução ao livro.
  • Com o resumo, é possível decidir o que ler e o que não ler, uma triagem mais profunda.
  • Há assuntos que não fazem parte da nossa competência principal, e não queremos aprofundar. Para esses, o resumo pode ser suficiente.
  • É útil relembrar pontos principais de livros já lidos.
  • Alguns livros têm muita enrolação e pouco conteúdo, neste caso, um resumo bem feito pode até substituir a leitura toda.
  • Assim como em áudiolivros, a versão áudio dos resumos pode ser acelerada para reproduzir em velocidades maiores.

2 – O que o serviço não é:

  • Não substitui a leitura do livro original, por não ter a profundidade do mesmo.
  • Por ter foco em business, não vai ter assuntos técnicos, como matemática ou física.
  • A qualidade depende muito da equipe que fez o resumo. Se ela fizer um resumo ruim, ou focar mais num ponto do que outro, estaremos perdendo conteúdo relevante do livro.
  • Não é uma avaliação crítica, nem uma interpretação do livro. É apenas um resumo.
  • Após a leitura, noto que a retenção de informação é menor do que num livro normal. Para aumentar a retenção, é necessário tomar notas, ouvir de novo, fazer um resumo do resumo, etc.

Outras questões:

O Instalivros é em português. Os demais em inglês.

Custos. Os preços deles estão na mesma ordem de grandeza. Há períodos trial – o do Blinklist, estou utilizando 30 dias. O 12 min, tinha 7 dias.

Dica de ouro: mesmo depois do período de avaliação, todos os serviços liberam um livro grátis por dia. Instalando os três, mesmo sem pagar nada, é possível percorrer três resumos por dia!

Além dos serviços citados, há outros concorrentes com proposta parecida. Há também podcasts de resumos (já ouvi alguns e não gostei de nenhum, por enquanto). Quem tiver outras recomendações, favor postar nos comentários.

Na verdade já lidamos com resumos desde sempre. Nunca li os Lusíadas de cabo a rabo. Nem o Guarani. Como caía no vestibular, o que sei desses é um resumo, no caso feito por um professor. Acho que li Dom Casmurro, mas o que ficou gravado mesmo foram as aulas e as discussões – Capitu traiu Bentinho ou não?

Aliás, uma forma excelente de aumentar a retenção é vendo filmes (quando existem) ou versões em quadrinhos – gostei muito deste abaixo:

Bons resumos!

Resumos têm utilidade resumida

Já tentei algumas vezes acompanhar aqueles resumos de um página, de livros de negócios, economia, etc. Fiz um teste, comparando o resumo contra o meu conhecimento de um livro que já tinha lido.

A sensação que tenho é que não funcionam. Perde-se demais do conteúdo ao ler apenas o resumo. Não há a profundidade necessária para a compreensão do tema.

Parece que o ser humano, para entender alguma coisa direito, tem que fazer muitas conexões neurais. Correlacionar o que está sendo dito com alguma experiência: o vinho tomado na praia, a aula com o professor divertido, a música do filme do cachorro, etc… Portanto, o aprendizado humano necessita de tempo e que a mesma tecla seja repetida algumas vezes, sob contextos diferentes. E é isso que o resumo não tem, não dá a chance de martelar o assunto na cabeça do fulano (e isto se o resumo for bem feito, o que muitas vezes não é).

A ideia de conexões neurais tem até um nome: Princípio de Hebb: neurõnios que se ativam juntos, disparam juntos. E este princípio é utilizado em alguns algoritmos de aprendizado de máquina.

O único jeito que um resumo funciona é se eu mesmo fizer o resumo. Ler várias páginas, entender a profundidade e registrar os pontos chave. Ler 500 páginas para criar uma. Aí sim, o resumo vai fazer sentido (mas só para mim).