Prevendo Cisnes Negros (e errando a previsão)

Um dos maiores pensadores de nosso tempo é Nassim Taleb, autor de livros como “A lógica do Cisne Negro” e “Antifrágil”.

Algumas de suas ideias vêm se tornando jargão comum nos negócios e na sociedade, e como sempre acontece nesses casos, há muita gente que faz mau uso dos conceitos envolvidos. Leram e não entenderam. Ou pior, nem devem ter lido e propagam sem entender minimamente.

Dois exemplos:

1 – O meu feed de notícias mostra o seguinte artigo: “Por que eventos inesperados são chamados Cisnes Negros e como a ciência está trabalhando para predizê-los.”https://marketresearchtelecast.com/why-unexpected-events-are-called-black-swans-and-how-science-is-working-to-predict-them/151508

A chamada do artigo não faz nenhum sentido. O que Taleb afirma é exatamente o oposto: há eventos de baixa probabilidade e altíssimo impacto, impossíveis de prever.

Link da Amazon: https://amzn.to/2VvsEzX

Não é colocando mais ciência ou mais estudos econômicos que os Cisnes Negros serão previstos, muito pelo contrário: confiança cega qualquer área do conhecimento é exatamente uma das causas de eventos extremos. Taleb é extremamente crítico a economistas, acadêmicos e consultores que sabem tudo.

A chave é reconhecer que não entendemos o mundo em que vivemos, e por isso, não deixar empresas, governos e economia tomarem proporções complexas demais, alimentando futuramente um risco catastrófico.

Não por acaso, o subtítulo de um dos livros é “Como viver num mundo que não conhecemos”.

2 – Usar “Antifrágil” no sentido de autoajuda: “Seja cada dia mais antifrágil”, “Somos uma empresa antifrágil” ou algum chavão do tipo, que não faz sentido algum.

Primeiro, uma definição. Qual o oposto de frágil? Seria “robusto”?

Link da Amazon: https://amzn.to/3hlSoGJ

Porém, “robusto” tem um problema. Se “frágil” é algo que quebra após um estresse, para o “robusto” não acontece nada. O oposto de “frágil” é algo que fica melhor após o estresse, daí o termo “Antifrágil”, criado por Taleb.

Exercícios físicos são estressores, que tornam o corpo mais forte, por exemplo. Ou o sistema imunológico do corpo humano.

Outro exemplo: as pessoas, como sociedade e não como indivíduo. O indivíduo é frágil: se ele tentar empreender e fracassar, é ele que vai arcar com boletos atrasados. Já a sociedade se beneficia da fragilidade dos indivíduos, porque aqueles que conseguirem triunfar vão gerar valor para o todo continuar evoluindo.

Qual a relação do problema do Cisnes Negros e Antifragilidade? Quanto maior o Cisne Negro, quanto maior o risco, mais frágil é o sistema. Já riscos menores, distribuídos, orgânicos, são bons, porque tornam a sociedade como um todo antifrágil.

A antifragilidade não é uma frase de motivação. Muito pelo contrário. É um convite a abraçar o caos, a empreender, é um convite ao sacrifício de arriscar e assumir as consequências dos erros na própria pele.

Para fechar, algumas frases de Taleb, no seu livro “A cama de Procusto”, ao seu estilo provocador:

Link da Amazon: https://amzn.to/3A0xAMd

“É muito mais fácil enganar pessoas prometendo bilhões do que apenas milhões”

“Vi um painel com o economista Edmundo Phelps, que obteve o Nobel por escritos que ninguém leu, teorias que ninguém aplica e aulas que ninguém entende”.

“A imaginação do gênio vastamente supera seu intelecto; o intelecto do acadêmico vastamente supera a sua imaginação.

“O pior estrago é causado por pessoas competentes tentando fazer o bem; as boas melhorias são feitas por incompentes que não tentar fazer o bem”.

“Uma empresa tem muito a se preocupar quando o cabeça dela vem a público dizer que não há nada a se preocupar”.

“O que eles chamam de risco, eu chamo de oportunidade; mas quando eles dizem oportunidade de baixo risco, eu digo armadilha de perdedor”

“Para se tornar um filósofo, comece a andar bem devagar”.

“Felicidade: não sabemos como medir ou obter, porém sabemos como evitar tristeza”

“Acham que inteligência é sobre notar o que é relevante; num mundo complexo, inteligência consiste em ignorar o que é irrelevante”.

“Conhecimento é subtrativo, não aditivo – subtraímos o que não funciona, o que não fazer”.

Veja também:

Audiolivros, livros e epistemologia

Muita gente me pergunta como consigo escrever sobre tantas coisas. O segredo é simples, estudar muito, ler muito, conversar com pessoas qualificadas.

Mas como ler muito, estudar muito se passo a maior parte do tempo trabalhando ou cuidando da família?

Algumas dicas são o uso de audiobooks, livros digitais e ensinar outras pessoas.


Audiolivros

bigstock_Audio_book_14340599-e1330386218724.jpg


Audiolivros são livros lidos e gravados em áudio digital. O Audible (www.audible.com) tem um catálogo grande sobre diversos assuntos. Ouço quando estou indo trabalhar de transporte público (e por outro lado me forço a andar de transporte público para estudar), andando na rua ou quando estou sem paciência para ler. Os audiobooks são em inglês, e isto é melhor ainda, para treinar o idioma.


Livros digitais

ebooks.jpg

Livros digitais, via Kindle, Kobo reader ou qualquer outro, baixaram o custo de comprar um livro pela metade ou menos do custo do livro em papel. Uso e abuso de livros digitais, carregando comigo uma verdadeira biblioteca nele. Tudo em inglês, é claro. Leio numa fila de espera do consultório médico, no aeroporto, no avião, em casa. É claro que o livro em papel ainda é superior, mas o digital tem evoluído demais.


Ensinar

11-06-15-workshop.jpg

Mas a mais poderosa dica é a de ensinar. A melhor forma de aprender é ensinando. Porque quem ensina tem que saber o que está fazendo. Vejo diversos erros em argumentos quando estou explicando ideias para outras pessoas. E este espaço é basicamente isto, estou ensinando muitas coisas, mas também estou aprendendo muito. E, quanto mais qualificada é a pessoa com quem dialogo, mais eu ganho.

Numa fórmula, ficaria assim:

Ensinar = Aprender^2

Leitura e estudo são a base de conhecimento, sobre a qual acrescento ideias próprias baseadas em vivência e teste das ideias apresentadas, aceitando ou rejeitando ideias e gerando novo conhecimento. Esta é a minha epistemologia.


O mundo é um ciclo. Quanto mais conheço, mais fácil fica conhecer ainda mais. Quanto mais tenho ideias próprias, mais capacidade tenho de gerar novas ideias. Vide post relacionado.

 
Tudo o que escrevi é simples de se explicar, mas muito difícil de fazer. Que tal começar a praticar agora?