​ Comprar um disco por uma faixa

Há 200 anos, assistir a uma ópera era algo caro, demorado e restrito à nobreza. Imagine ter que sair de casa, colocar roupas pomposas, viajar por várias horas até chegar ao teatro, onde os músicos performavam ao vivo.
Opera.jpg
Por isso, o espetáculo tinha que ter uma quantidade razoável de tempo. Durava umas 3, 4 horas. Não fazia sentido uma ópera durar 3 minutos, mesmo que a única música legal dela seja esta de apenas 3 minutos.
O avanço da tecnologia permitiu um enorme barateamento da distribuição de informação. Com o surgimento dos discos LP, e depois CD, qualquer plebeu poderia ter acesso à música.
MOVATM078.jpg
Mas mesmo assim, era preciso produzir o disco, e tê-lo fisicamente. Mesmo que a única música legal do disco tivesse 3 minutos, o disco vinha com 40 minutos.
Com a internet, não é mais necessário ter um cd físico. É possível comprar somente a faixa de 3 minutos que era o que o consumidor queria mesmo.
itunespurchase.JPG
Em física, há o Princípio da Inércia, formulado por Isaac Newton. Um objeto em repouso tende a continuar em repouso, e um objeto em movimento tende a continuar em movimento. Para sair do repouso para o movimento, deve-se aplicar uma força (proporcional à massa e à aceleração), e para parar o movimento, idem.
A tecnologia diminiu a inércia das transações, no sentido de sair de um estado (não tenho música) para outro estado (tenho música).

Com os livros é exatamente igual. Para justificar o custo de R$ 80,00 de um livro (impressão, transporte, exposição na livraria) este deve ter umas 300 páginas, mesmo que somente 10 páginas sejam o cerne do conteúdo inteiro.
Isto está mudando também. Com blogs que custam muito pouco para produzir, é possível expor somente o conteúdo essencial do trabalho, sem enrolações e encheções de linguiça.

Um filme no cinema deve durar umas 2 horas, para justificar o tempo gasto indo ao cinema, esperando na fila, etc. Mas um filme no youtube pode ter apenas o tempo necessário, porque não é necessário ir a um cinema para assisti-lo.

Na faculdade, uma aula presencial tem que mobilizar alunos e professores. Com o tempo que se perde no início e distrações, a aula tem 50 minutos. Mas uma aula no YouTube pode
conter somente os 20 minutos de conteúdo real.

O expediente padrão de 8 ou mais horas de trabalho também tem uma série de distrações. Ninguém consegue ficar todo o tempo ligado, concentrado. O tempo líquido é muito menor. E grande parte do trabalho poderia ser à distância, e focado no que realmente é efetivo.

Aulas e expediente de trabalhos ainda são muito tradicionais para mudar. Pode-se argumentar que é legal para o ser humano ter estes contatos não produtivos. Mas é legal até um certo ponto. O jeito atual é 100% rígido. A tendência é que muito do que fazemos hoje seja mais flexível e rápido, direto e produtivo, devido à redução da inércia provocada pela tecnologia.

Uma única lição sobre administração

Se este Blog pudesse transmitir uma única lição aos seus leitores, esta lição seria sobre a importância de ser Eficaz.

 

Eficácia e Eficiência são duas palavras muito parecidas, mas com conceitos bastante diferentes. Saber a diferença entre elas pode resultar no sucesso ou no fracasso de um projeto, no trabalho útil ou em seguir ordens que não levam a nada.
 


Qual a diferença entre eficácia e eficiência?

 

– Eficácia é saber qual é o trabalho a ser realizado.
– Eficiência é fazer bem algum trabalho.

 

Escher-Mão-que-desenha-a-mão.jpg

 

Embora a eficiência seja importante, a eficácia é dezenas de vezes mais importante.
 


Eficácia
Eficácia é parar para pensar e tentar responder a duas perguntas. O que deve ser feito? O que é o correto?

 

Ser Eficaz é fazer um trabalho que realmente agregue valor ao cliente. Não é o número de horas trabalhadas que importa, mas sim o resultado útil que saiu deste trabalho.
 


Exemplos

 

Eficiência é padronizar trabalho, de modo que o conhecimento fique explícito ao processo, e todos o possam executar da mesma maneira. Eficácia é analisar se o trabalho realizado realmente é o que interessa à pessoa que vai receber o resultado.

 

32-0.png

 

Eficiência é vender exatamente o que o cliente pediu, nos prazos e na qualidade desejada. Eficácia é entregar o que realmente vai resolver o problema dele, mesmo que ele tenha pedido algo diferente, ou que seja mais barato do que ele tenha pedido. Não é porque o cliente pediu algo que o administrador deve dar isto, até porque o cliente pode não ter tanto conhecimento. Além de ser um vendedor, também ser um consultor. Hoje em dia isto tem até um nome, o Vendedor Consultivo.

 

O digitador mais rápido do mundo é muito eficiente, porque entrega um ótimo trabalho em menos tempo e com menos erros do que os outros. Mas isto não quer dizer que ele seja eficaz, se o que estiver digitando não servir para nada.

 

monkeys-typing.jpg

 

Note que o melhor digitador do mundo pode ser substituído por uma máquina, um scanner, ou um macaco treinado. O vendedor pode ser substituído por um catálogo e tecnologia de venda on-line. E o processo automatizado pode ser feito por uma rotina computacional, ou pode ser terceirizado para ser feito por um indiano que recebe um terço do salário.

 

Mas o escritor que dita o trabalho, o Vendedor que também presta consultoria e o administrador que cria os processos não podem ser substituídos por máquina alguma, porque são eles é que programam as máquinas. Máquinas não tem criatividade.
 


Uma última analogia, com o esporte de tiro ao alvo. Eficácia é ter um tiro com uma média próxima ao alvo, independente do desvio padrão. Eficiência é ter um desvio padrão baixo, independente do tiro estar acertando ou não ao alvo.

 

MediaDesvio

 

Primeiro deve-se ter a eficácia de conhecer  o alvo a ser atingido e descobrir o caminho para chegar até lá. Depois, vem a padronização, a melhoria, o ganho de eficiência.
 


TI Bimodal

 

 

Em termos da ideia de TI bimodal, primeiro é o modo rápido, da prototipagem e da adequação de processos – o modo eficaz. Depois, é o modo pesado, dos padrões fixos, estruturados, robustos – o modo eficiente.
 


 
São conceitos simples, mas é impressionante a quantidade de projetos furados e trabalhos que não agregam valor, focando a eficiência de projetos não eficazes.

 

Antes de fazer algum trabalho porque alguém mandou, que tal perguntar: qual o problema a ser resolvido? O que estou fazendo vai ajudar? O que mais deve ser feito? Este processo realmente precisa existir?

 

Eficácia é fazer a coisa certa, e eficiência é fazer certo alguma coisa, segundo o Mestre Peter Drucker.

 
Arnaldo Gunzi
Set 2015
 
Mapa do site


Lição de casa, também inspirada em Drucker: o que você vai fazer de diferente na segunda-feira, após ler este post?
 


Leitura recomendada:

Livro: O Gestor Eficaz

Livro: Introdução à Administração

Qual a minha contribuição?

16897056-3d-people--man-person-with-chart-financial-contribution

Gerenciar trabalhadores do conhecimento é um grande desafio. Trabalhadores do conhecimento devem ser parceiros, não funcionários. Eles são donos dos seus meios de produção, que é o cérebro entre seus ouvidos. Basta um computador, informação e um meio de comunicação para desempenhar o seu trabalho. Entretanto, apesar de serem poucos, e com poucos subordinados, decisões destes trabalhadores da era do conhecimento têm grande impacto na companhia. Pode ser a diferença entre uma decisão certa ou errada, entre horas a mais ou a menos de desempenho do pessoal operacional.

Diz o Grande Mestre Peter Drucker que deve-se perguntar ao trabalhador do conhecimento: “Qual é a sua contribuição?”
No cargo e função que o trabalhador atual, o que ele tem efetivamente a contribuir? A pergunta não é “O que me disseram que devo fazer”, mas sim “em que posso contribuir? O que posso fazer, que aproveite os meus pontos fortes, e gere resultado efetivo para a empresa e para a sociedade? Como posso gerar resultados que façam a diferença?”

Outra pergunta profunda, que deve ser questionada de tempos em tempos: “Como você gostaria de ser lembrado?” “Como você gostaria, daqui a 15, 20 anos, que o trabalho que foi feito aqui fosse lembrado? Sentiria orgulho do que fez, do que atingiu? Fez o que era o correto a fazer, fez o que deveria ser feito?”

Trabalhadores do conhecimento gerenciam a si mesmos, não sendo necessário dizer o que deve ser feitos. Eles é que devem dizer o que podem fazer para contribuir.