Tribo comunista x tribo capitalista

Imagine duas tribos, uma comunista (o Bananistão) e outra capitalista (o Trumpistão), cada qual com, digamos, 100 pessoas.
Imagine também que a renda de todos os membros de ambas as tribos seja a mesma: um punhado de frutas e dois peixes por dia.

 

 

Num belo dia, em ambas as tribos, surge um empreendedor com uma ideia brilhante: usar uma lança para caçar javalis.

 

 

Com o poder da lança, a distribuição de renda tinha mudado drasticamente. Uma única pessoa passou a ter muito mais renda do que as demais.

 

 

A tribo comunista era governada pela grande líder Barba. Vendo a situação, este criou um discurso de luta de classes. Era a “elite” contra o “povo”. Seria esta elite que estaria por trás dos infortúnios do povo. A elite não queria que o pobre comesse carne de javali, por isso o preço deste ser tão alto.

 

 

Com isto, eles exigiram que a lança do empreendedor pertencesse ao povo. Coletivização dos meios de produção, porque se o povo produz, a tudo ele pertence.

 

 

Ao coro de “Povo bom, rico mau! Povo bom, rico mau!”, o empreendedor entregou a primeira lança aos governantes. Algumas semanas depois, produziu e entregou a segunda lança, sem remuneração alguma, é claro. Depois da terceira lança confiscada, o empreendedor desistiu e voltou para a dieta à base de peixes.

 

O povo não fez muito bom uso das lanças. Um membro da tribo tentou caçar com a lança. Após uma batalha extenuante, finalmente conseguiu. Ao chegar à tribo, dividiu o javali com todos os outros integrantes, ficando apenas com uma fração da recompensa. Nos meses seguintes, este não mais se voluntariou a ir caçar, e nenhum outro o fez.

 

Já no Trumpistão, a desigualdade de renda também aumentou tremendamente. Porém o empreendedor teve a liberdade de fazer o que quisesse com os frutos de sua caçada. Trocou por muitos peixes e ainda sobrou. Contratou mão de obra para produzir lanças e ajudar na perigosa caçada ao javali.

 

 

Quanto mais pessoas aprendiam sobre a lança, mais o conhecimento se difundia, e mais as técnicas de produção e de caça eram aperfeiçoadas. Vendo o sucesso do empreendedor original, vários outros concorrentes surgiram, com tecnologias ainda melhores.

 

 

Como consequência, maior era a desigualdade social, porque uns poucos tinham mais do que o restante. Porém, a desigualdade sozinha nada significa, porque todos os integrantes da tribo se beneficiaram, mesmo que indiretamente, da fartura trazida pelas novas técnicas. O mais pobre não ficou mais pobre, pelo contrário, todos ganharam.

 

Outro fator, não menos importante. O empreendedor do Bananistão, ouvindo falar que teria aos seus meios de produção respeitados, migrou para para o Trumpistão, mais especificamente, um lugar chamado Vale da Areia, onde havia o tecnologia de ponta de lança. Sendo um engenheiro brilhante, contribuiu ainda mais para o desenvolvimento desta.

 

O Bananistão, agora com 99 membros, continua igual, com seu punhado de frutas e dois peixes por dia. Na verdade, está pior, já que as poucas lanças que existiam enferrujaram devido à falta de manutenção.

 

Já a tribo capitalista vem crescendo 7% ao ano. Novas técnicas foram sendo criadas: a rede de pesca, machadinha, novos modelos de fogueira e tantos outros. Frutas, legumes, peixe, javali, galinhas e iguarias de todo lugar estão à mesa dos habitantes de Trumpistão.

 

Por fim, o grande dirigente Barba afirmou que as condições de vida estagnadas do Bananistão são culpa do imperialismo.

 

“Povo bom, rico mau! Povo bom, rico mau!”

 

, gritavam as pessoas ao fundo.

 

 

 

Por que o segredo da inovação está no ecossistema?

Já ouvi muitas palestras e discussões argumentando que o ecossistema é o segredo da inovação.

 

Sempre achei que isto fosse bullshit. Ecossistema, como assim? O que tem a ver alhos com bugalhos?

 

turtle_ocean_sea_meeresbewohner_underwater_red_sea_coral_diving-1119319.jpg!d.jpeg

 

Esta mentalidade mudou depois que fui até a China ver o que rola por ali. Ou, no caso dos meus grandes amigos Weber Pimenta e Felipe Allevato, ir ao Vale do Silício ver o que acontece por lá.

 

E, após várias ponderações, a conclusão é que o segredo da inovação está no…. ecossistema!

 

O ecossistema é o todo, a soma de todas as partes. É muito maior do que um indivíduo ou grupo de indivíduos consegue fazer com sua própria força.

 

A começar pelo capital humano. Além desses lugares terem universidades de ponta (como Stanford nos EUA e Tsinhua na China), as melhores cabeças do mundo migram para lá em busca de oportunidades para escalar o seu negócio.

 

 

É um ciclo virtuoso, a semente cresce melhor numa terra boa, e a terra é boa por ter as melhores sementes.

 

 

Cada nó deste network de excelência faz com que o poder da rede aumente exponencialmente, possibilitando que soluções diferentes se conectem e resolvam problemas cada vez mais difíceis.

 

Outro fator é o capital de risco. No Brasil, cada projeto tem que se pagar, gerar caixa positivo ao fim do pouco tempo de projeto. Em contraste, estes ambientes têm elevado capital de risco de verdade. Eles sabem que 99% dos empreendimentos vão falhar, mas o 1% que der certo vai ser o próximo Facebook ou Google.
É quase uma loteria. Se eu gastar todos os recursos em um bilhete, dificilmente este bilhete vai vingar. Tenho que comprar vários bilhetes, ao longo de muito tempo. Entretanto, o bilhete desta loteria do Venture Capital não custa 1 real como o da Mega Sena, mas sim dezenas de milhões de dólares a cada rodada…
Um terceiro fator é o tempo de retorno. Uma startup pode ficar anos e anos sem ter retorno algum. O objetivo é conseguir o monopólio. Vencer o território dentro da cabeça das pessoas, mostrando que a Amazon é a solução de e-commerce, ou o Google é a solução de buscador – entre dezenas de outras soluções de e-commerce e de buscador. Esta batalha pode facilmente durar 10, 15 anos. No caso de carros autônomos, até mais, a fim de superar os grandes problemas técnicos existentes (lembrando que o primeiro grande evento disto foi o Grande Desafio da DARPA, em 2006).

 

É relativamente fácil ter ideias. Difícil mesmo é fazer a ideia acontecer, e vencer a luta pelo monopólio do posicionamento.

 

Além de tudo isto, há fatores indiretos como a logística, infraestrutura, regulação, burocracia, e até fatores pessoais, como segurança, que ajudam o desempenho do empreendedor.
Sempre achei que eu fazia um bom trabalho, no Brasil. Porém, ao me deparar com a realidade destes lugares, me senti como um micróbio. O que consigo fazer com as minhas próprias forças é muito pouco. Não dá para competir. Não é um único indivíduo, ou uma única empresa, que vai fazer a diferença sozinho. A chave é o ecossistema inteiro, o mindset do lugar, a cultura.

 

 

O pesquisador de inovação Steven Johnson diz que os recifes de corais são o grande exemplo de ecossistema de inovação.
Os corais envolvem dezenas de milhares de formas de vida diferentes. Cada forma de vida modifica o ambiente e possibilita que outras formas de vida surjam, nas suas cascas vazias ou consumindo os seus subprodutos.

A área dos corais ocupa 0,2% do oceano, porém abriga 25% da biodiversidade. É como um oásis no meio do deserto.

Não dá para competir individualmente. A competição tem que ser sistêmica, como um ecossistema competindo com outro. Neste quesito, o Brasil está muito atrás.
O ecossistema brasileiro, ao invés de ajudar, atrapalha. Impostos altos para serviços ineficientes, mentalidade de objetivos a curto prazo, melhores cabeças indo fazer concurso público, infraestrutura pouco funcional, educação de baixo nível, mindset de se dar bem individualmente em detrimento do todo (traduzido na famosa Lei de Gérson), instabilidade jurídica regulatória e até sensação de insegurança são alguns dos pontos a citar.

 

Se isto é uma maratona, o Brasil está uns 10 quilômetros atrás do pessoal de ponta como os EUA, China, Israel. Além disso, enquanto os líderes continuam correndo em alta velocidade, o Brasil está engatinhando, e para trás!

 

 

Acorda, Brasil!

 

Ação: vamos ajudar a construir um ecossistema de excelência?

 

Links:

 

https://pxhere.com/pt/photo/1119319

https://ideiasesquecidas.com/2018/08/01/10-topicos-para-entender-a-china/

https://ideiasesquecidas.com/2018/03/25/algumas-palavras-sobre-inovacao/