Melhores textos de Richard Feynman

O brilhante físico americano Richard Feynman (1918 – 1988) teve uma carreira invejável:

  • Participou do Projeto Manhattan
  • Inventou um método de visualização de eletrodinâmica quântica que é usado até hoje
  • Ganhou o Prêmio Nobel de Física
  • Foi essencial para descobrir e denunciar problemas no ônibus espacial Challenger

“Os Melhores textos de Richard Feynman” reúnem alguns artigos e palestras. São textos extremamente agradáveis de ler e que mostram um pouco da criatividade, valores e forma de trabalho deste gênio.

Seguem algumas reflexões.

  • Explicação visual: Feynman adorava transformar ideias abstratas em analogias fáceis de imaginar. Não era daqueles físicos que falavam difícil. Exemplo: Explicação sobre tiranossauros: “Essa coisa tem 7,5 m de altura e a cabeça tem 1,80 m de diâmetro. Vamos ver o que é isso. Se ele parasse ali no quintal teria altura suficiente para enfiar a cabeça pela janela mas não muito porque a cabeça é meio larga demais e quebraria a janela quando passasse.”
  • Como escolher o problema certo a atacar? Uma forma racional é fazer a estimativa tamanho do impacto do problema x probabilidade de resolver.

“Tudo é interessante quando a gente mergulha com profundidade suficiente.”

“O primeiro princípio é não enganar a si mesmo e somos as pessoas mais fáceis de enganar”

  • Los Álamos visto de baixo. Texto relatando inúmeras experiências de Feynman em Los Álamos, onde participou do Projeto Manhattan, para o desenvolvimento da primeira bomba atômica da história. O “visto de baixo” porque ele era apenas um pesquisador promissor em início de carreira, frente a gigantes da física como Fermi, Von Neumann, Bohr.

Sobre o convite: a primeira reação dele foi rejeitar, mas depois de pensar um pouco, ele aceitou: “A razão original para começar o projeto era que os alemães eram perigo. A possibilidade de Hitler desenvolver uma bomba era óbvia, e a possibilidade de desenvolver antes de nós era apavorante.”

Uma das tarefas de Feynman, físico teórico, era analisar se método de separar isótopos de urânio funcionariam na prática.

Além disso, ele conta várias histórias sobre a mobilização na base, a censura de cartas, e de como passava horas aperfeiçoando sua habilidade de abrir cofres – ou ouvindo o padrão de combinações, ou observando cofres abertos para descobrir parte do código.

Os computadores da época utilizavam cartões perfurados como forma de entrada e saída de informação.

“Um dos segredos para resolver nosso problema foi o seguinte: os problemas eram cartões que tinham de passar por um ciclo, primeiro somar depois multiplicar e passava por um ciclo completo de máquinas, devagar, dando voltas e mais voltas. Aí inventamos um jeito usando cartões de cores diferentes: depois de pôr todos para circular, mas fora de sincronia, podíamos resolver dois ou três problemas ao mesmo tempo. Enquanto um somava o outro multiplicava.”

Sobre encontro com Niels Bohr, que era uma lenda viva à época. Feynman o encontrou numa reunião, mas nada disse. No dia seguinte, o filho de Bohr o chamou para um encontro, para discutir a viabilidade de um problema com o próprio Bohr.
Sobre a razão de escolher Feynman, o filho de Bohr relata uma conversa com o pai: “Você lembra o nome daquele sujeitinho no canto? Ele é o único que não tem medo de mim e vai dizer se a minha ideia é maluca. Não dá para discutir com esses caras que só dizem sim, sim, doutor Bohr. Então chame aquele sujeito primeiro”

  • Feynman é considerado o iniciador da nanotecnologia. O texto “Há muito espaço no fundo” tem ideias intrigantes e um desafio no final. Segue um pequeno trecho.

“Por que não podemos escrever todos os 24 volumes da Enciclopédia Britânica na cabeça de um alfinete? Uma cabeça de alfinete tem 1,5 mm de diâmetro. Se ampliar isso em 25.000 diâmetros, a área da cabeça de alfinete será igual a área de todas as páginas da Enciclopédia Britânica. Portanto é preciso reduzir o tamanho de todo o texto da enciclopédia 25 mil vezes… um ponto conteria 1.000 átomos, então não há dúvida de que há espaço suficiente para pôr toda a enciclopédia”

Ao final da aula, Feynman lançou um desafio de mil dólares a quem inventasse um motor elétrico que pudesse ser controlado de fora, com as dimensões de um cubo de 1/64 polegada de lado.

Nota: Ele pagou o prêmio duas vezes, a primeira menos de um ano depois, a um ex aluno da Caltech.

  • Sobre a sinestesia de Feynman.
    “Quando vejo equações, vejo as letras coloridas não sei por quê. Enquanto estou aqui falando, vejo vagas imagens de funções de Bessel com j marrom claro, n azul levemente arroxeado e o x marrom escuro esvoaçando-se.”
  • A curiosidade de Feyman o levava a tentar entender tudo profundamente. Sobre o número pi: “O pi era um número profundo maravilhoso. A razão entre a circunferência e o diâmetro de todos os círculos, não importa o tamanho. Havia um mistério nesse número.”

“Anos depois, olho nas fórmulas de um livro qualquer e descobri que a fórmula da frequência de um circuito ressonante era de 2 x pi x raiz( L C), onde L é indutância e C capacitância. Estava lá o pi. Mas onde estava o círculo? O pi era uma coisa com círculos, e estava ali o pi numa fórmula de um circuito elétrico em vez de um círculo. Da onde veio o pi nesse circuito?

Link da Amazon: https://amzn.to/3vtbqSn

Grato ao amigo Cláudio Ortolan pelo livro.

Veja também:

Análise de Monte Carlo e Simulação

O método de Monte Carlo é um método simples de resolver problemas probabilísticos difíceis. Este tutorial é uma introdução bastante simples, didática, deste assunto, uma mistura de história, matemática e mitologia.
A origem do método foi na Segunda Guerra Mundial, proposta pelo matemático americano-polonês Stanislaw Ulam e o matemático americano-húngaro John Von Neumann.

Ulam.JPG
Não é uma coincidência que estes cientistas eram europeus que foram para os Estados Unidos. Vários cientistas de nível mundial fizeram o mesmo, fugindo da dominação europeia dos nazistas.

VonNeumann.JPG
Estes e outros cientistas brilhantes estiveram envolvidos no projeto secreto da Bomba Atômica. Este projeto secreto foi o Projeto Manhattan.


O que a bomba atômica tem haver com simulação?

Esta é uma introdução bem fácil, simplificada, para dar uma ideia do método de Monte Carlo no Projeto Manhattan.

Imagine um átomo de Plutônio.

Um “Átomo” é uma palavra grega para “indivisível”. “A” = não, “tomo” = tomos, divisões. Cientistas acreditavam que estes elementos únicos da natureza eram os blocos de construção de tudo no universo, uma espécie de lego.

Os cientistas da época estavam estudando a recém descoberta fissão nuclear, em que um átomo é quebrado, dividido. O átomo é quebrado em outros elementos e libera uma quantidade espantosa de energia.

Fission1.JPG

O Plutônio enriquecido era um átomo excelente para isto, porque era altamente instável. E o Urânio também, mas fixaremos no Plutônio aqui.

Imagine uma bola no alto de uma montanha. Qualquer empurrãozinho moverá a bola e liberará a energia potencial em energia cinética. Com o Plutônio enriquecido, é o mesmo. Então, o Plutônio era um bom átomo para criar a bomba.

Mas havia uma série de problemas. Processar o mineral natural e enriquecer o Plutônio era um processo bastante doloroso. É como derrubar uma montanha inteira de material, gastando uma quantidade enorme de energia, apenas para obter um miligrama de Plutônio enriquecido. Quanto Plutônio é suficiente? Como poderiam usar isto?


Efeito Dominó

É inofensivo liberar o poder de apenas um átomo. Para criar a bomba, há a necessidade de criar uma reação em cadeia: um átomo libera a energia, e quebra mais um átomo, e mais um: um efeito dominó.

fission2.JPG
A reação subcrítica é quando a bomba não explode: a reação em cadeia não acontece. É como uma cadeia de dominós que é interrompida no caminho.

A reação supercrítica é quando a bomba explode: há uma quantidade exponencial de energia sendo liberada.

Fission3.JPG
A missão dos cientistas era a de encontrar as condições para a reação crítica, que é a divisão entre a bomba explodir ou não.


Não exploda em minhas mãos

O conhecimento da condição crítica tinha dois objetivos principais: eles tinham que assegurar que a bomba explodiria, mas também precisavam ter certeza que isto não explodiria nas mãos deles.

Eles tinham que dividir a quantidade de Plutônio em pequenos pedaços, pequenos o suficiente para não explodir quando eles não quisessem, mesmo se um acidente ocorresse.
E eles tinham que juntar os pedacinhos em uma única peça grande, com material suficiente para causar uma reação em cadeia quando eles quisessem que isto ocorresse (no momento da explosão).

 


Como calcular?

Como calcular se a bomba explodiria ou não?

De forma simplificada, há um modelo para calcular o comportamento de um único átomo: probabilidade de explosão, quantidade de energia liberada para cada átomo fissionado, etc.

Se há um modelo para um único átomo, eles precisavam calcular o comportamento de um grupo de átomos, dado que eles estão a uma certa distância e numa certa densidade. Se há a primeira fissão, o segundo átomo fará o mesmo? E o terceiro?

Em outras palavras, cada átomo é uma variável aleatória. O efeito composto em dois átomos é a soma das duas variáveis aleatórias.

RandomVariables2.JPG
Somar variáveis aleatórias não é uma tarefa fácil. Isto significa resolver uma equação integral (não é fácil nem para gênios como Von Neumann).

Ulam e Von Neumann propuseram duas soluções:

O método de Monte Carlo, com calculadoras humanas. Imagine um modo de dividir os cenários em vários casos pequenos, determinísticos. Cada caso é calculado por uma mulher (homens não são bom na tarefa, porque cometem um monte de erros), usando lápis e papel (consegue imaginar isto?)… e então um matemático agrupava os vários resultados. Isto foi batizado “Monte Carlo” após o nome de um cassino, porque lembra o lançar de dados. Havia uma sala, cheia de mulheres fazendo cálculos. Elas nem sabiam o que estavam calculando, uma vez que o projeto era secreto.

humancomputers.jpg
A segunda solução era usar computadores eletrônicos. O único problema: computadores eletrônicos não existiam. A solução de Von Neumann foi inventar o computador eletrônico! Von Neumann criou a arquitetura conceitual do computador eletrônico (CPU, memória, entradas, saídas, etc), e o computador que usamos hoje ainda usa a arquitetura de Von Neumann.

VonNeumannComputer.jpg

O único problema: não foi completado antes do final da guerra. Portanto, a bomba atômica deveu-se inteiramente aos esforços das calculadoras humanas.

Num mundo probabilístico, usamos variáveis para representar fenômenos estocásticos. Nós escolhemos a variável aleatória certa para representar o que queremos. Se é um evento como a altura de um grupo de pessoas, usamos uma variável aleatória normal. Se é a taxa de chegada de clientes numa fila, normalmente modelamos como uma variável exponencial. Se não temos ideia, mas de alguma forma sabemos o mínimo e o máximo, a distribuição uniforme é uma boa escolha.

RandomVariables.JPG

Um erro muito comum é usar uma função complicada desnecessariamente. Digamos, o analista tem um ano de medições, e ele aprendeu na faculdade que existe uma variável chamada weibull, que fita bem os dados. É uma boa escolha? Não, não é, a menos que ele saiba exatamente o que está fazendo. Isto porque não queremos modelar o passado. Queremos modelar o futuro. E o futuro não necessariamente vai seguir uma weibull complicada. Eu prefiro ser humilde, dizer “Eu não sei exatamente”. O modo que dizemos “Eu não sei”, é usar uma variável aleatória simples, como uma normal, uma uniforme.

Uma vez que sabemos a variável aleatória, podemos usar o método de Monte Carlo. Consiste em jogar um dado. Dependendo do valor que obtemos do dado, obtemos o valor da variável aleatória.

 

Cdfs.JPG

No primeiro exemplo, obtemos 4 do primeiro lançamento, e 0,2do segundo lançamento, resultando em 4,2.

No segundo exemplo, obtemos 6,1 do primeiro lançamento, e 0,7 do segundo lançamento, resultando em 6,7.

Se fizermos isto um milhão de vezes, podemos estimar a distribuição de probabilidades da variável aleatória final. Cada passo é muito muito fácil, determinístico, fácil o suficiente para ser feito por uma calculadora humana, ou um computador eletrônico. Deste modo, podemos modelar um modelo muito complicado de uma forma simples.

RandomVariables4.JPG

Hoje, num simples laptop, temos poder de processamento equivalente a milhões de humanos calculando no braço. E, numa simples planilha do Excel, podemos usar modelos muito, muito complicados, com a ajuda de alguns pacotes computacionais.

Em algum post futuro, mostrarei alguns exemplos.

 



Epílogo.

Plutônio e Urânio

Os cientistas do Projeto Manhattam estavam pesquisando dois átomos: Urânio e Plutônio. No final, eles fizeram duas bombas.

A de Hiroshima era o “Little boy”, “garotinho”, uma bomba de urânio.

A de Nagasaki era o “Fat Man”, “homem gordo”, uma bomba de plutônio.

Urano é o deus do céu, na mitologia grega. Plutão é o deus do inferno. Duas bombas. Céu e Inferno.