Eu sou o mestre do meu destino, eu sou o comandante da minha alma.

William Ernest Henley escreveu “Invictus” em 1875. Talvez a sua inspiração tenha sido a sua própria vida sofrida: passou boa parte da vida em hospitais devido a uma forte tuberculose. Uma alma forte num corpo fraco.


Tradução livre:

Invencível
 

Nas noites que me encobrem,
Negras como um poço, de ponta a ponta,
Eu agradeço a um deus qualquer
Pela minha alma inconquistável.
 
Das garras impiedosas das circunstâncias
Não recuei nem chorei,
Sob os golpes do destino
Minha cabeça sangra, mas não se curva.
 
Além deste lugar de ódio e lágrimas
Há apenas o horror das sombras,
Entretanto a ameaça dos anos
Me encontra, e me encontrará, destemido.
 
Não importa quão estreito o caminho,
Quão cheia de punições a minha sina,
Eu sou o mestre do meu destino,
Eu sou o comandante da minha alma.
Henley

Uma curiosidade. O filme “Invictus”, com Morgan Freeman, retrata Nelson Mandela recitando o poema de Henley.

O poema inspirou fortemente Mandela, ajudando-o a suportar os 27 anos de prisão, na luta contra o Apartheid.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Invictus