John Rawls e a Justiça

Nota: Estou criando um “Index filosófico”, com algumas breves notas sobre os grandes pensadores do passado e do presente.

John Rawls, Estados Unidos, 1921 – 2002. Pensador da área de filosofia moral.

Posição original

A grande contribuição de Rawls diz respeito à posição original.

As pessoas costumam pensar num mundo melhor, porém fortemente influenciadas pelo que são hoje. Estamos sob um pesado “véu da ignorância”.

A posição original seria pensar neste mundo melhor, sem saber qual a posição que você ocupará. Pode ser rico, pobre, genial, burro, homem, mulher, homossexual, aleatoriamente.

A partir disto, elaborou sua teoria da justiça, que tem pilares em liberdade e igualdade.

Liberdade: direito a liberdades básicas como crença, voto e liberdade de expressão – seriam fortemente garantido.

Igualdade: mais pobres deveriam ter oportunidade. Desigualdade seria permitida se ajudasse os mais pobres – exemplo, altos executivos podem ganhar 10 mil vezes do que a média, porém só se isto fosse bom para todos. Um jogador de futebol, por exemplo, tem um talento natural que quase ninguém tem. É injusto ele ganhar 10 milhões por ano, se ninguém se beneficiar disto.

Ele inspirou pensadores atuais como Michael Sandel, escritor contemporâneo sobre a Justiça (que provavelmente estará neste index filosófico).

São contribuições importantes, concordemos ou não com as conclusões.

Raws está presente na caneca filosófica.

Fontes e links:

Uma breve história da filosofia – Nigel Warburton

https://people.wku.edu/jan.garrett/ethics/johnrawl.htm

Lei e Justiça

Image

Ouvi um comentário muito pertinente, do jornalista Ricardo Boechat:

A Lei existe para perseguir a Justiça. Mas nem sempre a Lei consegue ser tão bem escrita para representar a Justiça. Pode haver casos em que, seguir a Lei ao pé da letra cause uma injustiça. A razão principal do Direito tem que ser a Justiça, e depois o cumprimento da Lei.

Esta discussão vem da possibilidade da Lusa ser rebaixada, por perder 4 pontos por ter escalado irregularmente, por confusão administrativa, um jogador reserva, num jogo praticamente amistoso. Situação em que claramente há culpa, mas não há dolo.

 

Peguei essa do blog do Juca Kfouri

“Teu dever é lutar pelo Direito. Mas no dia em que encontrares o Direito em conflito com a Justiça, luta pela Justiça.”

Do jurista uruguaio Eduardo Couture.