Embalagens ecológicas e luta contra o plástico

Visitei a região de S. Francisco, Vale do Silício, e há uma série de iniciativas de conscientização ambiental.

Nos McDonald’s, a embalagem do sanduíche é um papelão ondulado simples, embalagem marrom, com um uma porcentagem de papel reciclado (no caso específico do McDonalds, já é assim nos EUA inteiro).

Os guardanapos também são papel marrom. E daí? Daí que a madeira de uma árvore é marrom, e para fazer o branqueamento é preciso de um processo químico adicional, o que gasta recursos e energia.

Essas iniciativas não se limitam ao McDonalds, em geral há esta tendência em muitos outros restaurantes e comércio.

Os banheiros também utilizam papel marrom para secar as mãos.

Em todo o comércio, perguntam se você quer sacola ou não. Pedi algumas poucas vezes, e sempre que o fiz, recebi sacolas de papel, aquelas com uma alça de papel.

Também não se vê canudos ou copos descartáveis de plástico.

Quanto às startups, há uma série de ideias vindo com essa pegada sustentável: plástico reciclável, bioplástico, embalagens com produto concentrado, etc. Este tipo de solução, porém, ainda não está amplamente difundido no mercado.

O plástico pode demorar 400 anos para se decompor. Há estimativas de que em 2050, haverá um quilo de plástico para cada quilo de peixe nos oceanos. Temos que encontrar soluções sustentáveis.

O planeta agradece.

Links:

https://www.ecycle.com.br/component/content/article/35/1259-os-oceanos-estao-virando-plastico.html

CO2 e resultados inesperados

O que você faria se inventasse algo completamente novo, mas não tivesse muita ideia do que fazer com isto?

Charles Keeling desenvolveu em 1958 um método acurado para medir a concentração de gás carbônico (CO2) no ar. E começou a medir e registrar a concentração de CO2 no ar. Foi registrando meticulosamente os dados, dia após dia. Alguns anos depois, chegou a um primeiro resultado impressionante:

1 – A concentração de CO2 no ar é sazonal durante o ano. Isto porque, devido às estações do ano, parte da Terra recebe mais luz durante alguns meses, e as árvores fazem mais fotossíntese, capturando CO2 do ar. Como a distribuição de florestas no mundo é desigual, a concentração de CO2 também acaba seguindo o padrão cíclico das estações do ano.

Uma década depois de meticulosas anotações, outro padrão ficou evidente:

2 – A concentração de CO2 no ar está aumentando. A curva abaixo mostra claramente este efeito. Isto é causado pelas emissões de gases por queima de combustíveis fósseis, petróleo.

As décadas seguintes comprovaram que o padrão era consistente com as suspeitas.

Keeling

Outro padrão era o de que a Terra aquecia com maior concentração de CO2. Assim como se fosse um cobertor, o CO2 bloqueia a saída de energia da Terra para o universo.

Mas, porém, contudo, todavia, quem garante que este aumento de C02 foi causado pelo ser humano? E se o aumento do CO2 for um ciclo natural da Terra?

Alguns pesquisadores conseguiram responder a esta pergunta extraindo camadas de gelo profundas do Ártico. As geleiras do Ártico são um retrato congelado da atmosfera de milhares de anos do passado. A partir da quantidade de CO2 aprisionado nas amostras de gelo, pode-se deduzir a quantidade de CO2 na atmosfera.

E isto leva ao terceiro grande fato:

3 – A concentração atual de CO2 é a maior que a Terra já viveu em 800 mil anos! O aumento do CO2 coincide com a evolução humana, revolução industrial e atual queima de combustíveis.

Keeling_thousands

Há muita gente que contesta os métodos discutidos e efeitos possíveis, mas a curva de Keeling continua sendo uma das grandes evidências de que a ação humana está causando efeitos

Um aumento de 1 ou 2 graus Celsius em média não parece muita coisa. Mas estamos falando em número médio. Ou seja, que para causar o aumento na média, alguns picos serão muito mais acentuados e terríveis que os atuais. Os extremos de calor ou frio, seca ou enchente serão mais e mais pesados com o tempo.

Quem diria que uma invenção meio sem pretensão fosse desencadear estudos tão importantes?