O declínio do Clubhouse

Ué, o negócio mal começou e já está em declínio?

Sim, tão rápido quanto subiu, este vem caindo.

Posso falar do ponto de vista de usuário (não-frequente).

O conteúdo é tudo.

Atualmente, a maioria dos grupos que vejo são do tipo caça-níquel: como ficar rico, café da manhã com campeões. Os âncoras falam um pouco, para logo a seguir mandar um “dê uma olhada no meu instagram, tem um link para um curso que é gratuito para quem fizer isso nos próximos 30 minutos…”. Odeio esse tipo de bait.

Alguns grupos interessantes, como os puxados por Lex Fridman, não vejo mais. Ou de matemática diferencial, que já cheguei a ver no passado. Por ser tudo ao vivo e não ficar gravado, não dá nem para pesquisar e ver conteúdo passado.

Algumas causas do declínio:

  • Concorrência (Twitter spaces, Spotify copiou também).
  • Talvez os bons produtores de conteúdo tenham achado que não vale a pena fazer algo que não vai ficar gravado e não vai ser dele, perdendo assim o poder de escala. É melhor fazer um podcast mesmo…
  • Reabertura do mundo, sobrando menos tempo para o on-line.

Ainda assim, há discussões bastante interessantes.

  • Há alguns meses, no conflito Israel x Palestina, havia uma sala onde árabes e israelenses do mundo todo falavam de suas experiências. Exemplo de caso: um árabe egípcio disse que fora criado a vida inteira odiando judeus, mas nos EUA estes foram os que mais abriram as portas para a sua carreira…
  • Tem um “plantão médico” de manhã e um “giro de notícias”, ambos muito bons – mas como o meu horário é errático, só de vez em quando consigo pegar algum deles.
  • Vi uma notícia de que o Clubhouse fez uma parceria com o TED. Não sei como vai ficar, mas é promissor. Conteúdo bom não surge do nada, tem que ser criado, curado e remunerado.

Vejamos os próximos capítulos dessa guerra de áudios, e que vença o melhor!

Clubhouse para Android

A rede social de áudio, ClubHouse, acabou de ser lançada para Android.

Eu estava na lista de espera, e o mesmo baixou automaticamente de ontem para hoje.

Eu gosto de ver o mesmo como uma plataforma de conferências em áudio, sobre temas bastante especialistas. Seja Blockchain, Startups, Economia, sempre tem algum grupo interessante para acompanhar.

É puramente áudio, o que para mim é sensacional – não aguento mais reuniões por Zoom ou Teams.

Tenho uns 5 convites, para quem quiser experimentar. Update: não tenho mais convites, acabaram rapidinho.

Aforismos sobre talento e conquistas

Sobre talento e habilidades em geral. Desenvolva ou perca.

============

SuperAchievers. Um dos eventos do Lex Friedman no ClubHouse era sobre supreachievers. Um falou sobre resolver o cubo de Rubik em seis segundos. Outro, na experiência em participar de ultramaratona. Outros foram mais modestos. Reflexão: Qual a sua superconquista?

============

Pequenas conquistas são importantes para atingir as grandes.

Celebre as pequenas conquistas. Elas são como um pequeno fogo na floresta. De quando em quando, a soma dos pequenos fogos incendeia a floresta inteira.

Tem até um vídeo legal sobre o tema:

============

Doutores não o farão saudável. Nutricionistas não o farão magro. Professores não o farão esperto. Gurus não o farão calmos. Mentores não o farão rico. Treinadores não o farão em forma. No final das contas, a responsabilidade é sua – Naval Ravikant

============

Falta de dinheiro tem correlação com menor felicidade (basta pensar em falta de saneamento básico, educação, etc), porém, acima de um certo ponto, dinheiro não tem correlação positiva com felicidade. Um bilionário não é necessariamente milhares de vezes mais feliz do que um trabalhador da classe média.

============

Fontes úteis para seguir.

Blog: Farnan Street e James Clear.

Pessoas: Lex Friedman. Naval Ravikant.

Livro: John Brockman, “Thinking”

E, é claro, este blog.

https://ideiasesquecidas.com/2020/12/28/naval-sobre-educacao/

https://ideiasesquecidas.com/2018/11/13/aforismos-de-seneca-sobre-a-vida/

https://ideiasesquecidas.com/2020/12/16/naval-sobre-riqueza-e-felicidade/

O ClubHouse é genial.

Eu gostei bastante do ClubHouse, a tal nova rede social de podcasts.

Podcasts normais têm um problema. Dá um trabalho enorme fazer, editar, manter. Imagine um especialista em Bitcoin, por exemplo. Ele gosta do tema, manja tecnicamente, mas não vai ter paciência para criar um podcast.

O ClubHouse é muito mais do que podcast. Ele dá voz à milhares de especialistas do mundo inteiro. É como se fosse uma conferência no Zoom, porém apenas áudio, onde entusiastas sobre o tema podem participar. Há salas onde ocorrem essas conferências, e participantes podem levantar a mão e serem chamados para falar sobre seu ponto de vista.

Não tem edição. Não tem enrolação, vinhetas, click bait, videozinhos bonitos e vazios como no Youtube, nada disso. É conteúdo puro, ao vivo.

Há uma quantidade enorme de grupos de interesse, e podem ser bastante nichados. Economia comportamental. Startups. Bitcoin. Teoria do Caos. Física quântica. Inteligência artificial. Hoje eu estava numa sala sobre Geometria Diferencial, com 877 pessoas ouvindo. Nunca haveria um podcast normal sobre o tema.

É possível seguir personalidades referência. Bill Gates. Elon Musk. Naval Ravikant. Lex Friedman.

Uma contrapartida é que nem toda discussão é interessante (é só sair da sala) e também, como não tem edição, não dá para garantir a qualidade do som ou do discurso de quem estiver falando.

Dá para aprender e ensinar muito utilizando essa ferramenta. Ainda é só para IPhone, imagino que esta vá explodir quando tiver para Android, se não surgir algum concorrente que ocupe o espaço antes.

Agradeço ao amigo Cláudio Franco pelo convite.