Ranking de educação PISA 2018

Hoje, Dezembro de 2019, foi publicado o resultado do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) referente a 2018 – principal avaliação de educação básica do mundo.

Fatos a notar:

1- A China está em primeiro nos três rankings (Leitura, Matemática e Ciências). Na verdade, a China dá uma roubadinha no ranking. Ela como um todo não compete, mas sim, somente algumas províncias (Pequim, Xangai, Jiangsu e Guangdong).

2 – O impressionante mesmo é a evolução da China. No PISA 2015 (é realizado a cada 3 anos), a China estava em 6º em matemática, 27º em Leitura e 10º em Ciências (e com o mesmo critério de só ter algumas cidades na avaliação)

3 – Em geral, os países do extremo oriente são obcecados por educação, por tirar 10 em todas provas. Vide Matemática, por exemplo, os 7 primeiros são do oriente.

4 – Nota-se também que a Estônia, um país pelo qual ninguém dá nada, aparece em boas posições nos três rankings. A Estônia deu um salto de modernização, com uma mentalidade bastante moderna e digital nos últimos anos. Fiquem de olho. (Obrigado ao Marcos Melo por notar isto).

5 – Não é surpresa para ninguém, mas abaixo dos orientais, temos os países europeus, Canadá e outros do primeiro mundo.

6 – O Brasil continua sendo um destaque negativo, nas últimas posições e até caindo em relação ao estudo de 2015. Nenhuma surpresa.

7 – Um grande destaque negativo é a Argentina. Outrora vista como o país mais culturalmente avançado da América Latina, hoje foi superado pelo Brasil (no Pisa 2015, estava à frente). Superado não é a palavra correta, na verdade, afundou mais do que o Brasil no quesito educação.

Reproduzo abaixo o PISA 2015, por conveniência:

Links:

https://educacao.uol.com.br/noticias/2019/12/03/brasil-cai-em-ranking-mundial-de-ciencias-e-matematica-e-empaca-em-leitura.htm

https://ideiasesquecidas.com/2018/09/15/quem-esta-no-ranking-mundial-de-educacao/

O Brasil que eu quero e outras reflexões

Um dia, um colega me perguntou, “Qual o Brasil que você quer?” –  referindo-se à chamada do Fantástico.

 

Não pensei muito para responder:

“Um Brasil sem o jeitinho brasileiro”.

Uma nação de espertos é tola, e uma nação de tolos é esperta.

 


 
Vi a frase a seguir, num evento da escolinha de minha filha mais velha:

“O esporte tem o poder de mudar o mundo – Nelson Mandela”.

Pensei, se o esporte tem este poder, a mente tem que ter um poder maior ainda.

Reformulei a frase para:

“A mente tem o poder de mudar a realidade”​

Há várias frases deste tipo que são atribuídas a Einstein.

“A lógica te leva de um ponto A até um ponto B. A imaginação te leva a qualquer lugar”

“A realidade é uma ilusão, ainda que persistente”

“A criatividade é mais importante do que o conhecimento”

 

 


 
Esta frase é do escritor israelense Yuval Harari:

“Perguntas que você não sabe a resposta são muito melhores do que respostas que não admitem perguntas”

 

Ele se refere à ideias fixas, que explicam o mundo todo segundo o seus paradigmas e não admitem contestação – usualmente são religiões ou ideologias como as marxistas.

 

Já a ciência oferece muitas perguntas que não têm respostas, ou, quando as têm, podem ser contestadas.

 

 

Demografia do Brasil

Já vimos alguns aspectos da demografia do Japão. E do Brasil?

Um site muito bom, com dados e visualização iterativa, é o http://populationpyramid.net/.

brasil1960 brasil2015 brasil2045

O Brasil de 1960 apresentava a típica pirâmide populacional: base larga, poucas pessoas com alta expectativa de vida.

Já o Brasil contemporâneo está bem mais velho. Base menor, expectativa maior. É o mesmo fenômeno que atinge todos os países urbanizados.

O Brasil de 2045 também tende a ter uma base estreita, corpo largo e grande expectativa de vida. Não em termos tão extremos quanto o Japão, mas mesmo assim o suficiente para causar muitos problemas na previdência social. 

Prepare-se para trabalhar até os 80 anos.

O Brasil vai ficar velho antes de ficar rico.