Análise de resultados

Todo começo de ano, a mesma coisa: promessas e desejos a serem perseguidos durante o ano.

Porém, poucos fazem o fechamento deste ciclo no fim do ano: apurar as metas prometidas.

Eu diria que muita gente nem lembra das metas do início do ano… eram apenas boas intenções, nunca foram muito além disso, para a grande maioria das pessoas. Para as pessoas que realmente querem atingir suas metas, peço para que continuem a ler o texto.

Chamo a ajuda do grande mestre da Administração, Peter Drucker, para explicar o seu “feedback analysis”. Estes são alguns trechos de seu livro, “Gerenciando a si mesmo”:

Quais os seus pontos fortes?

Muita gente acha que sabe no que são bons. Eles estão normalmente errados. Mais frequentemente, eles eles sabem no que não são bons. Entretanto, as pessoas conseguem performar apenas nas suas forças. Não é possível performar nas fraquezas, muito menos em algo que a pessoa é totalmente incapaz.

A única forma de descobrir suas forças é através da análise de feedback. Sempre que você tomar uma decisão ou ação chave, escreva o que você espera que acontecerá. Um tempo depois, digamos 9 a 12 meses, compare os resultados com as expectativas.

Praticado consistentemente, este método simples mostrará, em pouco tempo, talvez dois ou três anos, onde estão as suas forças – e isto é o mais importante a conhecer. O método mostrará o que você está fazendo ou falhando em fazer que te priva do benefício total de suas forças. E, finalmente, mostrará onde você não é particularmente competente e não pode performar.

Na análise, responda às seguintes perguntas:

  • Quais os resultados que sua habilidade gerou?
  • Que habilidades você deve desenvolver para melhorar os resultados desejados?
  • Quais os hábitos improdutivos que estão atrapalhando sua performance?

A pessoa deve gastar o mínimo esforço possível em melhorar áreas de baixa competência. Requer muito mais energia e trabalho para melhorar de incompetência para mediocridade do que de performance de primeira para excelência.

Energia, recursos e tempo devem ser focados em transformar uma pessoa competente numa de performance espetacular.

Livro: Managing Oneself, Peter F. Drucker.

Análise de Feedback

Todas as pessoas deste mundo são diferentes, e cada um tem pontos onde têm naturalmente facilidade, e outros em que têm dificuldade. Alguém pode ser muito bom em se comunicar com outras por escrito, mas não verbalmente. Alguns podem ser excelentes em trabalhos metódicos, enquanto outros preferem processos caóticos.

No mundo atual, o acesso à informação aumentou exponencialmente, e exponencialmente também aumentou a quantidade de bullshit que chega a nós. Por exemplo, tem algumas revistas de negócio que vivem listando características ideais para o líder: ele tem que ser visionário, forte, carismático, sensível, transparente, amigo, eficiente, trabalhar muito, dedicado, rápido e firme nas decisões, ao mesmo tempo flexível quando perceber que o cenário mudou, etc… A lista é infinita. Mas a realidade é que ninguém consegue atingir todas as características ao mesmo tempo. Não existe super-homem. E, ao invés de tentar desenvolver características que você não tem, é melhor saber quais as características que você tem.

As pessoas não se conhecem. Não sabem onde elas desempenham bem e onde não desempenham. Muitas vezes, só há um meio de conhecer: tentando fazer, praticando.

A “Análise de Feedback” é uma das ferramentas apresentadas por Peter Drucker para o fim de administrar a si mesmo, com o fim de se conhecer, na prática.

Como todas as ferramentas de Drucker, é uma ferramenta que reside no universo das ideias. Não necessita de algum tipo especial de software ou hardware. Necessita apenas de lápis e papel:

– Escreva quais são os resultados esperados para suas principais decisões e ações para os próximos 12 meses
– 12 meses depois, compare os resultados atingidos com a anotação dos resultados esperados

A análise de feedback é a forma de se identificar os seus pontos fortes. Pode-se ter muitas ideias e aspirações, mas você só vai ser consistentemente bem-sucedido em algumas dessas aspirações. E, assim, pode-se verificar na prática quais são seus pontos fortes e quais são apenas ideias vagas.

Deve-se colocar força onde os pontos fortes podem produzir os melhores resultados
Trabalhe para melhorar suas Forças e remediar os maus hábitos
Saiba onde não colocar forças – evitar áreas de incompetência

 

Correlacionando com outras ideias de outros pensadores.

Sun Tzu: “Aquele que conhece a si mesmo e ao inimigo, vencerá todas as batalhas. Aquele que conhece a si mesmo, mas não ao inimigo, perderá uma batalha para cada batalha que vencer. Aquele que não conhece a si mesmo nem ao inimigo, perderá todas as batalhas”

Bastter: No pôquer, a regra principal é dobrar a mão forte e abandonar a mão podre