Fim da Linha: o Colapso das Sociedades Complexas

O mundo está se tornando cada vez mais complexo. Instituições cada vez maiores, tecnologias abstratas, profissões extremamente especializadas.

Soluções complexas resolvem problemas complexos, só que isso tem custo de energia e trabalho. Até que ponto é sustentável?

“O colapso das sociedades complexas”, de Joseph Tainter, é um excelente livro sobre o tema, e baseia os tópicos abaixo.

As sociedades antigas eram simples, com poucas dezenas de profissões. Hoje, há de 10 a 20 mil profissões. Ex. A minha mãe não entende o que faço, porque Advanced Analytics não existia na época dela (na verdade nem eu entendo alguns dos algoritmos que rodo).

Por que as sociedades ficam mais complexas? Para resolver problemas igualmente complexos.

Ex. O ataque às Torres Gêmeas gerou mais controles, mais regulação, mais agências; pago com impostos da sociedade, ou com tempo e energia de pessoas nos aeroportos.

A #Complexidade é uma função econômica. Ela não é gratuita.

Ciclo da complexidade:

– Traz benefícios,

– Aumenta custos,

– A cada ciclo, há diminuição do retorno.

O binômio Energia-Complexidade é uma espiral. Complexidade requer energia, e tendo fontes novas de energia, podemos aumentar complexidade.

Caso: O Império Romano cresceu conquistando províncias, sustentada por anexações, taxas e pressão inflacionária.

– Anexação de territórios equivale à captura da energia do passado, na forma de armas, pessoas etc. Porém, essa captura é de curto prazo, só pode ser feita uma vez no mesmo local.

Para manter os territórios e conquistar outros, é necessário um crescente aparato militar e administrativo.

Na época de Roma, a fonte definitiva de energia era o Sol. A agricultura tem o seu limite de produção.

Outra fonte de recursos eram os impostos, mais altos quanto maior a necessidade de financiar novas guerras de expansão.

A terceira fonte de financiamento era a inflação. A Roma antiga abusou da impressão de moedas, e teve um episódio de hiperinflação, tal como ocorreu no Brasil dos anos 80 (quem tem mais de 40 anos conheceu o dragão na pele).

Por fim, declínio populacional, pragas, crises, ataques externos e guerra civil constante levaram Roma à bancarrota.

O colapso é uma simplificação abrupta da sociedade. A sociedade pode ser destruída pelo custo de se sustentar.

Achamos que sempre podemos superar os limites a partir da inovação. Será a tecnologia suficiente?

P&D está se tornando cada vez mais complexo, com retornos decrescentes.

Uma taxa constante de inovação precisa de mais e mais recursos.

As descobertas fáceis, o fruto baixo a ser colhido, já o foi. Antigamente, o inventor era o solitário que fazia descobertas na garagem de casa. Hoje, os times de pesquisa são enormes e multidisciplinares, exigindo equipamentos e instalações multimilionárias.

É possível que o planeta Terra inteiro tenha se tornado algo comparável com o Império Romano… Devemos tomar cuidado para a complexidade não nos engolir.

Link do livro na Amazon: https://amzn.to/3ZLvk8M

Texto e Gráficos by: Arnaldo Gunzi.

Veja também:

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s