Os fracassos de Papanicolau até o exame que leva o seu nome

Poucos cientistas estudaram a fase inicial do câncer tão intensivamente quanto George Papanicolau.
Ele era um médico grego, quando chegou aos EUA em 1913, sem um centavo no bolso.

Papanicolau foi levando a vida como vendedor de carpetes, antes de conseguir uma posição na Universidade de Cornell, NY.

Mas mesmo em Cornell, era para uma tarefa menor. Estudar ciclo menstrual de porquinhos da Índia, uma espécie que não sangra nem apresenta outros sinais evidentes na menstruação.

Ele aprendeu a extrair células uterinas e analisar as suas formas. Sabendo a morfologia das células, ele conseguia dizer a posição do ciclo menstrual.

A seguir, ele expandiu o estudo para pacientes humanos. O método também funcionava em seres humanos, porém era uma invenção inútil. Faz séculos que mulheres sabem os seus ciclos, sem ajuda do método de Papanicolau.

Sem se abalar com as críticas, o médico continuou pesquisando, coletando tudo quanto era amostra de doenças ginecológicas – fibróides, cistos, tubérculos, inflamações.

O câncer, ele descobriu, tinha tendência de criar formas anormais, aberrantes.

Entusiasmado, ele publicou o artigo com a descoberta em 1928, apenas para sofrer mais críticas. O método não era muito acurado nem sensitivo. E havia outras formas de detectar câncer cervical.

Após duas invenções inúteis em 20 anos, ele desapareceu por um tempo.

Entre 1928 e 1950, Papanicolau voltou ao tema com ferocidade.

Será que o câncer também não muda a morfologia com o tempo?

Ele e colaboradores adaptaram o método não para detectar o câncer, mas sim, o pré-câncer.

Em 1952, ele conseguiu convencer o Instituto Nacional do Câncer a realizar o maior teste da história, utilizando o seu método. 150 mil mulheres fizeram o teste de Papanicolau. Encontraram câncer invasivo em 555 casos. Se não tivessem sido testadas, não teriam sabido, pois não havia sintomas. E as mulheres testadas estavam numa idade 20 anos a menos que a idade média de casos.

Papanicolau transformou um caso de câncer virtualmente incurável em curável, e o seu teste é o padrão mundial utilizado até hoje.

Lição da história. Não desistir após resultados negativos.

Fonte: “O imperador de todos os males”, Siddhartha Mukherjee.

Link da Amazon: https://amzn.to/3i1WWSM

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s