E depois?

Li uma história do Mula Nasrudin, cujo original não consigo encontrar, mas era mais ou menos assim.

Estava o Mula Nasrudin a dormir em sua rede debaixo de uma árvore, no meio da tarde, após pescar quantidade suficiente de peixes para o dia.

Um graduado em administração com MBA em Harvard estava passando pelo local, quando resolveu questioná-lo.

  • Por que você está aí, ocioso, ao invés de utilizar todo o seu dia para trabalhar?
  • Porque já pesquei o suficiente para hoje.

  • Por que você não continua pescando, para gerar um excedente de peixes e ter lucro vendendo-os no mercado?
  • O que vou fazer com o lucro?

  • Você pode acumular o lucro para comprar um barco maior e equipamentos de pesca melhores.
  • E depois?

  • Você pode aumentar a sua produtividade e pescar mais peixes em menos tempo, aumentando o seu EBITDA.
  • E depois?

  • Com aumento de sua margem EBITDA, você pode conseguir investimentos ou se associar a outros empreendedores, para comprar mais barcos e contratar mais pescadores, maximizando os ativos obtidos.
  • E depois?

  • Com o sucesso deste empreendimento inicial, você pode criar uma frota de barcos pescadores, aumentando o seu share e até chegando a dominar o mercado.
  • E depois?

  • A sua companhia pesqueira pode crescer tanto ao ponto de se tornar uma empresa global, e quem sabe, abrir o capital na bolsa de SP.
  • E depois?

  • Aí você será um homem rico. Poderá passar férias num lugar paradisíaco como este, e dormir sossegado numa rede debaixo de uma árvore, sem preocupações…
  • Então eu não preciso de nada do que você falou. Eu já estou fazendo isto.

O Mula Nasrudin convidou o graduado a se sentar, tomar uma água de côco de frente para o mar, e ficaram lá o resto da tarde, até contemplar o pôr do Sol.

O fardo que carregamos

Este conto é do folclore do Oriente Médio. As histórias do mulá Nasrudin combinam sabedoria e muito humor. “Mulá” significa “mestre”. Este é sobre os fardos que carregamos na nossa mente.

Um dia, Nasrudin, em sua peregrinação, encontrou um rio enorme que o impedia de continuar o caminho. Dado o tamanho do rio e agitação da água, seria impossível atravessá-lo a nado.

Então, ele juntou tudo o que podia e passou um dia e uma noite construindo uma bela e segura canoa. Na manhã seguinte, a colocou na água e conseguiu chegar ao outro lado sem maiores dificuldades.

Assim que ele estava em terra firme, amarrou a canoa em suas costas e com muito esforço e sofrimento continuou em seu caminho, em direção à floresta, se arrastando para suportar todo aquele peso.

Num momento, um passante o avistou e, curioso, perguntou:
“Senhor, por que está carregando essa canoa em meio a uma floresta?”

Nasrudin respondeu:
“Não posso deixá-la para trás. Ela me ajudou a atravessar o rio. Espero que também me ajude a atravessar a floresta.”

Assim como ilustra a história de Nasrudin, também carregamos as nossas canoas, que foram úteis em algum momento, mas certamente nos seguram no meio de uma floresta.