Lavar as mãos e quebra de paradigma

É impressionante o poder de lavar as mãos. Tão simples, tão eficaz.

Nem sempre foi assim. O médico que propôs isso morreu desacreditado num hospício…

Na década de 1840, Ignaz Semmelweis notou que a taxa de mortalidade de mães que eram tratadas por médicos era maior do que as por parteiras.

Os hospitais eram sujos. Segundo relatos, havia uma mesa de madeira manchada com traços dos corpos que haviam passado por ali, enquanto o chão estava coberto de serragem para absorver o sangue que escorria.

Semmelweis estudou cuidadosamente a diferença entre os médicos e parteiras, e propôs que os médicos lavassem as mãos antes de qualquer procedimento cirúrgico.

Todos os hospitais que adotaram a prática de lavar as mãos conseguiram diminuir significativamente o número de mortes por infecção, mas, mesmo assim, a teoria não foi unânime.

Semmelweis foi bastante desacreditado pelos colegas. Sua teoria não “pegou” no mainstream médico.

Hoje, sabemos que existem microorganismos que causam infecções. Na época, não havia uma teoria clara.

Somente após a teoria corpuscular de Loius Pasteur, a comunidade médica foi convencida da importância de lavar as mãos.

https://www.bbc.com/portuguese/geral-49817726