E depois?

Li uma história do Mula Nasrudin, cujo original não consigo encontrar, mas era mais ou menos assim.

Estava o Mula Nasrudin a dormir em sua rede debaixo de uma árvore, no meio da tarde, após pescar quantidade suficiente de peixes para o dia.

Um graduado em administração com MBA em Harvard estava passando pelo local, quando resolveu questioná-lo.

  • Por que você está aí, ocioso, ao invés de utilizar todo o seu dia para trabalhar?
  • Porque já pesquei o suficiente para hoje.

  • Por que você não continua pescando, para gerar um excedente de peixes e ter lucro vendendo-os no mercado?
  • O que vou fazer com o lucro?

  • Você pode acumular o lucro para comprar um barco maior e equipamentos de pesca melhores.
  • E depois?

  • Você pode aumentar a sua produtividade e pescar mais peixes em menos tempo, aumentando o seu EBITDA.
  • E depois?

  • Com aumento de sua margem EBITDA, você pode conseguir investimentos ou se associar a outros empreendedores, para comprar mais barcos e contratar mais pescadores, maximizando os ativos obtidos.
  • E depois?

  • Com o sucesso deste empreendimento inicial, você pode criar uma frota de barcos pescadores, aumentando o seu share e até chegando a dominar o mercado.
  • E depois?

  • A sua companhia pesqueira pode crescer tanto ao ponto de se tornar uma empresa global, e quem sabe, abrir o capital na bolsa de SP.
  • E depois?

  • Aí você será um homem rico. Poderá passar férias num lugar paradisíaco como este, e dormir sossegado numa rede debaixo de uma árvore, sem preocupações…
  • Então eu não preciso de nada do que você falou. Eu já estou fazendo isto.

O Mula Nasrudin convidou o graduado a se sentar, tomar uma água de côco de frente para o mar, e ficaram lá o resto da tarde, até contemplar o pôr do Sol.

A tartaruga do longo prazo e a lebre do curto prazo (Ou de burst em burst até o burnout)

O fluxo inexorável do longo prazo é como se fosse a tartaruga, enquanto a rápida e saltitante lebre é como se fosse o curto prazo.

A fábula clássica de Esopo mostra a lebre pulando rapidamente, depois cochilando para descansar. Enquanto isso, a tartaruga vai avançando, com o seu passinho ritmado e contínuo, passo a passo…

Imagine a lebre trabalhando duro, até tarde da noite, com uma montanha de tarefas e com a pressa de resolvê-las todas de uma vez. De burst em burst de trabalho, ele chega ao burnout – doença dos tempos modernos, completo esgotamento mental da pessoa.


A tartaruga troca o burst pela pressão firme e contínua. Investe a longo prazo, tendo a favor os juros compostos. A lebre quer maximizar o EBITDA trimestral, obter ganhos de curto prazo.

Por fim, a tartaruga do longo prazo está lá longe, andando devagar e sempre. A lebre não dá a menor bola, até que, quando percebe, a tartaruga já mordeu o seu calcanhar…

​A Guerra Santa do EBITDA

Onde está o livre arbítrio?

Adolfo foi um pai de família comum, casado, com quatro filhos. Por muito tempo, sua rotina foi acordar às seis, ir trabalhar numa fábrica e retornar à noite para brincar com os filhos.

Adolfo foi uma boa pessoa, correto?

Errado. Adolph Eichmann foi dos piores criminosos de guerra nazista. Ele foi responsável pela solução definitiva da questão judaica (ou seja, execução dos mesmos). Ele administrava a logística de deportação de judeus para guetos e campos de extermínio, na Alemanha da Segunda Grande Guerra.

A filósofa Hanna Arendt estudou a fundo o julgamento dos crimes de guerra de Eichmann, e concluiu que ele não parecia o monstro que todos esperavam. Ele parecia uma pessoa comum.

businessman-puppet_645x400.jpg

Para a sua defesa, Eichmann dizia que estava apenas cumprindo ordens. Ele fazia aquilo que era esperado dele, e fazia com muito empenho. E isto era exatamente o mesmo que todos os outros à sua volta faziam. Vide post.

Reflexão 1: Como ele foi capaz de seguir ordens cegamente, sem levar em conta o crime praticado? Ele não poderia dizer “Não” e fugir para outro país?

E cadê o livre arbítrio dele?

 


 

Decisões e tabelas de mandamentos

Para filósofos existencialistas como Jean Paul Sartre (1905-1980), não existem regras fixas para guiar o nosso comportamento na vida. Somos nós mesmos os responsáveis pelas nossas decisões e, principalmente, pelas consequências delas.

O mundo é complexo, cheio de valores conflitantes. Tomar uma decisão “A” significa que decisões “B” e “C” não serão tomadas.

Tomar decisões e assumir responsabilidades é difícil. É muito mais simples ter uma “Tábua da Verdade”, uma “Tabela de Mandamentos”, e apenas seguir o que está escrito.

É muito mais fácil ter alguém que dita o que é certo e o que é errado: faça tudo o que está na coluna “certo”, e condene o que está na coluna “errado”.

right-wrong-check-marks.jpg

 

Religiosos radicais extremistas seguem a sua tabela de mandamentos particular. Pela sua lógica própria, amarrar bombas ao corpo e explodir os inimigos faz total sentido, é até um ato de heroísmo.

Criticamos o homem-bomba: “Mas que tolo! Ele não vê que é burrice se explodir por uma causa imaginária como esta? Ele não tem noção do sofrimento que vem causando?”

Reflexão 2: Parece ruim seguir uma Tabela de Mandamentos sem questionar. Mas será que somos tão diferentes assim de um homem-bomba, ou de um Adolph Eichmann?

 


 

EBITDA, EBITDA, EBITDA

Muitos executivos, de todos os níveis gerenciais, seguem à risca a Tabela de Mandamentos do EBITDA, – ou seja, obter lucro, resultado, EBITDA acima do orçamento. Trabalhar mais para atingir o EBITDA. Apertar fornecedores para fechar bem o mês. Cortar custos das mais diversas formas possíveis, seja demitindo funcionários, seja postergando projetos. Deixar de tomar precauções, ou seja, assumir mais riscos. Deve-se fazer o impossível para chegar no EBITDA. O objetivo é o EBITDA, a justificativa de tudo é o EBITDA.

 

Mas, e os impactos econômicos dessas decisões no longo prazo? E os impactos ambientais? E os impactos sociais?

Estes impactos são imensuráveis, impossíveis de medir. E normalmente são externalidades negativas: não entram na conta da empresa, mas entram na conta do mundo, da sociedade, de todos.

ebitdameme.jpg

Reflexão 3: Será que às vezes não nos cabe dizer “não”?

Será que não temos o livre arbítrio de tomar hoje a decisão mais saudável para o longo prazo (que um dia vai chegar) e pensando no global (que somos todos nós, incluindo aqueles que ainda vão nascer)?

Algum dia, quando desequilíbrios econômicos, sociais e naturais estiverem fora de controle, nossos descendentes talvez digam:

“Que tolas essas pessoas do século XXI! Elas não viam que era burrice
destruir o mundo por uma causa imaginária como o EBIDTA? Eles não tem noção do sofrimento que causaram?”

Mas o EBITDA do mês está garantido…

Plano de ação imediato: Dizer “Não” quando for necessário defender o longo prazo ou sustentar ganhos globais.

 

 

 

Escrito ao som de “The times they are a-changing”, Bob Dylan.