Qual a importância de um projeto recém-nascido?

Um cientista estava mostrando um fato curioso. Quando ele passava eletricidade por um fio enrolado, uma agulha de metal era atraída para este fio.

 

main-qimg-a31baf23bb3e31685f43b45120e6d473

Um sujeito na plateia perguntou: “Qual a utilidade disto?”

O cientista respondeu: “Qual é a utilidade de um recém-nascido?”


 

E qual a utilidade de um fio elétrico atrair uma agulha?
Este simples fato curioso tem raízes muito profundas: a possibilidade de conversão entre forças elétrica e magnética. Isto deu origem a uma tremenda revolução na eletricidade. Eletroimãs funcionam assim, acionando ou desativando a eletricidade, e portanto, o imã. Já as usinas hidroelétricas fazem o contrário: a força da água movimenta turbinas geradoras, que distorcem um campo magnético, gerando eletricidade do outro lado. Milhares de aplicações surgiram da evolução de ideias recém-nascidas que, no começo, eram apenas curiosidades.

 

Nem tudo tem uma utilidade imediata. Um projeto novo pode ter um tempo de maturidade grande, e não deve ser cobrado como se cobra algo já bem estabelecido.

 

“Todo novo projeto é um recém nascido e pertence ao berçário”, diz o Mestre Peter Drucker, no livro The Daily Drucker.

 

Arnaldo Gunzi

Ago 2015

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s