Certificado – Quantum Excellence

Compartilhando o Certificado de Quantum Excellence da IBM, para quem passou pelo Summer School deste ano.

Vide comentários sobre essas duas semanas de treinamento aqui: https://medium.com/arnaldo-gunzi-quantum/comments-on-qiskit-summer-school-2021-quantum-machine-learning-4ff5523c6761

Outro post que pode ser de interesse: https://medium.com/arnaldo-gunzi-quantum/how-to-get-the-qiskit-developer-certificate-8dcd3b31fcb0

Agradeço a todos pela ajuda e suporte de sempre!

Como (não) fraudar dados e falar sobre honestidade

Dan Ariely é um palestrante internacionalmente conhecido, autor de best seller sobre economia comportamental, figura carimbada em TED talks e tem até série na Netflix. Há alguns dias, pesquisadores investigativos publicaram evidências fortes de que um de seus estudos é fruto de fraude.

Como o autor de “A (honesta) verdade sobre a desonestidade” pode ter ele mesmo fabricado dados e conclusões? Ele e os demais envolvidos afirmam que também não sabiam da manipulação.

Independente ou não de má fé, sua imagem fica extremamente arranhada.

Vale muito a pena entender a análise investigativa completa. Foi um trabalho de “Sherlock Holmes” de informação, publicado no blog Data Colada: https://datacolada.org/98

Segue um resumo:

  • A tese de Ariely é de que assinar formulários prometendo honestidade antes de preencher os dados faz as pessoas serem mais honestas do que assinar só no final.

  • Essa tese levou diversos governos e empresas a mudarem seus formulários. O problema é que a conclusão não conseguiu ser replicada em estudos similares, o que levou os próprios autores a alertarem sobre o fato, e publicarem os dados crus do estudo original, de 2012.

  • Os dados originais eram de uma seguradora, e os clientes informavam a milhagem dos carros segurados (13.488 registros).

  • Uma distribuição comum de milhagem segue uma normal, já a distribuição de parte dos dados era mais parecida com uma uniforme, que pode ser facilmente gerada com um ‘randbetween’ do Excel.
(Figura do The Economist, sobre o artigo citado)
  • Todos os carros que apresentavam distribuição uniforme tinham valor abaixo de 50.000 milhas – o valor máximo foi 49.997. É extremamente implausível que uma distribuição até 50 mil tenha alta frequência, e não haja nenhum valor maior (ou seja, foi algo como um ‘randbetween 50.000’). Os investigadores também garantem que não teve um corte para gerar o gráfico, são os dados brutos que estão estranhos mesmo.

  • Quando uma pessoa preenche um formulário desses, ou ela realmente consulta o odômetro e anota certinho, ou dá uma arrendondada de cabeça. A frequência de números arredondados, terminando em zero, tende a ser maior. Nas bases do próprio estudo, uma base realmente tinha maior frequência em números terminando em 0. Porém, outra base tinha igual frequência em todos os dígitos (de novo, o randbetween é uma explicação fácil).
Estudo do site Data Colada
  • A fonte utilizada na tabela estava diferente, como explica este resumo da revista The Economist, baseada no artigo.
Figura da revista The Economist, sobre o artigo

Não dá para afirmar que Ariely propositalmente manipulou dados, mas algo que ele deveria ter feito, minimamente, era analisar a consistência dos mesmos.

Algumas lições, para quem trabalha com dados:

1) Nunca, de forma alguma, crie informações falsas.

2) Tenha sempre as bases de dados e o racional auditáveis.

3) Conheça bem as informações que tem, faça checagens de consistência.

Por fim, uma ótima reflexão de Sílvio Meira. Os dados não são o “novo petróleo”. Estão mais para “novo urânio”. Isso porque os dados devem ser tratados, refinados, e atingir massa crítica para gerar valor, e o descarte é um perigo, para o negócio e para o ecossistema.

Links:

https://www.timesofisrael.com/claims-swirl-around-academic-ariely-after-honesty-study-found-to-be-dishonest/amp/

https://www.economist.com/graphic-detail/2021/08/20/a-study-on-dishonesty-was-based-on-fraudulent-data

https://www.economist.com/graphic-detail/2021/08/28/how-data-detectives-spotted-fake-numbers-in-a-widely-cited-paper

Polígonos e conexões

Quantas conexões podemos fazer com três pessoas?

São três:

Este é um grafo completo – cada elemento está totalmente conectado com os demais.

Este grafo tem uma representação visual muito bonita. Fiz um programinha, usando o pacote D3 do javascript, no endereço a seguir.

https://asgunzi.github.io/Poligonos-e-conexoes/

Alguns prints:

13 pontos:

25 pontos:

Interessante é que não consigo desenhar uma reta com um lápis e régua. Acho mais fácil usar um computador para traçar retas e círculos.

Veja também:

A vaca louca, príons e a história de um Prêmio Nobel

A doença da vaca louco todo mundo já ouviu falar, até pelo nome ser exótico: é uma doença que faz as vacas perderem o controle motor e pararem de se alimentar. É um mal neurodegenerativo, que faz buracos no cérebro, tornando-o parecido com uma esponja.

E o que diabos é um príon?
O príon é aquilo que causa a doença da vaca louca. O problema que esse tal de príon não é um vírus, nem uma bactéria, fungo, nada conhecido. O nome vem de “proteína infecciosa”, termo cunhado pelo pesquisador Stanley Prusiner, que ganhou o Prêmio Nobel de Fisiologia de 1997 pela descoberta. Essa definição de príon é tão controversa que até hoje há enorme contestação sobre o tema.

Nós temos a noção de que ciência é algo linear, direto, em que um pesquisador descobre algo, prova, e todo mundo concorda. Na verdade, é muito diferente disso, e o caso de Prusiner demonstra muito bem: é uma luta quase solitária contra o consenso, envolvendo enorme trabalho, priorização de recursos e até guerra de egos.

Stanley Prusiner escreveu um livro interessante sobre o tema: “Madness and Memory – The Discovery of Prions – A New Biological Principle of Disease”, que narra a história de sua pesquisa.

Link da Amazon: https://amzn.to/3D7YeVl

Primeiro, descobertas anteriores chamaram a sua atenção. Algumas doenças, como a Creutzfeldt-Jakob Disease (CJD) e o Kuru (que ocorre em tribos na Nova Zelândia), pareciam ser infecciosas, porém não envolviam nenhum organismo que tinha DNA.

Ser infeccioso é mais ou menos simples de comprovar. Basta colocar o tecido de uma pessoa infectada em contato com uma cobaia não infectada (digamos, um chimpanzé). Um enorme problema aqui é o que o período de incubação pode passar de 10 anos, o que torna a relação causal mais complicada de detectar.

Uma suspeita bastante óbvia, era de que se tratava de um vírus. Ou um viróide, ou algo do tipo. Essa era a aposta de 10 entre 10 infectologistas da época. Stanley Prusiner mergulhou a fundo nas pesquisas, a fim de entender se realmente se tratava de um vírus.

O organismo causador da infecção não tinha DNA. Prusiner e time realizaram inúmeros testes, como o de jogar raios ultravioleta, que destroem a cadeia de DNA. E nada. Se utilizassem técnicas para desativar um vírus, o príon não era desativado, se o príon era desativado, não funcionava num vírus.

Sua conclusão é a de que era uma proteína com alguma deformação que a tornava infecciosa, não um vírus, um fungo ou algum outro microorganismo conhecido. Além disso, as vítimas morriam sem reações imunológicas normais (como febre). Realmente, deveria ser algo diferente.

Um episódio interessante é sobre o nome. Ele sabia que um bom nome ajudaria a fortalecer o conceito. Ele pensou em “proteína infecciosa”, que ficaria “proin”. Porém, “príon” soa melhor, além de que o “íon” dá uma cara de química.

A fim de proteger o sensível e poderoso cérebro, o organismo dos seres vivos possui uma série de filtros. Não é qualquer coisa que chega ao cérebro. Porém, doenças como o Kuru vêm por meio de ingestão, e atravessam todas as barreiras. Isso porque o príon deriva de uma proteína nativa do próprio cérebro, e por isso, passa por todas essas barreiras do corpo.

A doença Kuru, é degenerativa como a da vaca louca, mas em humanos. Nas tribos onde ocorria o problema, havia a tradição de canibalismo. Normalmente, eram as mulheres que comiam os adversários mortos – e, consequentemente, eram elas que sofriam de Kuru.

Sobre a doença da vaca louca, anos depois, algo semelhante. Ossos e gado não consumível ao ser humano (vacas doentes, por exemplo), eram processados, transformados em ração, e dados para alimentar o rebanho que estava crescendo. Animais herbívoros passaram a ser forçadamente canibais. O cérebro de vacas com os príons entrava na dieta, e com isso, atingia outros animais. É nesse contexto que, por volta de 1985, começaram a surgir os primeiros casos da vaca louca, atingindo o auge nos anos 90.

Conhecendo a origem e a forma de transmissão, ficou fácil estabelecer os meios para evitar o problema. O canibalismo deixou de ser praticado entre as tribos de Nova Guiné, e a farinha de ossos e carne foi proibida, inclusive se fosse feita de outros animais como galinha.

No livro, Prusiner narra como a ideia original de príon foi recebida com enorme ceticismo, e a sua luta para conseguir verbas para continuar a pesquisa. À medida que mais e mais evidências convergiam para seus estudos, também houve concorrentes o boicotando, tentando chegar à conclusões sem o citar ou evitando utilizar os seus dados – no meio acadêmico, há enorme guerra de egos.

Seja como for, Prusiner foi merecedor do Prêmio Nobel, pelo pioneirismo de suas ideias, pela curiosidade e ousadia em tentar entender algo que destoava do conhecimento comum.

O livro é muito interessante para quem tem algum conhecimento do que é um príon e do quão esquisito é esse conceito. Também é um documento que mostra o caminho trilhado por um grande cientista, as suas dúvidas, a incerteza de estar fazendo a coisa certa, e, enfim, o triunfo em ver sua pesquisa ajudar a combater um mal de alcance mundial, a doença da vaca louca.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4445594/

https://www.canalrural.com.br/sites-e-especiais/saiba-que-como-surgiu-mal-vaca-louca-10357/amp/

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Encefalopatia_espongiforme_bovina

https://www.audible.com/pd/Madness-and-Memory-Audiobook/B019R2MRSO

https://www.today.com/video/us-confirms-first-case-of-mad-cow-in-6-years-44513347830

Demonstração visual de seno e cosseno

Segue no link uma animação, mostrando o seno e cosseno como projeções de um ponto ao redor de um círculo.

Fiz essa animaçãozinha no pacote D3 do javascript, que é excelente para esse tipo de demonstração.

Segue aqui para brincar um pouco:

https://asgunzi.github.io/Seno-Cosseno-Visual/

Veja também:

Prova visual da sequência 1 + 2 + 4 + 8 = 2^N – 1

A progressão geométrica 1 + 2 + 4 + 8 + …, com cada elemento sendo o dobro da anterior, tem soma igual a 2^N-1, onde N é o número de elementos da soma.

Há uma prova visual muito bonita desta.

Imagine que tomamos emprestado um quadrado, o vermelho, e somamos o primeiro elemento (1):

O próximo elemento da soma, o 2, colocamos à direita – espelhando a soma anterior.

O próximo elemento da soma, o 4, é representado abaixo, de novo espelhando a soma anterior.

E assim sucessivamente. Para 8:

Para o 16:

Com 10 elementos:

Criei um programinha para visualizar dinamicamente essa soma geométrica. É da onde os prints acima foram tirados. Segue o link:

https://asgunzi.github.io/somageometricaD3

Agora, um pouco da teoria. Uma soma de PG finita é dada pela fórmula:

No caso da sequência acima, a1 = 1, q = 2, para N elementos. Então, fica S = 1*(2^N-1)/(2-1) = 2^N-1, que é a mesma conta.

Eu prefiro a prova visual…

Veja também:


Visualize a sequência de Fibonacci https://asgunzi.github.io/Fibonacci

Fórmula de soma de PA visual

https://ideiasesquecidas.com/2015/09/04/soma-visual-de-pa

Laboratório de Matemática


https://ideiasesquecidas.com/laboratorio-de-matematica

Influência – Robert Cialdini – Planilha Bizurada

Os 6 princípios da Influência, de Robert Cialdini, são dicas importantes para 1) Influenciar outras pessoas 2) Evitar influências indesejadas. É, no mínimo, bom conhecer.

Coloquei as mesmas no formato de Planilha Bizurada.

Planilha para download aqui:

https://1drv.ms/x/s!Aumr1P3FaK7jnzs9v_OAtNdMS1KZ

Link do livro na Amazon: https://amzn.to/3D4DYnE

Veja também:

Shakespeare em Quadrinhos

Seguem algumas recomendações para o fim de semana: As obras imortais de William Shakespeare, em quadrinhos!

Eu tenho várias dessas revistas. São leituras rápidas e divertidas.

Um primeiro grupo de adaptações é no formato mangá. É a coleção Mangá Shakespeare.

A Tempestade:

https://amzn.to/3g3hpFR

Ricardo III – Outro clássico, com um personagem prá lá de maldoso e sinistro.

https://amzn.to/3yLna2q

Outro grupo de adaptações é a Coleção Shakespeare, pela Editora Nemo:

Romeu e Julieta, todo mundo conhece essa história.
https://amzn.to/3yMry0S

MacBeth é uma história sensacional. Tenho até medo de pensar que podem existir pessoas como os MacBeth.

https://amzn.to/3fYQZ8a

Fora esses, tem muitos outros títulos. O Mercador de Veneza, mais um clássico. O Rei Lear é muito bom também, inclusive aproveito para recomendar o filme Ran, de Akira Kurosawa, baseado na obra de Shakespeare.

É claro que Shakespeare original é muito mais profundo, mas o objetivo é só introduzir um pouco deste universo. São histórias clássicas num formato bastante atrativo para uma leitura simples.

Veja também:

Resumos

Pensamento linear, mundo exponencial

Muito feliz ao saber que um dos meus posts, sobre a história do xadrez e o número de grãos de arroz em suas casas, está sendo usada pelos amigos da Negociarte (https://negociarte.com.br/), para ilustrar a diferença entre pensamento linear x exponencial.

https://www.linkedin.com/pulse/pensamento-linear-mundo-exponencial-td-mentoria/?trackingId=fMuF6ndgTXOnlTTOuA5qSQ%3D%3D

Já assisti a aulas de comunicação e negociação do prof. Carlos Viveiro, e tem posts aqui a respeito. Espero que essa troca saudável continue por muito tempo.

4 dicas de produtividade

Seguem algumas técnicas que utilizo. Longe de serem as únicas, mas funcionam, pelo menos para mim.

1. Energia

Uma estratégia de produtividade que uso: fazer a tarefa mais difícil, que exige maior criatividade, no momento em que tenho mais energia (das 5 às 7 da manhã). Cada um tem o sua período mais produtivo. Para alguns é mais à noite, outros, de manhã.

O resto do dia, sob reuniões, distrações diversas, utilizo para as tarefas mais burocráticas ou trabalhosas, menos criativas.

É impressionante como essas duas horas produzem mais do que o resto do dia inteiro.

2. Andar

Uma das maiores fontes de criatividade é andar.

Diversos pensadores gostavam de andar e ter ideias no processo. Albert Einstein era famoso por caminhar com Kurt Godel e discutir física. Steve Jobs fazia inúmeras “reuniões andantes”. Friedrich Nietzsche teve algumas de suas maiores inspirações (como o “Eterno Retorno”) enquanto caminhava.

Somente o ser humano anda habitualmente em duas pernas. Parece tão simples, mas o ato de andar envolve uma capacidade mental enorme: balanço, orientação, centro de gravidade… Estima-se que seja necessário fazer um bilhão de cálculos para andar. Vide https://antoniamalchik.medium.com/walking-is-central-to-human-evolution-but-nobody-knows-why-aa2577b937be.

Aliado a isso, tem um caderno de notas para escrever. Thomas Edison tinha centenas de cadernos de notas. De centenas de notas, algum coisa útil vai sair. Este post é resultado de notas antigas compiladas, por exemplo.

3. Audiobooks

Eu gosto bastante de áudio-livros. Ou andando, ou no transporte, pode ser uma alternativa muito boa, e hoje em dia, é muito fácil encontrar títulos (ex. Audible) e também tocar (qualquer celular + fone).

Outra alternativa é a de resumo de livros. Notavelmente três: Blinklist, 12 min e Instalivros. Todos eles liberam um resumo grátis por dia. Resumos têm o seu limite. Um livro profundo e complexo dificilmente será bem resumido. Mesmo assim, é uma ferramenta boa, para entender um pouco mais de algum tema e para relembrar pontos principais.

Podcasts hoje em dia substituem livros. O TED talks daily tem temas diversos. Há também conteúdo de nicho específico – gosto do Lex Fridman, que fala de tecnologias. Não ouço tanto podcasts, porque prefiro as alternativas acima.

É possível mudar a velocidade de reprodução. Qual a ideal? 2x? 1,5x?

Para mim, tem que ser compatível com a velocidade que a cabeça está girando. Se estou a mil por hora, cheio de energia, dá para colocar em 2x, concentrar e aproveitar o conteúdo. Se a cabeça está devagar, também a reprodução tem que ser mais lenta. Caso contrário, não adianta se enganar, achando que está aproveitando o conteúdo.

4. Google Alerts

Uso o Google Alerts (https://www.google.com/alerts) para cadastrar palavras-chave de temas específicos e receber e-mails diários.

Exemplo: Gosto de acompanhar o que a empresa DeepMind faz, então tem um alerta específico para ela.

Dá para especificar a língua desejada, região, frequência de e-mails (semanal, diário).

Ficam as dicas.

Conjectura de Collatz — visualizações utilizando Python

Algumas belas visualizações da conjectura de Collatz.

Forgotten Math

A Conjectura de Collatz é o problema não resolvido de matemática mais simples da história.

Pegue um número qualquer n.

  • Se n for par, divida por 2
  • Se n for ímpar, calcule 3*n+1

E continue fazendo essa conta.

A conjectura diz que a sequência sempre vai convergir para 1.

Exemplo: número inicial 5

5 -> 16 -> 8 -> 4 -> 2 -> 1

Foram 5 passos para convergir para 1.

Exemplo: número inicial 6

6 -> 3 -> 10 -> 5 -> 16 -> 8 -> 4 -> 2 -> 1

Foram 8 passos para convergir para 1.

Criando uma função em Python (vide código emhttps://github.com/asgunzi/Collatz-Pytho)para retornar o número de passos, esses são os primeiros 100 valores.

[1, 7, 2, 5, 8, 16, 3, 19, 6, 14, 9, 9, 17, 17, 4, 12, 20, 20, 7, 7, 15, 15, 10, 23, 10, 111, 18, 18, 18, 106…

Ver o post original 179 mais palavras

Livros e Olimpíadas

Aproveitando a onda das Olimpíadas, aproveito para divulgar que também fui medalha de bronze. Foi nas Olimpíadas Brasileiras de Matemática de 1997.

O livro acima é da SBM (Sociedade Brasileira de Matemática), e contém enunciados e resoluções de provas antigas da OBM. Além disso, no final do livro, tem uma listagem com os premiados de cada olimpíada da coletânea – e confesso que comprei o livro só para ver se meu nome estava lá!

Para estudar para esta prova, em 1997, um livro que ajudou muito foi o Olimpíadas Brasileiras de Matemática, de 1o a 8o (ou seja, a primeira versão da coletânea). Naquela época pré-internet era bem difícil encontrar material bom, no nível alto desse tipo de prova.

Hoje em dia, é bem mais simples. Para quem gosta de matemática, a loja da SBM é um prato cheio.

https://loja.sbm.org.br/

Outra recomendação de livro de matemática é o abaixo: 12 na matemática e na vida. Conta algumas histórias sobre números e matemática, de forma simples e didática.

O motivo da recomendação é que o autor, Sinésio, é amigo e colega de empresa meu.

Este livro foi publicado há anos atrás e só é possível encontrar em sebos.

Ficam as dicas.

Veja também:

Resumos