Os heróis invisíveis

Os heróis invisíveis não aparecem nas capas de revistas de negócios, nem nos jornais. Não são famosos, não ganham prêmios e nem têm milhares de seguidores em redes sociais.

Eles são os que plantam sabendo que outros irão colher. São os que evitam acidentes ou mitigam grandes riscos futuros, mesmo que ninguém fique sabendo. São os que entregam um trabalho acima da qualidade, mesmo que ninguém perceba.

Não sabemos os seus nomes. E nem precisamos saber. Porque o herói invisível se contenta com o seu excelente trabalho.

(Inspirado em conversa com o amigo Valmir Calori)

O Dilema do Inovador

O mundo da inovação, tão em voga atualmente, deve muito ao professor de administração Clayton Christensen, falecido há poucos dias.

Ele abriu os olhos do mundo em relação ao Dilema do Inovador, resumido no gráfico a seguir.

Uma empresa tradicional apresenta uma performance, obtida de muitos anos de trabalho e desenvolvimento. Uma tecnologia potencialmente disruptiva, em seu início, não vai entregar resultados tão atraentes.

A empresa olha para a tecnologia concorrente, dá de ombros, e prefere ficar com a tecnologia madura, já consagrada, sem riscos. Isto abre espaço para que pequenas startups explorem esta brecha, e, talvez, disruptem o mercado.

Este é o dilema do inovador. É justamente em seu melhor momento que as grandes empresas tradicionais devem se desafiar e disruptar a si mesmas.

Exemplos práticos não faltam. Christensen cita a Kodak em seu livro, superada pelas máquinas digitais (e todo ppt de inovação o faz desde então). Mas a própria câmera fotográfica digital foi superada, hoje o celular tem câmeras tão poderosas que só profissionais precisam de uma câmera fotográfica. Outro exemplo é a indústria fonográfica, que teve o iTunes da Apple mudando toda a lógica dela, e atualmente, streaming como o Spotify destronando o iTunes.

https://epocanegocios.globo.com/Mundo/noticia/2020/01/morre-clayton-christensen-inventor-do-conceito-inovacao-disruptiva.html

https://exame.abril.com.br/blog/david-cohen/o-enorme-legado-de-clayton-christensen

Percepção x Dados

Um pequeno teste: há algo de errado com as fotos do Obama, de cabeça para baixo?

E virando a foto?

E agora, com a Mona Lisa?

(Vire o monitor, este não é gif animado).

Não vemos nada de errado nas imagens de cabeça para baixo porque a visão ocorre no cérebro, não nos olhos.

É como se os olhos captassem uma imagem, e esta fosse reconstituída no cérebro, interpolando as partes faltantes, complementando com a interpretação do contexto.

No mundo cotidiano, não vemos muitas pessoas de cabeça para baixo. Por isso, não somos especialistas em decifrar imagens deste tipo.

É neste tipo de situação que computadores, com dados frios e brutos, podem performar melhor que os seres humanos.

Rubik de madeira

Ganhei este cubo de Rubik, feito em madeira, do meu amigo Sérgio Campos.

Ele disse que teve que as peças não giravam direito, e ele teve que desmontar, arrumar o espaçamento e lubrificar – fica aqui o obrigado pela peça e por tanto esforço.

Aproveitando, um bom lugar para comprar cubos mágicos dos mais diversos tipos é no bairro da Liberdade, em São Paulo.

Mais especificamente, a loja Hai-Kai (Rua Thomaz Gonzaga 99) é uma boa opção.

Outra opção é on-line. A AliExpress tem bons preços e uma variedade enorme de cubos, dodecaedros e outras formas esquisitas, mas a entrega pode demorar alguns meses. A Amazon do Brasil também tem uma série de lojas interessantes.

Minha página sobre cubos mágicos em geral: https://ideiasesquecidas.com/cubos-magicos/

Educação e o colapso das sociedades complexas

“Estamos emprestando dinheiro que não temos para jovens que não conseguem pagar de volta e que estão sendo treinados para carreiras que não existem mais”.

Este excelente tweet resume fortemente o que vem ocorrendo no mundo moderno.

Link do vídeo citado: https://www.ted.com/talks/mike_rowe_learning_from_dirty_jobs?language=pt-br

É um efeito do aumento da complexidade da sociedade, conforme descrito anteriormente neste espaço. Um crescimento inicial é bom para todo mundo, porém o aumento da complexidade traz necessidade de novos (e mais complexos) mecanismos de controle, e assim sucessivamente, com retornos decrescentes.

https://ideiasesquecidas.com/2019/06/19/o-colapso-das-sociedades-complexas

É um ciclo em que a complexidade gera a necessidade de mais complexidade, e assim sucessivamente..

Fazer doutorado atualmente é saber profundamente sobre quase nada. Professores, com décadas estudando e lecionando, estão cada vez mais obsoletos. Perguntei para um grupo de graduandos se eles conheciam o que é S&OP (sales & operations planning) e se tinham tido aula de Python, e eles não entenderam nem a pergunta..

No mundo atual, é cada vez mais difícil (e caro) desenvolver novos medicamentos. Gastos militares exponencialmente caros, capazes de falir um país.

Seremos engolidos pela complexidade?

Trilha sonora: Led Zeppelin, Starway to Heaven

Iludidos pelo acaso

Uma boa surpresa é encontrar nas livrarias o relançamento do livro “Iludidos pelo acaso” (Fooled by Randomness), do meu autor favorito: Nassim Taleb.

Fooled by Randomness foi publicado em meados dos anos 2000. Mostra como a aleatoriedade afeta diversos aspectos de nossa vida. É um ensaio para o ápice, o magnum opus de Taleb, que seria a publicação seguinte: A Lógica do Cisne Negro; e, posteriormente, Antifrágil – coisas que ganham com a desordem.

Em Iludidos pelo acaso, Taleb ainda não é o Taleb: sem inventar termos e conceitos (ex. o termo Cisne Negro, efeito Lindy), sem criticar abertamente figurões da academia, da política e da economia (há uma fila de desafetos: Steve Pinker, Richard Thaler, Nate Silver, Susan Sontag, e por aí vai), sem comprar briga em temas polêmicos (como plantações geneticamente modificadas).

Porém, tem o DNA do mesmo, dizendo em essência, o mesmo que viria depois no Cisne Negro: não conhecemos o mundo em que vivemos, não conseguimos prever o futuro, apenas nos preparar para ele.

Vale a pena ler cada frase deste livro.

A página pessoal oficial de Nassim Taleb é o Fooledbyrandomness.com

https://fooledbyrandomness.com/

Veja também:

https://ideiasesquecidas.com/2017/08/09/a-teoria-dos-cisnes-negros/

https://ideiasesquecidas.com/2019/05/10/o-que-e-antifragil/

Uma frase de Feynman

“Se, num caso de um cataclisma, todo conhecimento científico do mundo fosse destruído, e apenas uma sentença fosse passada para a próxima geração, qual seria a afirmação que traria mais significado em menos palavras? Acredito que é a hipótese atômica, que diz que tudo é feito de átomos”.

Esta é uma das frases iniciais das Aulas de Física de Feynman, referindo-se ao genial físico norte-americano Richard Feynman.

O currículo de Feynman é admirável: participou do Projeto Manhattan (da bomba atômica), ganhou o Prêmio Nobel de Física (por trabalho em eletrodinâmica quântica), ajudou a desvendar a causa da queda da espaçonave Challenger.

Porém, ele não era daqueles gênios que ninguém entendia. Era extremamente didático na forma de expor seus pensamentos. E o Feynman lectures foi um esforço de vários anos, com uma excelente equipe, a fim de trazer o conhecimento do mais alto nível aos universitários e curiosos como eu.

Desta primeira afirmação sobre átomos, ele começa a divagar, explicando o motivo da pressão subir com o aumento da temperatura e decrescer com a diminuição da mesma, a água em estado normal, congelada e o efeito da evaporação, porque a estrutura da água congelada ocupa mais espaço que a água líquida, como é um processo químico, sempre de forma didática.

Tenho uma história curiosa sobre o Feynman Lectures.

Eu ganhei os três volumes da coleção do meu amigo Cláudio Ortolan, há um ano, mais ou menos. Embora haja como obter os pfds na internet, a coleção em papel, encadernada (e infinitamente melhor para ler) é bastante cara, para não dizer rara.

O Cláudio estava comprando a coleção para o filho, e aproveitou e comprou uma a mais para mim.

Mas ele não fez isso por nada. Um mês antes, eu tinha presenteado o filho dele com uma biografia em quadrinhos de Richard Feynman. É um livro bem escrito, mostrando o quão curioso era ele a respeito de tudo: abrir cofres, samba brasileiro, pratos girando e eletrodinâmica quântica.

Ambos (pai e filho) gostaram tanto da história que ficaram vários dias discutindo sobre o tema, daí o Cláudio decidir comprar o compêndio todo.

E, se houver um cataclisma e eu puder dizer um aprendizado sobre Feynman, seria o de que ele era extremamente curioso sobre tudo. Não era curioso tendo um objetivo em mente, era pelo puro prazer de entender como as coisas funcionavam.

Incerteza de Heisenberg e rumos

O ministro Marcos Pontes fez a postagem abaixo.

Minha resposta:

Esta equação é a do Princípio da Incerteza de Heisenberg.

Houve um tempo, após Newton, em que os cientistas achavam que as Leis da Física poderiam prever tudo de forma absoluta. Se eu soubesse a posição de todas as partículas do universo, um computador suficientemente poderoso poderia calcular todo o futuro e todo o passado de tudo o que existe: é o Demônio de Laplace.

Porém, um dos pilares da Física Quântica é o Princípio da Incerteza: há uma incerteza intrínseca no nível atômico mais básico do universo. Nem se houvesse um super Demônio de Laplace, seria possível calcular todo o futuro. Fazendo a analogia, nada está escrito, ninguém manda em você além de você mesmo!

Finalistas do Edelman 2020

Forgotten Math

Parabéns aos finalistas do Prêmio Edelman 2020, promovido pela Informs!

São eles Amazon, Carnival PLC (maior empresa de cruzeiros do mundo), Deutsche Bahn (empresa de ferrovias alemã), IBM, Intel e Walmart. Só gigantes!

Ver o post original

A Meta – de Eliyahu Goldratt

Ganhei este livro do CEO da Klabin, Cristiano Teixeira, e gostaria de compartilhar aqui a indicação.

O livro “A Meta” é um clássico da administração. Diferente dos livros tradicionais, este ensina conceitos numa narrativa em forma de ficção. Alex Rogo é o gerente de uma fábrica em dificuldades, prestes a ser fechada por conta de péssimos resultados. Algumas frases:

Esta fábrica tem 4 níveis de prioridade: quente, muito quente, incandescente e faça AGORA!

(Quando o diretor ligou para a sua casa e ele não atendeu) Devido às circunstâncias, não posso dizer que tenho uma vida pessoal.

A cada seis meses a matriz aparece com um novo programa que é a nova panaceia para nossos problemas.

Eu costumava achar que trabalhar duro poderia resolver qualquer coisa.

Ele encontra um mentor, que guia em sua jornada:

(Após dizer que robôs tinham aumentado a produtividade de uma área). É mesmo, 36%? Então quer dizer que a sua empresa está ganhando 36% a mais com a instalação de alguns robôs?

Qualidade e eficiência são belas palavras. Entretanto, porque a Douglas não continuou fabricando o ótimo DC-3 para sempre?

A fábrica não foi construída para ter prejuízo. A empresa existe para ganhar dinheiro.

Estas e outras considerações fazem parte da Teoria das Restrições, explicada no livro.

“Tubarão”, um filme trash de Sessão da Tarde

O filme “Tubarão” (Jaws), de 1975, é um dos mais aclamados de todos os tempos. Contudo, poderia ter sido apenas uma produção tosca, um filme de terror B, se tivesse saído conforme planejado. 

Por ironia do destino, o que salvou o filme foram os inúmeros problemas ocorridos com o tubarão mecânico.

Foi um dos primeiros filmes do diretor Steven Spielberg, então com 27 anos.  O orçamento de 4 milhões de dólares já tinha estourado, assim como o prazo de 55 dias. Mesmo assim, a produção não conseguia fazer funcionar o tubarão mecânico, uma engenhoca complicada, comandada por roldanas a partir de outro barco, e que quebrava a todo instante. Houve dias que só aproveitaram segundos de filmagem. O filme, por pouco, não saiu. “Jaws” foi apelidado por “Flaws” (falhas) e o departamento de efeitos especiais foi chamado de departamento de Defeitos especiais.

Como fazer um filme de tubarão sem tubarão?

Spielberg teve que se virar com o que tinha. Inspirado por outro grande cineasta, o mestre do suspense Alfred Hitchcock, ele decidiu fazer um filme de tubarão sem tubarão: apenas sugerir a sua presença, minimizando a sua aparição – acompanhado de um tema musical aterrorizante e inesquecível – relembre abaixo.

Uma visão clara do tubarão só ocorreu após os primeiros 80 minutos do filme.

O poder da sugestão na cabeça das pessoas é tão grande, que o filme foi um sucesso.

Jaws é considerado o primeiro filme Blockbuster (arrasa-quarteirão) da história, um grande sucesso de crítica e de bilheterias. Conseguiu o maior faturamento até então (sendo superado, em 1977, por Star Wars).

Portanto, fica a lição. As dificuldades insuperáveis podem nos tornar melhores do que somos, se tivermos a coragem e a ousadia de enfrentá-las de modo inteligente.

Algumas curiosidades:

O compositor da trilha de Tubarão, John Williams, deveria ser lembrado para sempre na história. Ele criou várias outras trilhas icônicas e imortais: Star Wars, Indiana Jones, Super-Homem, etc…

“Você vai precisar de um barco maior”, é um bordão que virou clássico.

Spielberg não compareceu à gravação final do filme, por temer que a equipe o atiraria para dentro da água assim que ouvissem o último “corta”.

Havia três tubarões mecânicos, um só com o lado direito, outro só com o lado esquerdo, e um completo.

Spielberg apelidou o tubarão como “Bruce”, em homenagem a seu advogado, um tubarão dos tribunais.

“Fazer Tubarão me traumatizou por anos”, diz Spielberg.

Algumas fontes:

https://www.rottentomatoes.com/m/jaws

Click – como resolver problemas insuperáveis – David Niven

https://www.mentalfloss.com/article/64548/25-incisive-facts-about-jaws

https://www.newyorker.com/culture/culture-desk/the-unassuming-greatness-of-jaws

Qual a probabilidade de ganhar a Mega-Sena da virada?

Forgotten Math

São 60 números possíveis, e uma aposta tem 6 números. A fórmula é combinação(60,6). Isto dá uma chance em 50 milhões.

Com mais apostas, melhor a probabilidade.

Na loteria, é possível marcar mais números na mesma cartela.

Digamos, com 7 dezenas assinaladas, há o equivalente à Combinação(7,6) apostas = 7 apostas. É como se eu preenchesse 7 cartelas individuais e as submetessem, e multiplico a minha chance de ganhar por 7 (e também o custo de jogar).

É o mesmo resultado calculado neste site: https://www.sorteonline.com.br/mega-sena/probabilidades

Segue planilha para download aqui, para quem quiser mexer.

Entrando nas formulinhas, para quem gosta.

Da análise combinatória:

Combinação(n,p) = n! / (p! * (n-p)!)

Onde ! denota a função fatorial.

O Excel tem as funções combinação e fatorial pré-definidas, porém, é mais divertido reescrevê-las:

Function fact(n)

If n = 1 Then

fact = 1

Else

fact = n * fact(n – 1)

End…

Ver o post original 122 mais palavras