A Associação dos Burros Esforçados

Um burro esforçado

 

Hoje, no trabalho, um colega disse que eu era inteligente. Não concordei, disse que era um “burro esforçado”, embora bastante esforçado. E que era melhor ser um burro esforçado do que um gênio preguiçoso.

 

 

Ele não entendeu, então estou escrevendo para explicar melhor a história.

 

No Instituto Tecnológico de Aeronáutica, onde fiz a graduação, existe a “Associação dos Burros Esforçados”.

 

Abe.jpg

Segundo o estatuto da associação:

 

“Gloriosa associação daquelas infelizes criaturas de inteligência normal mas que, por se esforçarem muito, acabam passando no vestibular do ITA e tendo que conviver com os gênios da escola”.

 

Isto fica mais claro exemplificando o que significa “gênios da escola”.

 

  • Tinha um sujeito que era a perfeita definição de “sleep learning”. Chegava atrasado, dormia metade da aula. Mas, no pouco tempo em que estava acordado, apontava erros lógicos do professor e fazia perguntas não triviais. Mas isto só acontecia quando ele tirava a soneca. Quando prestava atenção na aula, não tinha ideias geniais.
  • Tinha um outro, que ficava o tempo todo jogando bola. Ou fazendo alguma outra atividade extra-curricular, como dar aulas no cursinho da cidade. Começava estudar para as provas meia-noite do dia anterior à mesma. E, como sempre, cravava o “L” habitual (nota máxima).
  • Tinha um que fazia a prova inteira de cabeça. Não escrevia uma linha. Só escrevia a resposta final. Até que, um dia, um professor implicou, e ele passou a registrar no papel os passos intermediários de seu raciocínio, para o pobre professor entender o que se passava em sua cabeça privilegiada.

 

Mas nem todos era assim. Tinham as pessoas normais, que estudavam muito. Que estudavam todos os dias. Que liam a teoria, faziam os exercícios, reliam a teoria, à exaustão. Que levavam livros para casa no final de semana para estudar. Todo este trabalhão para tirar uma nota um pouco acima do mínimo necessário, e olha lá. A gloriosa “Associação dos Burros Esforçados” era para estas infelizes criaturas. Segue a página com uma explicação oficial sobre o assunto.

 

http://www.aeitaonline.com.br/wiki/index.php?title=ABE

 

Também tinha o burro preguiçoso, mas este em raros casos ia para frente.

 

E também tinha o gênio esforçado… aí, sai de baixo.

 



 

A lebre e a tartaruga

 

Mas, passados muitos e muitos anos, finalmente sinto que é melhor ser a Tartaruga do que a Lebre do conto de Esopo.

 

Isto ocorreu ao acompanhar uma aula do prof. Clóvis de Barros Filho, sobre Ética. Há várias disponíveis no Youtube.

 

Na antiga Grécia, a ética aristotélica dizia que o ser humano deveria atingir a Virtude. Uma pessoa de grande habilidade num determinado campo deveria atingir o seu máximo potencial, seja em música, em política, matemática, etc. Os pobres coitados que não tinham tal privilégio deveriam ajudar os iluminados a atingirem os seus objetivos. Isto significava que o lugar do escravo era como um escravo mesmo. O aristocrata era o aristocrata, não deveria fazer algo mundano como trabalhar.

 

 

Isto mudou com o pensamento de Imannuel Kant. Na moral kantiana, que é a visão moderna do mundo, cada ser humano deve se empenhar em fazer o melhor possível dentro de seus limites.

 

 

 

Barros compara alguns futebolistas. No São Paulo de uns anos atrás, havia o Paulo Henrique Ganso no meio-campo. Extremamente talentoso. Elegante no domínio da bola, e com passes primorosos. Cabeça erguida, grande visão de jogo. Genial. Mas preguiçoso. Ficava parado olhando a vida passar… Não corria, não marcava, nada. Era o talento sem esforço.

 

Já outro jogador, o Aloísio “Boi Bandido”, era grosso que só. Ruim de bola, talento zero, caneludo. Porém, corria atrás da bola sem parar, dava carrinho, ajudava na defesa depois corria para o ataque, azucrinava os adversários. O talento nulo compensado pelo esforço total.

 

 

Se fosse para o técnico Muricy Ramalho tirar alguém, ele tirava o Ganso. E, se fosse para a torcida idolatrar alguém, o “Boi Bandido” era o mais popular. O esforço predominava sobre o talento.

 

Esta é a vitória de Kant sobre Aristóteles.

 

 

E também porque é melhor ser um burro esforçado do que um gênio preguiçoso.

 


 

Veja também:

Gênios idiotas e Idiotas gênios

 

Confesso que colei – sobre a Disciplina Consciente no ITA.

 

Sobre Marcos Pontes, o ministro-astronauta-aviador-iteano.

 

6 comentários sobre “A Associação dos Burros Esforçados

  1. Pingback: Burro esforçado – escreversonhar

  2. Uma vez, ensinei para um colega a teoria por trás de uma das questões, quando estávamos estudando.

    Na prova, caiu uma questão um pouco mais elaborada, mas a chave para a resposta era o material acima.

    O colega acertou a questão, e eu errei.

    Porém, fiquei muito feliz, por pelo menos ele ter acertado. Estudar em grupo só vale a pena quando o grupo é forte – certamente eu também aprendi muito com todos os outros “burros esforçados” da minha época.

    Curtir

  3. Marcelo Guimarães

    (Tenho opinião contrária) Como colocar as pessoas certas nas funções certas? Temos os inteligentes e os burros; e os esforçados e preguiçosos. O inteligente preguiçoso fica no planejamento. O inteligente esforçado vai para linha de frente = comando. O burro preguiçoso é a massa de manobra. E o burro esforçado? Livre-se dele. Só fazem merda, principalmente quando tomam a iniciativa de fazer.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s