10.000 sapatos para o pé esquerdo e zero para o pé direito

Conta uma história que, na Rússia comunista, uma fábrica de sapatos tinha uma meta de produção, de digamos 10.000 sapatos por mês.

Um dia, uma das máquinas quebrou, e agora eles só conseguiam produzir o pé esquerdo do sapato. Eles não iriam conseguir consertar a máquina sem perder a meta, o que significava castigo para todos: o diretor seria executado, o gerente iria para trabalhos forçados na Sibéria, o supervisor seria rebaixado para um agricultor numa fazenda coletiva, etc…

Qual foi a solução adotada? Ora, eles eram cobrados pelo volume de sapatos produzidos. Deveriam produzir 10.000 sapatos, e foi o que fizeram: produziram 10.000 sapatos para o pé esquerdo, e zero sapatos para pé direito, e consequentemente zero pares úteis de sapatos.
amputee-left-foot-bostonian-brown-leather-dress-oxford-single-shoe-10-5-eee-e-767d1429e2907f21f352189f5ce60bc1.jpg


 
Esta história é só uma ilustração da Lei de Goodhart: “Quando uma métrica torna-se uma meta, esta deixa de ser uma boa métrica”.

Quando se olha somente para um número e tenta-se atingi-lo a qualquer custo, valendo jeitinhos cá e lá, o tiro tende a sair pela culatra. Afinal, a regra básica da Economia é: “Pessoas respondem a incentivos”.

Uma das formas de se evitar isto é não ter metas tão rígidas assim, deixar uma margem. E não ter metas focadas num único objetivo local.


Se a história acima é apenas ilustrativa, a história a seguir não é.

O “Grande Salto para a Frente”, ocorreu entre 1958 e 1961 na China comunista, sob o comando de Mao Tsé Tung, e foi um dos episódios mais tristes da história da humanidade, resultando em mais de 27 milhões de pessoas mortas por inanição.
Foram várias as iniciativas catastróficas dos comunistas, mas vamos focar em duas.


Produção de Aço
Uma das metas do “Grande Salto” era a de fazer a China ter a maior produção de aço do mundo. Enquanto a Inglaterra e os Estados Unidos tinham grandes usinas siderúrgicas para a produção de aço, a estratégia chinesa era de ter usinas de quintal, pequenas o suficiente para serem operadas por camponeses simples, em todo o território chinês. Mao Tsé implantou milhares dessas micro-usinas, e para cada uma delas havia uma meta rígida de produção de aço.

 

250px-Backyard_furnace4.jpg
Fornos de quintal

Para produzir aço, é necessário minério de ferro e carbono. Minério de ferro tem que ser extraído de minas. O carbono vem da queima de florestas. Mas minério de ferro não existe em qualquer lugar, o que obrigou os camponeses a utilizar sucata. E isto também causou uma devastação das florestas, utilizadas para a produção de aço. Com o passar dos meses, a sucata foi acabando, assim como as florestas. Mas não as metas. Devido a números irreais, inflados por burocratas, supostamente a política de produção de aço em micro-usinas estava dando muito certo, o que fez com que as metas fossem aumentando, mês após mês.

furnaces.jpg
Os camponeses, sem sucata para alimentar os fornos, passaram a usar qualquer produto que tivessem em casa e que fosse de metal: a enxada para cultivar o solo, maçanetas das portas, garfos e facas. Também sem florestas para queimar, passaram a queimar o que tinham: cadeiras, portas, mesas. Ou seja, passaram a destruir valor, a fim de cumprir a meta imposta pelo governo: transformo o meu ferro de passar roupa em aço, e lamentavelmente um aço de péssima qualidade, pela produção ser caseira.


Agricultura
Outra das metas era de revolucionar a agricultura. Isto seria conseguido com novas técnicas de plantio, muito esforço da população, e caça a pássaros que atrapalhem a agricultura. Esta nova técnica de plantio era a de plantar a semente bem fundo, a até 2 m de profundidade. O esforço da população era a de plantar, cuidar, e também a de ficar espantando os pássaros.

400px-Xinyang_working_at_night.jpg
Camponeses trabalhando à noite

Primeiro, que esta técnica de plantio não funcionou, pura e simplesmente. Entretanto, ninguém tinha a coragem de dizer isto a Mao Tsé, sob pena de perder a cabeça. O que os burocratas faziam era reportar números fictícios, dizer que a agricultura estava muito mais produtiva do que antes. E isto fazia com que a meta de produção agrícola subisse, mês após mês.

Houve uma grande redução no número de pássaros devido a esta caça desenfreada a eles. Mas os pássaros comem outros insetos, que acabaram proliferando desenfreadamente, atacando o pouco da produção agrícola que tinha sobrevivido à desastrosa técnica revolucionária de plantio.

Diante das altas metas de produção, é natural que os camponeses protestassem. Mas os oficiais comunistas eram rígidos, chegando a torturar e matar os que não conseguissem cumprir a cota de produção.

 

pc-1958-024.jpg

O resultado disto foi uma das maiores fomes já vividas por um país. Uma devastação maior do que uma guerra provocaria.


Este é o exemplo mais triste que conheço da Lei de Goodhart. Portanto, critico muito quem olha só para números e metas, e cobra mais números e mais metas, e tudo isso sem sair do seu escritório.

Há inúmeras fontes na internet sobre o “Grande Salto para a Frente”: vídeos, textos, depoimentos, fotos. Vale a pena conhecer mais.

https://en.wikipedia.org/wiki/Great_Leap_Forward

O couro do Leão de Nemeia

O primeiro dos 12 trabalhos de Hércules foi contra o Leão de Nemeia. Este leão era extremamente feroz, e tinha uma couraça muito dura. Tão dura que nenhuma flecha ou lança conseguia penetrar, de forma que usar armas era inútil.

The_Lion_of_Nemea_(The_Nemean_Lion).jpg
Depois de uma longa luta, Hércules conseguiu matar o Leão de Nemeia estrangulando-o com as mãos nuas.

Após vencer este grande desafio, Hércules tirou o couro pesado do animal e passou a vesti-lo, desta forma ficando mais forte ainda.


O segundo trabalho de Hércules foi contra a terrível Hidra de Lerna, um ser com cabeças de cobras, tão venenosa que o seu sangue era puro veneno. Corte uma cabeça, e duas surgirão no lugar. Corte duas cabeças, e quatro surgirão no lugar.  O jeito encontrado por Hércules foi cauterizar com fogo o local tão logo a cabeça era cortada, para impedir que outras cabeças surgissem.

Hydra.jpg
Depois que Hércules venceu a Hidra, ele banhou as suas flechas no sangue venenoso, obtendo uma arma mais forte ainda.


 
A moral da história é que Hércules se propunha a desafios enormes, e a cada difícil batalha vencida, ele tornava-se cada vez mais forte. Sempre se aprende algo ao encarar grandes desafios.

 


Obs 1. Depois que Hércules morreu, um tal de Philoctetes herdou o arco e as flechas envenenadas com o sangue da Hidra de Lerna. Na Ilíada conta-se que, já no finzinho da Guerra de Troia, Philoctetes usa as flechas envenenadas para abater Páris, o príncipe troiano que raptou Helena e começou toda a confusão.

Obs 2. Na batalha contra a Hidra, Hera envia um caranguejo para atrapalhar Hércules. O caranguejo atacou Hércules, que imediatamente deu um pisão no caranguejo, estraçalhando-o. Em homenagem ao caranguejo, Hera criou a constelação de Câncer.

cancer__the_crab_by_fireberd904-d3gw4m7.jpg