Importância do timing

Estratégias Chinesas e a Arte da Guerra

 Momento
O tempo é o fator mais importante da vida, e o timing é crucial em qualquer empreendimento.
O Momento, na física, é dado pela massa x velocidade. Velocidade é distância por tempo.
É extremamente difícil parar algo que tem muita massa e está numa grande velocidade, isto exige muita energia. É mais fácil parar algo que tem pouco momento.
Por outro lado, é difícil manter algo muito pesado a grande velocidade, por muito tempo. O gasto de energia é grande.
É por isso que o timing é fundamental. Bater de frente com algo com muito momento é difícil. Melhor esperar a ocasião em que o momento é baixo.
Aníbal, o grande general cartaginês, é famoso por sua bravura. É o general que cruzou os Andes, com elefantes, para atacar Roma pela retaguarda. Aníbal impôs pesadas derrotas a Roma.
(Aníbal)
Roma reagiu tentando aniquilar Aníbal. Mandou expedições cada vez mais…

Ver o post original 224 mais palavras

Como a zebra sabe pintar as listras de preto e branco?

Imagem

Não são apenas computadores que seguem algoritmos para a execução de tarefas. A biologia também faz uso de algoritmos, escritos numa linguagem de genes.

Sempre me perguntei: se o corpo humano surgiu de uma única célula, como esta célula sabe que tem que se transformar numa célula de osso, ou na célula do fígado? Como ela sabe que o dente da criança é de leite ou é de verdade? Como a zebra sabe pintar as listras?

Diz a teoria moderna que o corpo humano sabe disto, porque tem uma receita que diz como fazer isto, tal qual uma receita de bolo. Há transmissão de informação de pai para filho, através do DNA. O código genético é escrito numa linguagem de 4 bits (Adenina, Guanina, Citosina, Tinina), que são fisicamente complexas bases de carbono.

Aliás, o corpo humano trata as informações da mesma forma que o computador.

Como funciona um computador?

O computador utiliza a linguagem binária, e segue um algoritmo para executar alguma tarefa. Um algoritmo é uma série de instruções escritas de forma precisa, uma receita de bolo.

Abstratamente, o computador é algo que tem uma “fita” (na verdade componentes eletrônicos)  que podem assumir valor 0 e 1, uma cabeça de escrita/leitura que percorre esta fita, e uma lista de instruções para agir (se 0, vá para a posição à direita, se 1, escreva 0 e pule duas posições, algo assim. Este é o conceito da máquina de Turing, que é a noção mais abstrata de computação e baseou a construção dos computadores e linguagens  de programação.

E como funciona o corpo humano?

O algoritmo está escrito no DNA, uma longa fita em dupla hélice escrita na base de carbono (o maior cromossomo humano tem 220 milhões de pares de bases). Quando há a necessidade de fazer algo, esta fita se desenrola, uma fita auxiliar chamada RNA vem, copia a informação e vai embora.

E como o RNA sabe exatamente qual trecho copiar e quando parar? É análogo à cabeça de leitura do computador, algo como: agora que já fiz a instrução 1, vá para a direita se A, mas para a esquerda se G. E a biologia faz isto a partir de mensagens químicas.

O DNA é como um livro de receitas gigante. Esta fita de informação menor, o RNA, é a receita específica de uma proteína, uma célula de osso, uma célula do fígado.

Por exemplo, o DNA da zebra diz: vá fazendo células da listra preta, para a direita, depois leia a base seguinte. E o corpo vai produzindo células pretas, até chegar no ponto da lista em que o código diz: agora, vá fazendo células brancas. E cada receita de célula preta ou branca vem de um RNA específico, que contém a informação de como montar isto.

O ser de carbono e o ser de silício são máquinas de Turing.

E o câncer? O câncer é um programa que deu pau. É uma reprodução descontrolada de células do próprio corpo. São células que deveriam ter parado de se reproduzir, mas continuam o fazendo, de modo que consomem energia do corpo e ocupam o espaço dos vizinhos que realmente deveriam estar no lugar certo.

Pergunta: seria possível o ser humano mudar esta programação? Não duvide da natureza, há inúmeros detalhes e nuances que o ser humano jamais compreenderá. Isto seria algo como o computador mudar os algoritmos que o escreveram.

Arnaldo Gunzi

Lógica x Língua portuguesa

Relato da conversa com minha filha, de dois anos: 

– Você fez xixi?
– Sim, eu “fazeu” xixi.

Sempre achei a língua portuguesa sem lógica.
Por exemplo, a criança aprende a língua sozinha. Ainda não ensinaram nenhuma regra gramatical, mas já sabe falar.
Intui do que ouve, junta o que todos falam e tira conclusões.

Portanto, se o passado de “comer” é “comeu”, o passado de “beber” é “bebeu”, então o passado de “fazer” é “fazeu”. Por que raios o passado seria “fiz”?

 

Dizia Olavo Bilac que a Língua Portuguesa era a última flor do Lácio, inculta e bela.

Inculta certamente é. Se é bela, depende de como usamos…

Oportunidades

Você que hesita com dúvidas e medos,

 

Acha que não tem chances, meu caro? Por quê?

 

Os maiores desafios ainda não foram vencidos,

A pontuação máxima ainda não foi alcançada,Os melhores livros ainda não foram escritos,

A melhor música ainda não foi tocada. 

Anime-se, o mundo é jovem!

Não se preocupe nem se lamente,

As oportunidades estão apenas no início,

 

Porque os melhores projetos ainda não começaram,

E o melhor trabalho ainda não foi feito.

 

Tradução livre de “Opportunity”, de Berton Braley

 

Colorful_spring_garden.jpg

 

Kamikaze

Estratégias Chinesas e a Arte da Guerra

Lá pelo ano de 1200 e pouco, a China era comandada por uma dinastia mongol, fundada por Kublai Khan, neto do lendário Genghis Khan.

A China mongol, nesta época, lançou duas expedições para conquistar o Japão. O Japão da época era um país de camponeses, e não teria a menor condição de sustentar uma guerra contra o exército que conquistou metade do mundo.

A primeira expedição chinesa tinha 10 mil homens. Entretanto, quando os chineses estavam no meio do caminho, foram pegos por uma das piores tempestades da década. Devastados pelo poder do mar e pela fúria do vento, os chineses voltaram para casa.

Cerca de 10 anos depois, os chineses lançaram um maciço exército de 100 mil homens para devastar o Japão. E o que aconteceu? A pior tempestade do século atingiu os navios chineses, causando pesados danos e impedindo o acesso ao Japão.

Os japoneses chamarem este vento…

Ver o post original 198 mais palavras

Jogador posicional

Estratégias Chinesas e a Arte da Guerra

Em seu livro “How life imitate chess”, Kasparov (considerado um dos maiores enxadristas da história) conta detalhes de seus duelos contra o seu nêmesis Karpov, talvez o segundo maior enxadrista da história.

Enquanto Kasparov era agressivo no ataque, a força de Karpov estava na defesa. Era um “Jogador posicional”.  Só se defendia. As jogadas eram só para desarmar o ataque do outro. Defendia com várias jogadas de antecedência. Defendia até mesmo quando o outro nem sabia que estava atacando. E ganhava no erro do oponente.

Na Arte da Guerra, está escrito que não podemos ter certeza da vitória. Esta virá no erro do inimigo. Podemos somente garantir que não soframos a derrota.

 

Ver o post original

Sitiar Wei para salvar Zhao

Estratégias Chinesas e a Arte da Guerra

 

Conta-se que  o poderoso exército de Wei estava em marcha para atacar o pequeno de Zhao, que dificilmente resistiria ao ataque. O rei de Wei pediu ajuda ao estado de Qi, que tinha como general Sun Bin, o “Aleijado”. Sun Bin era descendente de Sun Tzu.

Porém, ao invés de marchar para confrontar os inimigos de Wei, o “Aleijado” colocou seu exército em direção à cidade do inimigo. Uma vez que Wei tinha mobilizado mais de 100 mil homens, a sua capital estava desprotegido.

Isto obrigou que o exército de Wei voltasse correndo para a sua capital, salvando Zhao da invasão sem disparar um tiro.

O exército de Wei, voltando a toda velocidade, foi facilmente emboscado pelo “Aleijado”.

Esta foi uma batalha vencida pelo posicionamento e inteligência, superiores à força.

 

Ver o post original

Bênção

Um pouco de Poesia.

“É melhor ser alegre que ser triste,

alegria é a melhor coisa que existe,

é assim como a luz

no coração”

bencao

A primeira vez que ouvi estes versos foram num comercial do McDonalds na TV, lá pelos anos 80. Não imaginava que o nome da música era “Samba da Benção”, e muito menos que o autor era o Vinícius de Moraes.

Anos depois, ouvi a música inteira, e mais uma par de anos depois, parei para entende-la.

Era uma música belíssima, extremamente bela. Mas, apesar dos versos alegres, o seu tom era triste. Alegria e tristeza. A bênção aos companheiros, a bênção porque ele vai partir,

“Mas pra fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza
É preciso um bocado de tristeza
Senão, não se faz um samba não”

Sobre a vida, os encontros e desencontros, os amores.

“Cuidado, companheiro!
A vida é pra valer
E não se engane não, tem uma só”

“Ponha um pouco de amor numa cadência
E vai ver que ninguém no mundo vence
A beleza que tem um samba, não”

Se tem algo que o brasileiro tem e nenhum outro povo do mundo tem, é o prazer de ouvir esta música belíssima e conseguir captar todos os seus nuances.

A bênção, Vinícius!

A bênção, amigo!

Foco x Visão 360 graus

Mais ou menos em 2009, quando Eike Batista estava no auge, eu li o livro dele, chamado “O X da questão”.

Conta a historinha básica da vida de todo vencedor: que começou cedo, começou vendendo de porta em porta, etc. Este tipo de biografia é sempre enviesado a puxar a sardinha para o lado do biografado. Até aí, tudo bem.

Achei o livro interessante. Mas tinham dois itens que me incomodaram bastante.

O primeiro: ele citou que o controle de risco incluía desistir da “mão-podre” antes que contaminem o resto, ou seja, abandonar projetos que fracassaram sem dó nem piedade. Pensei: Mas e os tantos acionistas minoritários que entraram junto nesta empreitada, vão ficar com o prejuízo? Anos depois, a resposta: vários negócios foram vendidos, dívidas foram convertidas em ações, credores assumiram empresas, minoritários foram diluídos em 90%…

 

O segundo ponto que me incomodou muito foi a tal “Visão 360 graus”. É a filosofia dele que dizia que tinha que se preocupar com TODOS os aspectos à sua volta: logística, economia, jurídico, engenharia, etc. Em resumo, olhar para todos os lados, estar preparado para se defender de tudo. Parece bonito, mas é uma típica bravata de valentão querendo se impor na força.

Lembrei imediatamente de Sun Tzu, o estrategista autor da Arte da Guerra. “Se o inimigo se defender à direita, ele estará vulnerável à esquerda, se ele se defender à esquerda, estará vulnerável à direita. Se ele se defender em todos os pontos, estará vulnerável em todos os pontos”.

Não é possível ao ser humano estar atento a tantas direções ao mesmo tempo.Ele deve focar naquilo que sabe bem, e contar com alianças com outras pessoas naquilo que estes têm de melhor. Deve fazer o básico, o arroz com feijão primeiro, para depois construir os outros aspectos relevantes. Afinal, de que adianta um poço de petróleo com marketing, engenharia, portos, navios, advogados, cientistas da computação, etc, se o poço não tem petróleo?

 

 

 

 

Objetivos financeiros

Calc

O ser humano é sempre igual. Quando se fala em renda variável (bolsa, ouro, títulos, imóveis), o objetivo do ser humano é sempre ficar rico. E este objetivo está errado.

Com a exceção de um ou outro gênio que consegue se sobressair, a grande maioria vai apenas perder, se for com o puro e simples objetivo de conseguir muito em pouco tempo. A grande maioria nem estuda o suficiente para saber o que está fazendo. Agem sem controlar riscos, visando somente a rentabilidade a curto prazo e não o montante geral a longo prazo.

Na verdade, o primeiro objetivo em renda variável deve ser o oposto: não ficar pobre.

Explico: seu primeiro objetivo deve ser acumular patrimônio em ativos reais, dando menor importância à rentabilidade e maior importância ao valor. A rentabilidade nominal de um papel pode ser ilusória, mas o valor de um ativo real, não. O título da dívida do governo é um papel sem valor intrínsico, assim como uma poupança num banco. Já um imóvel é um ativo real. A ação de uma companhia como a Vale é um ativo real, porque você é sócio de uma fatiazinha da companhia, e enquanto o Brasil for um país capitalista, isto vai ter valor financeiro, protegido pela jurisdição.

Enquanto buscar renda variável a curto prazo é um jogo de soma zero (porque o que você ganha é o que alguém perde), acumular patrimônio real é um jogo de soma positiva, porque você recebe dividendos que advém do lucro de uma companhia, que cresce com o crescimento da economia do país.

Assim, paradoxalmente como em tudo na vida, aquele que se defende com ativos reais para não ser pobre, pode ter a chance de acumular muito patrimônio, se um ou mais de seus ativos reais deslancharem. Já aquele que buscou o curto prazo vai ter vida curta, porque dificilmente um peixinho vai engolir um tubarão num jogo desses.